Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Deixar de fumar

 

Boa tarde,

 

Há dois meses atrás deixei de fumar, com algum tempo de preparação prévio para me preparar psicologicamente.

As razões para deixar de fumar prendiam-se com melhorar a minha saúde (devido ao tabaco) assim como ser um novo factor de motivação para emagrecer e dar um novo rumo à minha vida que se encontra "estagnada" há já algum tempo.

 

Chegou o dia de deixar de fumar e de facto consegui.

Os primeiros tempos foram de facto bastante complicado mas entendia o facto de deixar de fumar como uma motivação extra. O primeiro mês correu bem e as pessoas até diziam que estava com melhor cara e tudo.

 

No último mês as coisas têm piorado ao ponto de estar sem qualquer motivação, o que antes gostava de fazer agora já não parece tão motivante, as tarefas do dia a dia são adiadas (continuo a dizer-me que por falta de tempo) , sinto-me extremamente cansado, sono excessivo, apesar de ter sono durante à noite estou a acordar frequentemente por poucos períodos.

 

Tenho aumentado de peso mesmo tentando fazer algum exercício físico.

 

Isto torna-se tudo numa espiral que está ficando difícil de controlar: quero fazer exercício físico para melhorar a minha aparência mas não tenho vontade. Como continuo a engordar sinto-me desmotivado e penso que a depressão vai piorar.

 

O que queria perguntar é se o estado que possuo é claramente um sintoma de depressão devido à ausência de tabaco ou se já possuía o estado de depressão e o tabaco funcionava como anti-depressivo?

 

A depressão tem cura ou é algo recursivo? É obrigatório a utilização de medicamentos?

 

Procurando ajuda devo consultar um psicólogo(a) / psiquiatra.

 

Sem mais de momento,

 

A.

 

 

Caro A.,

 

Está a passar por uma síndrome da abstinência do tabaco. Vai durar algum tempo, mas  não deve desistir.

 

Para ultrapassar a frustração, a irritação e pequenos problemas que parecem gigantescos, é preciso ter calma. Os sintomas da síndrome de abstinência passarão em breve e você precisa aprender a superar essa fase difícil. O que você deve lembrar nesses momentos é que fumar não resolve absolutamente nada!

 

Seu cérebro está lutando consigo para ganhar alguma nicotina, e esse é basicamente o motivo de toda a irritação, tristeza, vazio, depois de parar de fumar. Todos esses sentimentos são uma manobra de seu cérebro para tornar sua jornada mais árdua e fazer você querer desesperadamente um cigarro.

Se os seus sintomas persistirem por muito tempo é indicada uma psicoterapia. Entretanto evite ganhar excesso de peso.

 

Dicas básicas para evitar o ganho de peso:

 

-não caia na tentação dos doces, prefira os alimentos sem açúcar e seja moderado. A necessidade de levar algum alimento a boca é temporária, engane-as com pastilhas elásticas sem açúcar, frutas secas, cenoura ralada, cravo, etc.

 

-beba muita água, principalmente nos momentos de fissura.

 

-abuse de sopas de baixa caloria se o apetite aumentar muito.

 

-prefira alimentos integrais que dão maior sensação de saciedade e evite principalmente -alimentos pesados como frituras.

 

-caminhar, andar de bicicleta, nadar, jogar futebol, você decide o que é melhor para ajudar a queimar calorias

 

 

Fique bem e parabéns por ter tomado essa saudável decisão.

 

O pior já passou, agora é persistir!