Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformações com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações relacionadas com o seu bem-estar. Encontre o equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia.

Consultório de Psicologia

Espaço de transformações com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações relacionadas com o seu bem-estar. Encontre o equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia.

Transtorno obsessivo compulsivo

 

Olá Dra. Maria,

 

sofro de transtorno obsessivo compulsivo, gostaria de saber se esta doença tem cura. Eu sofro há 6 anos e não tenho acompanhamento médico, embora deveria ter.

 

Me ajude, por favor, a entender o que se passa comigo.

 

 

Cara Leitora,

 

Transtorno obsessivo compulsivo (TOC), é um transtorno de ansiedade. Ansiedade é uma característica biológica normal de todos os seres humanos, só que quando é excessiva torna-se prejudicial.

 

O TOC  tem tratamento, para que a pessoa possa viver sem sofrimento e sem limitações na sua vida.

Para tal é preciso medicação e acompanhamento psicológico, que ajuda a pessoa a aprender e a gerir as suas obsessões e medos e assim possa ter uma vida normal.

 

O tratamento básico é expor a pessoa à situação que gera ansiedade, começando pelos sintomas mais brandos. Os resultados costumam ser melhores quando se associam os dois tipos de abordagem terapêutica.

 

É sempre importante esclarecer o paciente e sua família sobre as características da doença. Quanto mais a par estiverem do problema, melhor funcionará o tratamento.

 

Recomendações importantes:

 

•Não há quem não tenha experimentado alguma vez um comportamento compulsivo, mas se ele se repete a ponto de prejudicar a execução de tarefas rotineiras, a pessoa pode ser portadora de transtorno obsessivo-compulsivo e precisa de tratamento.

 

•Crianças podem obedecer a certos rituais, o que é absolutamente normal. No entanto, deve chamar a atenção dos pais a intensidade e a frequência desses episódios. O limite entre normalidade e TOC é muito ténue;

Os pais não devem colaborar com a perpetuação das manias e rituais dos filhos. Devem ajudá-los a enfrentar os pensamentos obsessivos e a lidar com a compulsão que alivia a ansiedade.

 

•O respeito a rituais do portador de TOC pode interferir na dinâmica da família. Por isso, é importante estabelecer o diagnóstico certo e encaminhar a pessoa para tratamento.

 

•Esconder os sintomas por vergonha ou insegurança é um péssimo caminho. Quanto mais se adia o tratamento, mais grave fica a doença.

 

 

Confie em si própria e procure tratamento para aliviar o seu sofrimento.

 

1 comentário

Comentar post