Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Adolescente "dark"

 

Olá doutora,

 

sou um adolescente de 17 anos, e como todo adolescente ando passando por uma época meio 'dark'. Bom, tudo começou quando eu assistia um documentário sobre o presídio Carandiru, onde muitas cenas de sangue e morte passavam. Durante a matéria, comecei a sentir um medo muito grande de fazer mal a pessoas, como meus pais.

E eu venho passando por essa fase, achando que eu poderia fazer mal a quem eu goste. Preciso da sua opinião sobre o assunto. Sou um adolescente muito sozinho.

 

Caro adolescente,

 

O estar muito sozinho é uma situação que realmente pode trazer "perigo" e instalar um pensamento equivocado, ao dar vazão à imaginação.

Os pensamentos, alimentados por crenças positivas e negativas podem levar-te a uma tendência mental mais equilibrada ou desequilibrada.

Pode ser que, inconscientemente, tu estás a culpar os teus pais do teu isolamento e a partir daí querer eliminá-los da tua vida.

Ao invés de ver os teus pensamentos como fatos, olha-os como hipóteses, no sentido de verificar se vão de encontro daquilo que queres. Ao examinar e desafiar os teus medos e preocupações, certamente vais desenvolver equilíbrio emocional e compreender que a força e o desejo de “clarear” a tua vida está em ti e na tua força interior. Põe-te na posição ativa e vais à luta por um dia a dia mais feliz e pleno.

 

Este conto hindu retrata bem o que estou a dizer:

 

Conta-se que houve um tempo em que os seres humanos eram deuses, mas eles abusaram tanto de sua divindade que Brahma, o criador, acabou decidindo retirar-lhes o poder. Quis escondê-lo num lugar onde seria impossível encontrá-lo, mas teve dificuldade em achar tal esconderijo.

 

Brahma chamou um conselho de deuses para resolver o problema. A primeira ideia foi enterrar a divindade do ser humano na terra. Brahma, porém, respondeu: “Não, isto não basta, pois o homem vai cavar e encontrá-la”. Os deuses retrucaram: “Então joguemos a divindade no fundo dos oceanos”. Brahma não aceitou a proposta, pois achou que o ser humano um dia iria explorar as profundezas dos mares e acabaria recuperando sua divindade.

 

Assim, os deuses concluíram que não sabiam onde esconder a deidade humana, pois não existe na terra ou no mar lugar onde a humanidade não possa alcançar um dia. Brahma, então, se pronunciou: “Eis o que vamos fazer com a divindade humana: vamos escondê-la nas profundezas dele mesmo, pois é o único lugar onde ele jamais pensará em procurá-la”.

 

Daí em diante, o ser humano tem ido aos mais distantes lugares, na terra e no espaço, explorando, escalando, mergulhando e cavando, procurando aquilo que se encontra dentro dele mesmo.

2 comentários

Comentar post