Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Sogra e nora

 

 

 

 

Boa tarde,

 

Não sei como colocar uma questão no Blog, e não sei se por aqui vou obter a resposta à minha duvida…

Estou com o meu Marido desde o ano de 2000. Casámos em 2007 e temos um Filho de 5 anos. Sempre fomos companheiros e muito amigos um do outro.

A nossa relação sempre foi coerente e era normal estarmos com os meus sogros ao Domingo para almoçar, embora o meu marido e o meu sogro trabalhassem juntos.

Em 2011 o meu sogro faleceu. Em 2 meses descobriu-se o cancro e foi tudo muito rápido.

Desde essa altura que a minha Sogra ( que é dependente dos filhos para quase tudo) janta em casa da minha cunhada 3 vezes por semana e na minha as outras vezes e no fim de semana passa um dia com um dos filhos e outro dia com o outro.

 

Não sei se esta é a melhor forma de ajudar a minha sogra, porque não sei quanto tempo vamos aguentar e o nosso casamento está por um fio…

Eu quero a minha vida conjugal de volta. E o meu marido precisa muito de estar com a mãe…

 

Sinto-me desamparada, porque sou a única a estar a questionar esta situação e não aguento mais.

 

Muito obrigada pela atenção dispensada.

 

Atentamente,

 

Cara leitora,

 

O estereótipo social a respeito da figura da sogra, é um fator de grande importância que pode, muitas vezes, preconceber o padrão de relacionamento sogra-nora.

 

O fato de a sua sogra ter ficado viúva repentinamente, certamente a deixou muito fragilizada. É natural que sinta a falta do companheiro com quem durante anos dividiu a vida em comum. Procure ter paciência e dar um tempo para que ela possa elaborar o luto, a perda e a reorganização da vida. O tempo que ela precisará será definido por critérios individuais. Algumas pessoas se organizam muito rapidamente, outras precisam de mais tempo. As importantes é que sejam respeitadas nas suas singularidades. A família, os parentes, os amigos têm um papel muito importante nessa fase. Cabe-lhes acompanhar, estar presentes e respeitar o momento que a pessoa viúva está a passar.

 

Se ela vai à sua casa, certamente é porque se sente melhor do que estar sozinha. Procure se por no lugar dela e imagine como se sentiria se perdesse o seu companheiro de vida. Conviver com a sua sogra é um teste para ambas e para si poderá significar uma grande generosidade afetiva e gratidão.

 

Se entretanto sentir que essa situação perturba a si e ao seu casamento, o melhor é buscar um aconselhamento psicólogo, para a orientar passo a passo.

 

Tudo de bom

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.