Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Medo de ir na escola

 

 

 

 

Olá, não sei bem como começar nem o que dizer. Nunca tinha feito nada do género mas talvez o desespero me tenha levado a procurar ajuda em alguém que não conheço.

 

Tenho 15 anos e como pode imaginar esta idade talvez não seja a mais aconselhada para as mudanças. Desde os 10 anos que as duvidas sobre o meu corpo, sobre a minha personalidade e aspirações começaram a surgir. Sempre fui muito introvertida e por isso nunca considerei ter ajuda de um profissional, sempre abraçada pela ideia de que o tempo cura tudo, mesmo as feridas mais infectadas. Mas como já deve ter percebido nenhuma ferida sarou e o tempo não me trouxe nada senão mais inseguranças, medos e vergonhas acerca de quem sou.

 

Até este momento a escrita foi sem duvida a minha tábua de salvação, mas agora as palavras só me trazem mais arrependimento e amargura. O silêncio também deixou de ajudar, agora em vez de ajudar só me dá mais certeza que preciso de uma coisa, uma coisa sem nome, nem definição, algo que me complete e me perceba. Todas estas razões levaram-me a pedir ajuda profissional aos meus pais, acho que pela primeira vez tomei consciência que nunca fui uma pessoa saudável, porém os meus pais recusaram a ideia porque eu deveria sentir-me confortável com eles. Mas a verdade é que não me sinto, não por eles serem pais monstruosos, porque não o são, mas porque penso que ninguém me vai compreender. Nunca me senti plena, feliz, não por ter tido uma infância miserável; mas porque sempre senti tudo com uma força pouco aconselhável. As lembranças levam-me a amizades pouco felizes e traições por parte daqueles que mais gostava.

 

De qualquer maneira passei para o 10º ano e hoje fui conhecer a minha nova escola, mas quando passei pela porta principal e comecei a ver todos os adolescentes vestidos de forma ousada, mas cada roupa parecia-lhes assentar na perfeição; quando comecei a ver todos os rapazes e raparigas felizes, confiantes e com a certeza de serem capazes; entrei em pânico, paralisei e comecei a chorar e agora não tenho força para voltar. 

E pronto tenho um problema que não sei gerir, mas quero resolve-lo. Por isso interpelo-a e espero que me responda. E mesmo não me conhecendo espero que possamos ser algo parecidas como amigas.

 

Obrigada

E.

 

 

Cara E.,

 

O que aconteceu contigo é uma crise de ansiedade, acompanhada por insegurança, medo de ser criticada muito comum nos adolescentes. Todos temos algum tipo de medo e receios para enfrentar e quanto mais nos isolamos mais esses medos aumentam.

O mundo moderno exige demais de nós, exige muita informação. Temos que estar conectados, ligados, informados em todas as mídias possíveis. Isso gera ansiedade em todas as pessoas e no adolescente também.

 

É difícil encontrar um adolescente que não se preocupe com a escola, com a família e com a aparência, porque essa é, naturalmente, uma fase de ansiedade. O problema é quando essa preocupação é exagerada que chama a atenção por causar transtornos e por limitar a vida do adolescente. É quando a ansiedade deixa de ser leve para se tornar um tormento pesado.

O que não pode é deixar que essa ansiedade te paralise ao ponto de prejudicar a tua vida e o teu desempenho escolar. Procure reagir. Fala com teus pais, certamente te ajudarão a encontrar soluções para enfrentar e resolver esse conflito.

Entretanto procura estar com amigos, socializar e ter actividades sociais que sejam do teu interesse, como desportos, clubes, ou aulas extracurriculares.

 

Na tua idade tudo é mais facilmente resolvido.

 

Um abraço

Mariagrazia

 

9 comentários

Comentar post