Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Orientação sexual

 

 

Tenho 21 anos, passo por dúvidas sobre minha sexualidade, vivo exclusivamente como lésbica desde os 17 anos, tive pouco contacto com rapazes antes disso até porque não sentia nada que me levasse a insistir na relação heterossexual. Comecei a namorar meninas, no inicio foi muito estranho a relação homo, se só existe duas opções  de rapazes não gostava só podia ser lésbica. Passado o estranhamento, vivi  bem como lésbica até hoje, mas me senti fortemente atraída por um rapaz, sempre tive total repulsa pela bissexualidade, acho promíscuo este meio termo. Comecei terapia mas abandonei, nunca falei sobre isto nas sessões, nem mesmo das questões que me incomodavam profundamente, não me sentia segura e a vontade.

 

Dos 7 anos aos 10 sofri abusos sexuais, não sei se isso tem me afetado na identidade sexual, não tenho ódio dos homens nem nada, meus melhores amigos são homens, talvez eu tenha receio hoje de me envolver por medo que um homem possa me machucar fisicamente não  emocionalmente,  não julgo todos por um único monstro mas é inconsciente e inevitável.  Em terapia seria um assunto que dificilmente falaria porque toda vez que começo a pensar nisso vem o choro ódio, e uma carga emocional que sei que não suporto, já tentei suicídio, aos 18 anos.

 

O meu receio de começar um relacionamento com um rapaz, pode até parecer coisa de adolescente, mas fica em torno da relação sexual, que mais cedo ou mais tarde terá de acontecer, tenho medo da minha reação ao tratar este assunto com o rapaz, e do próprio ato sexual, não sei se vou chorar se vou fugir na hora H, não sei nem se vou deixar um rapaz me tocar. Não encontro estas respostas em mim, sei que preciso de terapia urgente pra complementar o tratamento psiquiátrico de transtorno bipolar, a consulta com o psiquiatra dura 15 minutos no Máximo , ele só me pergunta como estou e efeitos da medicação e pede pra marca dali 30 dias. Não confio que em 15 minutos na 1ª sessão e 4 sintomas  ele tenha acertado o diagnostico, os sintomas foram: irritabilidade, alterações de humor, dificuldade de concentração (mais para déficit de atenção) e felicidade repentina não ao ponto de euforia, o medicamento carbolitium me deixa em depressão profunda não consigo nem raciocinar direito. Sei que pulei para diversos pontos mas acabei não conseguindo sintetizar tudo isso.

Sei que muitas respostas estão em mim mas não sei nem por onde começar a procura-las.

 

Agradeço desde já.

A.

 

Cara A.,

 

As suas dúvidas são genuínas. Para que possa esclarece-las é necessária uma terapia à séria com alguém que realmente confie.

 

O comportamento e desejo sexuais são frequentemente fonte de conflitos e sofrimento e uma psicoterapia ajuda a ultrapassar o sofrimento, a se conhecer melhor e a encontrar respostas. A orientação sexual para o mesmo sexo, não é considerada doença, a sexualidade assume variadíssimas formas, desde a bissexualidade até à indefinição da identidade sexual nas pessoas mais jovens.

 

Procure não se culpar excessivamente pelas coisas inadequadas que aconteceram na sua vida. Os abusos que sofreu, muito possivelmente alteraram a sua atitude para com a sexualidade, mas sempre está em tempo para reformular  e analisar suas crenças.  

 

Quanto ao diagnóstico de transtorno bipolar pode confirmar com outra consulta. Para procurar ajuda contra a doença, é preciso humildade e confiar.

 

Um abraço e tudo de bom

Mariagrazia