Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Nunca teve um namorado

 

Salvador Dalí

 

Sou uma rapariga de 23 anos, nunca tive um namorado, apenas uma relação de cerca de um mês, no final da qual sofri muito e ainda continuo a sofrer, porque o rapaz (de quem eu gostava e ele sabia disso) disse que eu não o fazia feliz, disse que cada um tinha de seguir a sua vida, e que eu fui um erro. Custou-me muito ouvir aquilo, não entendo porque não o podia fazer feliz porque tivemos momentos tão bons, ele também gostava de mim e a minha intenção era construir uma relação sólida.  Sou uma pessoa humilde, não sou muito extrovertida, mas também não sou tímida, e graças às minhas amigas deixei de ter problemas de auto-estima, contudo admito que não consigo ser muito espontânea a expressar emoções e a "fazer conversa".
 
Penso que não sou normal, pois nunca consegui ter uma relação. Considero-me inteligente, bem sucedida academicamente,  as pessoas dizem que sou bonita, simpática e boa amiga, dizem que tenho tudo para ser feliz.  
 
Tenho medo da solidão, principalmente agora que sinto o vazio que ficou devido àquela pessoa que quis deliberadamente que eu saísse da sua vida.
 
Dra., o que posso fazer, parece que os rapazes têm medo de se aproximar de mim,  sou uma desilusão e não me enquadro nesta sociedade, e sinto-me sem vida própria. 
 
 
Cara rapariga,
 
Com todas essas qualidades não há nada a temer e não precisa se preocupar. A relação que terminou foi a primeira e não deu certo, mas está na idade de namorar e essa infelicidade e frustração vai passar pois o tempo cura tudo. Não se sinta anormal e nem inadequada.
 
Procure agir sempre com naturalidade sendo si própria e autêntica. Não se critique, goste de si e vai ver que não tardará a encontrar alguém para amar e partilhar a sua vida.
 
Felicidades
Mariagrazia

11 comentários

Comentar post