Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Relação sem significado

Salvador Dalí

 

 

Cara Dra:
 
Escrevo-lhe porque preciso de uma opinião.
Dir-me-á, quando lhe expuser a situação, que não sou a única pessoa do mundo a passar por isto, mas é assim que me sinto.
Para além de tudo, foi-me pedido que mantivesse algum segredo e não tenho com quem desabafar.
 
Tenho uma relação com o pai do meu filho há já dezassete anos.
 
Para além de episódios fugazes na adolescência, antes de nos conhecermos, o meu companheiro era-me completamente dedicado a nível sexual. Ao contrário dele, tenho um espírito mais libertino que me levou no passado a cometer um deslize e a traí-lo, apenas pela novidade e pela busca de compensação do ego. Como ele sempre foi muito ciumento, abriu uma mailbox minha e verificou, meses após o fim dessa relação sem significado, que havia sido traído.
 
Continuámos juntos porque nos amamos e eu sei que sou a mulher da vida dele.
 
Tudo parecia correr normalmente, tínhamos planos e objectivos na nossa vida em comum e individualmente.
Soube então em Agosto passado, por ele, que havia tido uma relação sem significado, segundo ele, com uma mulher com quem "simpatizara". Segundo ele, iniciara essa relação porque sempre tivera vontade de se vingar de mim por eu ter sido infiel.
 
Ao fim de três meses de encontros a senhora comunica-lhe que está grávida e que pretende ter a criança
Há dois dias da criança nascer, decidiu que eu tinha de saber, que era a única coisa a fazer, mesmo que eu acabasse tudo. Cedeu à chantagem e deu o nome à criança, apesar de não ter a certeza de ser o pai.
 
Não terminei a nossa relação, principalmente porque o amo.
 
A questão é que dou comigo a tentar convencer-me do lado prático da situação, para depois reagir apenas emocionalmente e manter-me num estado de irritação e nervosismo constantes. Não consigo confiar nele, apesar de tentar.
Temos namorado e passado mais tempo um com o outro. Sexualmente, a relação está fantástica.
Ainda assim, deixei de me rir, durmo mal e emagreci dez quilos. Choro por tudo e por nada e irritam-me as criancinhas, os apaixonados, as mentiras...
Pensei que após três meses, já estaria a lidar melhor com isto, mas não consigo.
 
O que estou a fazer mal?
O que devo fazer, afinal?
Será que erro em manter esta relação?
 

 

Cara M.,
 
A sua não é uma situação única mas nem por isso fácil de gerir. Não acredito que ele queira reatar com a tal senhora e desde exista amor e se estão bem juntos, vale apostar na vossa união.
 
O que não pode é apagar tudo e não pensar mais no sucedido. Só com o tempo é que vai conseguir “digerir” a situação e voltar a confiar nele e na vossa relação.
 
Procure não querer saber pormenores, pois só ajudarão a fazer com que se sinta irritada e mais perturbada. Coloque o foco nos vossos objectivos planos em comum.
 
De qualquer maneira seria conveniente ele pedir um exame de DNA para ter a certeza que a filha é realmente dele e se o resultado for positivo, vai ter que se mentalizar que ao assumir a filha, vai encontrar com a mãe em algumas ocasiões .
 
Procure agir com bom senso e não ponha a sua felicidade em risco.
 
Tudo de bom
Mariagrazia


 

1 comentário

Comentar post