Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Separação e tristeza

 

Salvador Dalí

 

Boa Tarde Drª Mariagrazia,
 
Preciso do seu conselho, pois desde há quatro meses que me separei e ainda não tive quaisquer melhoras.
Estive com um homem que era frio, não sabia transmitir sentimentos e, que tinha por hábito quando nos zangávamos, abrir a boca sem pensar e acabava por me ofender verbalmente e magoar...
Namorei com ele 1 ano e 2 meses e notei que nunca iria mudar.
Até que acordei....
Pensei que estava a perder o meu tempo com alguém que não gostava de mim de verdade ( sim porque para mim quem ofende a companheira não gosta ).
E coloquei um ponto final.
Ainda dói, e muito.
Muitas perguntas sem resposta. Muitos porquês...
Não consigo digerir isto, nem aceitar a forma como acabou. Ele puderia ter aceite isto com outra dignidade. Ele tinha culpa. Nenhum ser humano aguenta estar a ser ofendido. Eu fiz o que tinha de ser feito.
Mas não. Antes de sair da minha casa fartou-se de ofender ainda mais, chegando ao ponto de me chamar aquele nome feio, que não se chama a mulher nenhuma.
Disse uma série de parvoíces, que eu já tinha posto mais homens na minha casa, etc etc...
Vi que a intenção dele antes de sair pela porta era deixar-me mesmo arrasada. E conseguiu.
Continuo com uma tristeza muito, muito GRANDE dentro de mim.
Fui meiga com ele, cuidei dele e das coisas dele, por vezes fazia um doçinho, e muito importante, fui fiel.
Hoje olho para tudo isto com uma grande desolação e desilusão. Para quê ? Foi este o meu troco.
Por isso não percebo como é que ele me tratou desta maneira, como teve coragem, porque me chamou aquilo. Não entendo.
Ele não me amou. Senão não me teria tratado assim.
Não entendo algumas atitudes que, por outro lado ele teve, como por ex. deixar a filha dele ( era divorciado há nove anos) nos pais para ficar ao pé de mim ( um auxilío dele pois estive desempregada ), fez-me a surpresa de ir comprar alianças para usarmos, gostava de me oferecer prendas.
Sinto-me extremamente deprimida, não dormo bem ( tenho sonhos que ele me trata mal e a chamar-me o tal nome ), estou desinteressada pela vida e pelas coisas. O meu desgosto não é por tê-lo perdido, mas sim pela forma como ele me tratou. Eu não merecia.
Ele deitou-me abaixo.
E agora tento reencontrar-me a mim mesma, porque ele conseguiu pôr a minha auto-estima lá em baixo, mas não estou mesmo a conseguir.
Tento ver televisão, dar uma volta, em vão. A minha cabeça está obcecada sempre a pensar nisto. Já não sei o que fazer.
Gostaria da sua preciosa ajuda.
 
O meu muito obrigado.
Felicidades.
Melhores Cumprimentos
M. J.

 

Cara M. J.,
 
Nem sempre conseguimos entender todos os porquês, mas é preciso ir em frente e viver a situação assim como ela se apresenta sem forçar e nem tentar mudar.
 
Este estado depressivo deste momento que está a viver é importante. O que acontece consigo é que está a fazer o luto da relação. Ainda é pouco tempo que se separou e ainda falta chorar toda a frustração e a tristeza.
 
 
Infelizmente a frustração faz parte da vida, mas o importante é apostar e acreditar no amor. O amor está em si e a capacidade de amar também.
 
Entregue-se ao amor que está em si e viva a vida possível, com pensamento positivo e confiança em si própria.
 
Bom Ano
Mariagrazia
 


 

7 comentários

Comentar post