Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Colega ou amante

 

Olá vi seu blog e gostei. Preciso de ajuda. Já conversei com algumas amigas que sabem meu problema, resolveu por um tempo mas não estou sabendo lidar com isso de novo.

Vou resumir minha história. Sou casada há 17 anos e tenho dois filhos. Sempre vivi em função de minha família, me dedicava em tempo integral a todos e com o passar do tempo comecei a notar que eu me anulava que não fazia nada pra mim. Sempre que saíamos era em lugares que meu marido gostava e o que eu gostava foi ficando de lado e cada vez mais distante. E com o passar dos anos fui dando-me conta disso. Comecei a cobrar de meu marido certas atitudes como ir a algum show de um artista que eu gosto, mas sem nenhum interesse dele, até que eu comecei a não querer mais fazer as coisas que ele gostava e isso acabou nos afastando. Cada dia um pouco mais.

Até a um certo dia depois de já desconfiar que ele poderia estar traindo-me, vi uma mensagem no celular dele à outra mulher. Nessa mensagem ela "aconselhava" ele. A mensagem dele pra ela era um elogio, coisa que nunca fazia comigo. Eu estava tão amortecida, tão "acostumada" a não questionar que pensei em deixar pra lá e não tocar no assunto com ele. Mas não aguentei e falei. Ele então disse que era uma amiga de trabalho que desabafou com ele sobre problemas com os filhos dela e ele me confessou que também desabafou com ela sobre nosso casamento. Me senti humilhada, exposta, um lixo, pois não sabia o que exatamente, ele tinha dito a ela sobre mim. Ele me garante que não houve nada entre eles mas fica difícil acreditar. Acredito sim que da parte dele poderia ter alguma intenção sim pelo contexto da mensagem que ele enviou a ela.

 

No dia que vi a mensagem até liguei a ela que também negou e disse ter deixado claro a ele que seriam só amigos. Mas nem ele nem ela me convenceram. Tentei levar em frente, seguir como casal mas o tempo passa e certas coisas ficam martelando na minha cabeça.

Minha vida que estava virada só piorou. Hoje não tenho vontade de fazer nada com ele, nem de sair, nem de sexo, e não sei até quando isso vai durar, pois sei que sexo é importante mas não sinto vontade nem desejo.

Agradeço se puder aconselhar-me.

(Espero ter sido clara)

Obrigada.

 

Cara leitora,

 

O segredo para manter um casamento é fazer coisas junto que cada um goste. Conversem e façam acordos, negociem, para que cada um possa  escolher o programa e para que ambos possam sentir-se felizes e, principalmente, para que não aconteça um afastamento.

O casamento é a dois e cada um precisa  ter o seu próprio espaço. Uma das causas das crises conjugais é o fato de as mulheres terem expectativas desproporcionais em relação a seus parceiros. Muitas mulheres querem um homem que as "inspire” e exigem que viva no auge do magnetismo e possa fazê-las sentirem-se o máximo o tempo todo.

Temos dentro de nós necessidades essenciais. São as demandas e expectativas inegociáveis - e que, quando abortadas em uma relação, só trazem frustração. Ninguém pode ter todas as necessidades preenchidas por outra pessoa. Mas há duas ou três coisas de que não dá para abrir mão, e o parceiro ideal é aquele que as respeite e as preencha.

Esqueça essa colega de trabalho. Invista na vossa relação pois é assim que podem recuperar o prazer de viver feliz como um casal.

 

Um abraço

 

Medo de ir à escola

19.jpg

Olá,

tenho 16 anos e gostaria de pedir ajuda, eu tenho medo de ir para escola, desde o sétimo ano que comecei a faltar. Ano passado parei de ir pra escola na metade do ano, por sofrer bullying, na verdade acho que eram apenas brincadeirinhas, mas eu sempre fui sensível, e acho que também usei de desculpa para não ir mais para a escola, eu muitas vezes ia e tinha que voltar para casa por estar passando mal, falta de ar, dor de cabeça...

E esse ano inteiro só fui três vezes, tenho que voltar duas para casa por começar a ter crises e chorar. Para piorar uma das professoras tirou sarro da minha cara por saber que eu passo por tratamento psicológico e psiquiátrico. Agora minha mãe conseguiu uma vaga em outra escola, eu não quero ir, eu tenho medo, só não sei de que, mas eu sei que não é nervosismo normal. Eu iria agradecer se pudesse ajudar-me.

 

Obrigada.

 

Cara adolescente,

A recusa em ir à escola é um problema que atinge muitas crianças e adolescentes em idade escolar. A pessoa sente-se ansiosa, assustada, e por vezes até mesmo em pânico perante a necessidade de ir para a escola.

 

Este medo e preocupação intensa podem causar dificuldades em dormir e ter pesadelos, assim como apresentar sintomas físicos como por ex. dores de barriga ou de cabeça, perda de apetite, vómitos ou febre.

 

Quando a situação de absentismo às aulas se prolonga há progressivamente uma maior dificuldade em regressar à escola. É comum instalar-se uma situação de atraso ou insucesso escolar e, progressivamente, um distanciamento dos colegas e amigos e isolamento do convívio.

 

A estas dificuldades graves no funcionamento educacional e social, associa-se ainda o maior risco para desenvolver-se uma Perturbação de Ansiedade caso não se intervenha atempadamente sobre as suas dificuldades.

Quando há fatores que contribuam para o problema é preciso encontrar uma solução para os mesmos ou procurar a ajuda profissional de um Psicólogo.

De qualquer maneira tens que ir à escola para não aumentar o problema. Enfrentar a situação pode ser a melhor maneira de superar.

Também é importante falares com a tua mãe para ir à escola falar com o professor para perceber o que se passa, e como poderão ultrapassar o problema de bullying e ainda encontrar novas estratégias para lidar com o problema.

Convidar amigos da escola para vir à tua casa também é uma boa ideia e assim poderes partilhar conversas e interesses comuns.

Confia em ti e enfrenta os teus medos com assertividade e vais certamente conseguir superá-los.

Um abraço

 

Filha adolescente

20.jpg

Ola boa noite.

Eu tenho uma filha adolescente com 13 anos e hoje tenho 57 anos, gerei ela em meu ventre aos 42 anos e ela nasceu aos meus 43 anos, pois da data da concepção ao parto eu completei 43 anos.

Fui muito feliz por tê-la, mas hoje eu sinto tantas dificuldades no relacionamento com ela que às vezes eu sinto que devo deixá-la e ir embora, talvez eu esteja com minhas manias de pessoa já madura irritando ela muito, é uma moça boa, estudiosa, decente, mas às vezes olho pra ela e sinto muito dó por ela ter uma mãe velha e às vezes severa demais. Não consegui ainda encontrar um equilíbrio no trato com minha filha, às vezes sinto que sou demais e às vezes de menos..entende?

Tenho medo de estar transformando minha filha numa pessoa fraca, porque eu na minha idade já sou uma pessoa cheia de medos e suposições sobre as coisas da vida. Eu preciso de uma orientação de como fazer para lidar com isso. Porque eu não sei.

 

Cara mãe,

 

O que entendo pela sua carta é que está com dificuldades, como qualquer mãe, em lidar com a filha adolescente, enquanto a jovem está tentando desenvolver sua independência e a sua individualidade própria.

 

Muitas vezes a mãe têm expectativas idealistas demais sobre o relacionamento com a filha. Por isso, há que ser mais realista. Muitas mães querem que as filhas não repitam seus erros, mas com isso podem tentar forçar uma versão melhorada de si mesmas. É preciso ter respeito e aprender a respeitar a individualidade da sua filha.

Entendo que esteja a sentir alguns medos e que não quer passá-los para a filha. O que pode fazer é conversar com outras mães com filhas adolescentes e trocar ideias. Outra hipótese é ler alguns livros para se inteirar dos problemas da adolescência e possíveis intervenções. Em último caso pode fazer uma terapia para trabalhar a sua auto-estima e assim sentir-se mais segura no seu papel de mãe.

De qualquer maneira não se preocupe com a diferença de idade, ser mãe de uma filha adolescente sempre é um desafio e a diferença de idade não significa menos aptidão para educar.

 

Um abraço

 

Fobia social, agorafobia e depressão

18.jpg

 

Desde a minha adolescência comecei a me isolar e ficar antissocial, deixei de ser sociável. Mas quando criança, eu era muito travesso, astuto, sociável e interagia facilmente com outras pessoas, inclusive crianças, mas mesmo assim brigava muito com garotos e tinha hábitos de quebrar coisas.

 

No ano de 2011 comecei a fazer tratamento psiquiátrico, hoje estou com 28 anos e continuo fazendo o tratamento. No começo eu pensava que era depressão, ao me aprofundar mais no assunto e vasculhando em meio a arquivos da internet, cheguei a uma conclusão, que eu era portador da síndrome de asperger, mais foi totalmente descartado pelo médico.

Cheguei a dizer ''Dr, qual é meu diagnóstico, qual é meu problema? O que eu tenho? Do que que eu sofro? E ele me deu o diagnóstico de fobia social, depressão, isolamento social e agorafobia. Mas no meu dia a dia, e convívio social eu estava percebendo que nada me afetava. Como sentir emoção, sentimento de afeto, e até mesmo sentimento de empatia. Pesquisando e analisando meu perfil, cheguei em uma conclusão, de imediato, que eu era um sociopata.

 

Tenho dificuldades de expor, jogar para fora meus sentimentos. Quando sou pego de surpresa por uma notícia ruim, de algum parente próximo a mim, ou não, ou um falecimento, eu não sinto aquele impacto, tristeza, ou até mesmo vontade de chorar.

 

Eu não consigo fazer cara de sério, fico sem jeito, sem saber o que falar, é uma sensação estranha, como se eu fosse dar uma leve enraizada, mais eu não quero rir propositadamente, só vem esse sentimento em mim. Eu não choro, mas quando choro é um choro desesperador, um choro incontrolável. Não sou de me apegar muito as pessoas, mas quando me apego, consigo sentir um sentimento de carinho, como uma amiga, que eu sempre a chamei de amiga, mas as vezes chamo ela para sairmos juntos, e até pedi-la em namoro, e minha mãe, que já é idosa, e é a pessoa que eu mais amo nessa vida. Tenho 28 anos e nunca tive um relacionamento afetivo e sempre fui mais apegando à minha mãe, do que ao meu pai.

 

Gosto muitoooooo de ANIMAIS, principalmente CACHORROS, e também sou apaixonado por CRIANÇAS, e às vezes que choro, e sinto sentimento de raiva, não é porque eu vi um vídeo de um homem sendo espancado, e sendo torturando na internet, mas sim de animais sendo mortos, e sendo maltratadas ou de crianças sofrendo maus tratos.

Não consigo sentir empatia e expor meus sentimentos para as pessoas, mas eu gosto de idealizar algo. Gostaria de ser um ativista. Me espelho muito no Gandhi. Gostaria de lutar por alguma causa, lutar contra o machismo. Adoraria idealizar e apoiar um movimento, como o pró-feminismo, ou alguma ong de animais abandonados e maltratados, ou alguma ong de crianças especiais... como Autistas, e Sindrome de Down.

Às vezes acho que sou uma pessoa especial, como uma pessoa visionária e genuína. Sou conhecido pelas pessoas por ser educado, simpático, companheiro e carismático. Gosto de ficar no meu quarto, na internet, jogando vídeo game.

 

Voltando ao assunto, sou muito impulsivo e ansioso ao extremo. Já cheguei a um ponto de agredir meu pai umas vezes. Quando vejo alguém chorar ou uma imagem de impacto, isso me choca demais... fico sem reação e em estado de choque.

Quando morre alguém próximo a mim, e a minha família, não vou há velórios, porque ver minha mãe triste e chorando e pessoas chorando, vai deixar-me em choque e abalado a tal ponto que tenho vontade de sair correndo.

Não vou em eventos familiares, como festas, aniversários e casamentos. Tenho medo das pessoas, ou melhor dizendo, tenho medo de lugares, com muitas aglomerações de pessoas. Sou muito excêntrico, tímido, e introspetivo. Sempre fui reservado, porém verdadeiro, ingénuo, e sincero.

 

Sempre fui uma pessoa simples, odeio hipocrisia, e pessoas egocêntricas. Só não consigo sentir emoções como afetos e empatia.

ME AJUDA, POR FAVOR?

 

Caro Leitor,

 

A agorafobia está muitas vezes associada à ansiedade generalizada ou ao transtorno de pânico. É o sistema de medo, que se engana na forma de sentir a situação pois avalia-a como perigosa, o que dá origem ao impulso de fugir da situação.

Acontece que a mente interpreta de uma forma errónea o local, como se este implicasse um perigo real para a pessoa.

Não há formas instantâneas de mudar a situação, mas uma psicoterapia torna bastante provável a superação deste medo. É preciso compreender a fisiologia e psicologia do medo e da ansiedade e é essencial mudar o pensamento errado acerca deste medo, pois são as crenças erróneas que amplificam e mantêm a ansiedade.

Para superar seus problemas é preciso fazer algumas mudanças. Pode começar por pequenas mudanças, como por exemplo participar em alguns eventos familiares, sair mais de casa, procurar amigos e expor-se aos poucos a novos eventos de modo a que se habitue a uma nova maneira de se relacionar com as pessoas.

 

É preciso que reinterprete os seus pensamentos e desdramatize o que lhe vai dentro da cabeça. Ao mesmo tempo é preciso que se exponha de modo gradual à situação que teme, constatando que não é por se expor que algo de mal lhe vai acontecer. É preciso que aprenda a construir pensamentos mais saudáveis e a vencer o medo enfrentando-o, substituindo-o por conhecimento.

Procure também ser menos rígido e mais solto consigo mesmo e no relacionamento com as pessoas. Amplie seu leque de amizades, preocupe-se com elas, não se importando com as possíveis críticas.

 

Se não conseguir sozinho procure ajuda especializada. Um tratamento continuo psicológico irá ajudá-lo a superar suas dificuldades e resultará numa melhora global do seu problema.

Abusada pelo pai

16.jpg

Boa noite doutora,

 

Pensei muito antes de escrever. Tenho 24 anos, fui abusada sexualmente pelo meu pai quando tinha 10 anos, não sei por quanto tempo mas imagino que um ano mais ou menos, com frequência, as vezes vinha na minha cama quando estava dormindo, ou quando estava em casa sozinha com ele.

Eu não dizia nunca de não, e gostava quando me tocava. Não contava pra ninguém porque pensava que se eu não dissesse ele seria sempre "bonzinho" comigo, não me bateria mais e daria coisas como doces e presentes.

Na verdade nada mudou, e uma vez que fiquei até mais tarde na casa de uma amiga, levei uma surra de cinta. Decidi que não queria mais, mas quando ele vinha eu não tinha coragem de dizer não!

 

Minha irmã descobriu, e escreveu uma carta a minha mãe contando o que acontecia! Minha mãe me chamou para conversar, chorei horrores, achei que ela ia bater-me, mas ela só estava em choque e queria saber a verdade, contei tudo.

 

Não me lembro se se passaram uma semana ou um dia, mas ela falou com ele e pediu para ele ir embora de casa, ele não aceitou, meu pai bebeu veneno e morreu no mesmo dia.

 

Desde então eu tenho uma relação com o sexo que não vejo natural. Perdi a virgindade com 15 anos, depois disso tive vários homens, não perguntava nem o nome! Aos 19 fui morar em outra cidade e lá depois de alguns meses comecei a prostituir-me. Fiz por um ano e meio mais ou menos! Não consigo manter uma relação duradoura, estou há oito meses com uma pessoa, e já sinto vontade de sair com outra, não quero trair, gosto muito dele, mas não é ativo sexualmente como eu sou! Penso sempre no que me aconteceu no passado e acho sempre que tudo acontece por esse motivo, o sexo a prostituição, a minha frieza... Espero que possa ajudar-me! Agradeço desde já!

Um Abraço Maria

 

Cara Maria,

 

O abuso sexual praticado em crianças e adolescentes provoca nessas pessoas, dores e traumas irreversíveis. Esses traumas desencadeiam uma profunda violação dos limites físicos e psicológicos, gerando consequências gravemente negativas para a vítima ao longo de seu desenvolvimento cognitivo, afetivo, comportamental e social, e principalmente para os seus relacionamentos interpessoais futuros.

Percebe-se que com a vivência do abuso, a Maria perdeu a espontaneidade e naturalidade de sua sexualidade, deixando marcas profundas, o que em muitos casos pode levar até à perda do sentido da vida.

 

Para enfrentar essas consequências psíquicas e emocionais é preciso primeiramente conscientizar-se que a via da prostituição não é o caminho adequado para ultrapassar o seu passado de abuso, muito pelo contrário leva a uma agudização da sua inconstância sexual e frieza emocional, por não confiar nem nas pessoas e nem em si.

 

Procure ter uma atitude positiva, o que aconteceu consigo faz parte do passado, aceite o sucedido como fosse um acidente de percurso e não como justificação para seus comportamentos presentes. É preciso superar com esforço, com assertividade e força.

 

Ao mesmo procure ajuda especializada. Faça uma psicoterapia para poder trabalhar os seus fantasmas do passado e poder viver o presente com desenvoltura, serenidade e amor.

Sensação de vazio

17.jpg

Tenho me sentido estranha a vida toda, mas foi com o fim de uma relação amorosa, que me tornei mais estranha e infeliz.

Não consigo explicar a sensação de vazio e solidão que sinto dentro de mim.

É como se nada fosse importante.

As coisas à minha volta até podem estar a correr bem, mas nada disse é importante, porque me sinto vazia e só.

Tentei preencher este vazio com coisas do exterior, mas ou não as conseguia alcançar, ou, quando conseguia, elas se tornavam irrelevantes.

Neste momento, acho que queria ter uma vida normal, como as pessoas da minha idade têm: sair muito, ter muitos amigos, ter gente que me valoriza. Mas também é difícil. Eu tenho amigos, mas não consigo gostar deles. Eu tendo a não gostar das pessoas que gostam de mim.

Acho que apenas ter uma relação amorosa me podia fazer feliz, mas isso é um desastre, porque ou o rapaz gosta de mim e eu não gosto, ou eu gosto do rapaz, e ele não gosta de mim.

Este vazio dói muito, é uma dor muito forte, violenta e má cá dentro, e já não sei o que fazer para me sentir bem, normal, alegre e satisfeita com a vida, como toda a gente da minha idade...

 

Cara leitora,

A nossa felicidade e bem-estar não podem estar condicionados ao estado de estar numa relação amorosa.

 

É preciso descobrir o suporte para sua felicidade.

Algumas dicas:

  • crie pensamentos e sentimentos positivos
  • supere os obstáculos do dia a dia e evolua diante da adversidade
  • saiba com ser positiva e otimista em todas as circunstâncias da vida
  • conheça os conceitos chave para a realização de seus objetivos e torne os seus sonhos realidade
  • desenvolva o poder mental para ser bem-sucedida
  • obtenha equilíbrio emocional e estimule a sua motivação

 

Um abraço

Automutilação e depressão

15.jpg

Olá, meu nome é Maria, tenho 16 anos. Posso ser nova mas ando a me sentir muito vazia, muito vazia mesmo. Às vezes tenho vontade de morrer e como busca dos meus problemas eu me automutilo. Acho que a automutilação me ajuda a ter a paciência de que preciso. O mundo é injusto e cheio de desigualdades. A minha vontade no fundo é desaparecer daqui, é ir para outro lugar e descansar em paz. Procuro sair da automutilação mas no fundo, no fundo acho que não quero.

Me ajuda por favor a saber se tenho depressão.

 

Cara Maria,

 

Embora se trate de um ato de agressividade auto-dirigida, o objetivo da automutilação é a relativização física da dor psicológica e emocional. Na base da automutilação está uma muito fraca autoestima, uma depressão e a crença de que o sofrimento é merecido.

Fale com a sua mãe e não desista de procurar ajuda, pois para tudo tem cura e não vale a pena continuar a viver assim agredindo-se e desprezando a vida.

 

Confie em si e na sua capacidade de mudar. Se me procurou é porque há desejo de tratamento e de acabar com esse comportamento inadequado. Procure ajuda o quanto antes, vai ver como logo vai voltar a ter paciência sem a necessidade de automutilar-se e sem desejar morrer. A vida é para ser vivida e enfrentada com coragem, autodeterminação e pensamento positivo.

 

Um abraço

Medo de solidão e mudanças

14.jpg

Meu nome é Patricia, eu tenho 42 anos e muito medo de mudanças e solidão. Me afligem ao ponto de paralisarem-me e eu perder totalmente a ação do dia-a-dia até para pequenas coisas. Não consigo ultrapassar isso e me sinto cada dia pior. Por favor me ajude.

 

Cara Patricia,

 

A solidão, apesar de ser algo sentido a um nível universal, é ao mesmo tempo complexa e única para cada indivíduo. A solidão não tem causa única comum, por isso, as prevenções e os tratamentos para este estado de espírito variam bastante de pessoa para pessoa.

A solidão não é necessariamente estar sozinho. Pelo contrário, é a perceção de estar sozinho e isolado.

 

De acordo com estudos realizados na Universidade de Chicago, a solidão está fortemente relacionada com a genética. No entanto, existem outros fatores que contribuem para a solidão, como o isolamento físico, a mudança para um novo local ou o divórcio. A morte de alguém importante na vida de uma pessoa também pode levar a sentimentos de solidão.

 

Além disso, a solidão também pode ser atribuída a fatores internos, como a baixa autoestima. As pessoas que não têm confiança em si mesmas, muitas vezes acreditam que não são dignos da atenção ou respeito de outras pessoas, podendo levar ao isolamento e à solidão crónica.

 

Algumas sugestões que o podem ajudar a superar a solidão:

 

– Permita-se aceitar que a solidão é um sinal de que algo precisa mudar;

 

– Compreenda os efeitos que a solidão tem na sua vida, tanto física como mentalmente;

 

– Considere fazer serviço comunitário ou outra atividade que goste. Estes contextos oferecem oportunidades para conhecer pessoas novas e cultivar novas amizades e interações sociais;

 

– Foque-se no desenvolvimento de relacionamentos com pessoas que partilham atitudes, interesses e valores semelhantes aos seus;

 

– Espere o melhor. Pessoas solitárias muitas vezes esperam rejeição, por isso, concentre-se em pensamentos e atitudes positivos nos seus relacionamentos sociais.

 

O medo sempre vem na hora da mudança, pareça ela boa ou não, mas não devemos permitir que ele nos pare, não podemos nos autossabotar, jamais desistir, ter sempre uma coragem maior que o medo, ter autoaceitação, autoconfiança, saber que somos capazes de vencer o que for necessário. Como a lagarta, não devemos cortar etapas, e sim, aceitar a metamorfose, sair da zona de conforto, vislumbrar e desbravar novos horizontes, cientes de que a cada queda é preciso recomeçar, e é possível, basta acreditar!

 

Um abraço

Trauma de infância

13.jpg

Eu tenho 22 anos, estudante, solteira, gostaria de fazer um relato de uma situação imperdoável que aconteceu na minha infância, que até hoje me prejudica emocionalmente. Você pode ajudar-me?

 

Na época que eu tinha 12 anos, sempre ia na casa da minha prima para jogar vídeo game (fica bem na frente da minha casa, em certo momento, ela disse que precisava ir no supermercado e me deixou sozinha jogando lá, depois o marido dela chegou (eu me dava bem com ele naquela época), e começou a me acariciar e por fim, conseguiu o que ele queria. Voltei para casa imediatamente, apesar de estar ameaçada, chorei horrores de dor no banheiro, tomei banho para me acalmar e me limpar, sendo que minha mãe estava em um quintal lavando roupas e não me viu entrando, acabei não contando, após 4 anos, comecei a pensar que não adianta sentir um negócio ruim dentro de mim e acabei revelando para os meus pais. Eles ficaram em choques, tanto que infelizmente não tínhamos opções para provar o quanto isso foi injusto e cruel comigo. Até hoje, eu vejo ele em frente da minha casa e só sinto nojo e não tem nada para fazer para prova-lo. Porque eu só sinto nojo? Hoje sou uma pessoa muito fria. Não consigo demonstrar os meus sentimentos totalmente. Muita gente me julga até hoje o porque o meu comportamento é assim, frio/seco. Às vezes consigo demonstrar o quanto importo ou amo a pessoa, mas com o meu jeito diferente. Estou conhecendo alguém e estou com medo dele não gostar desse meu jeito... um pouco distante.

Hoje percebi que o que tem dentro de mim é o medo. O medo de passar por isso novamente, de ser tocada com força por amigo/namorado, qualquer pessoa. Gostaria de saber a sua opinião, o que faço para se livrar desse medo, desse trauma?

 

Se puder ajudar-me, aguardo a sua resposta. Desde já agradeço.

 

Cara jovem,

uma de abuso sexual pode manter as feridas até a vida adulta dependendo da sua intensidade ou de quanto a pessoa conseguiu elaborar a situação que passou. As sequelas de um trauma fazem com que o adulto acredite estar sempre desamparado, abandonado e solitário, tornando-se uma pessoa insegura, tímida e com medo de se aventurar na vida.

 

Quando a elaboração não ocorre é aconselhável procurar ajuda de um psicoterapeuta.

A psicoterapia fazer com que o adulto perceba que não é mais aquela criança inocente, submissa, indefesa e despreparada que acreditava ser. Junto com o terapeuta, o indivíduo traumatizado vai encontrar novos caminhos para redescobrir sua força, sua energia e sua vontade de viver. Para isso, é necessário que o trauma seja revivido não só com lembranças, mas com emoções e afetos correspondentes. É preciso retornar àquele lugar doloroso, mas com segurança não elaborada anteriormente. A terapia vai fazer com que o indivíduo organize aquilo que ficou fragmentado no decorrer da vida. As lacunas do viver serão preenchidas por pensamentos de confiança, tranquilidade, força e ousadia para se recolocar no mundo de forma ativa e positiva. O processo não é fácil, mas é possível.

 

Procure ajuda para elaborar o seu trauma e confie em si que vai conseguir ultrapassar e amar plenamente sem a sombra do passado.

Um abraço

O ciclo se repete

 

12.jpg

 Me chamo R, tenho 38 anos e em todos os meus namoros tenho um comportamento evasivo após um tempo de relação. Começo a buscar defeitos, a criticar a parceira e dai o namoro fica desinteressante. 

 

Não entendo esse comportamento que tenho mas carrego a culpa de terminar essas relações com pessoas maravilhosas que sempre me deram carinho, respeito e atenção! Da minha parte ainda não sei ser parceiro e faço cobranças excessivas. E sinto também que tenho dificuldade de me dedicar a essa relação, deixando sempre brechas para conhecer outras mulheres.

 

E daí começo outro namoro, me empolgo no início e o ciclo se repete. A culpa e a falta de entendimento me incomodam. 

 

Que comportamento é esse? Parece que não consigo amadurecer como um adulto saudável, mesmo tendo consciência desse comportamento juvenil. Isso é constrangedor!

 

Ressalto que todas as namoradas eram pessoas do bem com famílias ótimas e tenho certeza de que existe algo em mim a ser desenvolvido. 

 

Obs: sou bem-sucedido na área profissional, mas na afetiva tenho dificuldade. 

 

Agradeço se puder ajudar-me a entender e a seguir em frente! 

 

Abraço

 

Caro R.,

A relação ideal não existe. Se for muito crítico vai, provavelmente, sempre chegar a: “ buscar defeitos, a criticar a parceira e dai o namoro fica desinteressante”.

A sua inconstância emocional pode estar relacionada à sua auto-estima e insegurança.

A psicoterapia pode ser de ajuda nesses casos para trabalhar o aumento da autoconfiança, potenciar a auto-estima e desenvolver a autonomia emocional.

 

Também pode ser que até o momento não tenha ainda encontrado “a sua alma gémea” ou seja nenhuma das relações foram importantes para criar consigo um vínculo duradouro.

 

A parte positiva é ter consciência disso e assim ter o cuidado de não deixar que esses sentimentos prejudiquem a sua vida. Procure cortar o ciclo quando se sentir confortável para tal.

 

Fique bem