Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Envolvimento do marido

 

 

 

 

Boa tarde, Dr.ª

 

O motivo porque escrevo é o seguinte.

 

Meu marido para tirar licenciatura inscreveu-se na faculdade de noite, onde inicialmente lhe dei toda a força, e apoio. Mas ficou colocado numa turma onde as pessoas se superiorizavam, e ele não lidava muito bem com isto, até acabava por se afastar dos colegas, havendo só um que tinha melhor relacionamento e até se juntava para estudar e fazer trabalhos, estava sempre afetado com este ambiente, e eu lhe dizia para não ligar e deixar para lá, mas nunca em especial mencionou uma colega, até eu apanhar.

 

Um domingo a seguir ao almoço estávamos os dois a ver televisão e ele saiu da minha beira e foi para o quarto, quando me apercebi que ouvia falar, ele falava ao telefone, subi as escadas e ouvi ele a falar com uma colega que andou na turma mas entretanto pediu transferência para outra faculdade por não ter área para o curso , quando do meu espanto ouço ele a dizer para ela que já tinha perguntado a todos colegas  se tinham o contato dela, quando ela liga para ele fica todo contente, e meu espanto quando  ouço dizer que tem muitas saudades dela e que ela o completava, confrontei-o porque entrei na altura disse que eu era maluca e negou o que ouvi, mas nunca mais tive sossego e comecei a espreitar o telemóvel onde apanhei uma mensagem mais tarde  a marcar encontro onde dizia, se já tinha decidido que ia ter com ela, mensagens nunca mais vi nenhuma porque ele apagava tudo mas no extrato eu via os dias e horas e quantidade enviadas, até que começaram a ser por email eu aí não tinha acesso, e isto foi continuando, ela mandava mensagens de manha cedo e ele ia logo aflito apagar para eu não ver, até que em Maio apanhei no telemóvel um email que tinha enviado, para ela e não apagou, onde ele estava aflito a perguntar-lhe porque ela não lhe respondia, se namorava ou estava com medo que se envolvessem mais, ao ver isto esbarrei com o telemóvel na frente dele, e diz que não sabe o que é e não admite que desconfiem dele, apanhei o numero dela e liguei onde a insultei e falei que estava a estragar um lar onde haviam 2 crianças.

 

Mais tarde consegui apanhar a senha de e-mail mas nunca mais encontrei nada, penso que não mais entrou em contato com ela.

Nunca mais consegui esquecer, e Dr.ª todas as noites quando me deito estas coisas vêem-me sempre ao pensamento, será que nunca mais vou ultrapassar este trauma vivido?

 

 Agradeço um conselho seu,

 Cumprimentos, D.

 

 

Cara D.,

 

Com paciência e dando tempo ao tempo vai ultrapassar, mas claro fica sempre uma ferida. Mas qual casamento não tem uma ferida? As feridas são parte da vida.

 

Às vezes, a infidelidade é uma espécie de balde de água fria, em casamentos. É o momento em que as pessoas acordam e vêem que precisam fazer algo pelo seu casamento, sob pena de nunca mais se aproximarem. E, nesse sentido, a infidelidade pode originar uma reaproximação.

 

É preciso olhar para dentro da relação, reconhecendo que a reconstrução do casamento depende da vontade e do esforço de ambos. Para que ambos voltem a sentir-se seguros é preciso que aprendam a cuidar um do outro, a respeitar as necessidades de cada um e a dar-se. Quando ambos investem, e apesar dos avanços e recuos legítimos nestes casos, a probabilidade de sucesso é elevada.

 

Numa família sempre vale investir e ainda mais quando existe amor!

 

Força e coragem!

 

Um abraço

Mariagrazia

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post