Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformações com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações relacionadas com o seu bem-estar. Encontre o equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia para favorecer seu crescimento psicológico.

Consultório de Psicologia

Espaço de transformações com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações relacionadas com o seu bem-estar. Encontre o equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia para favorecer seu crescimento psicológico.

Depressão

A depressão é um estado psicológico caracterizado por nove sintomas característicos:

 

1 tristeza quase permanente;

2 perda de interesse ou de prazer por qualquer actividade;

3 perturbação do apetite e do peso;

4 alteração do sono (insónia ou hipersónia);

5 agitação ou torpor;

6 sensação de fadiga;

7 sentimento despropositado de culpabilidade;

8 dificuldade de concentração;

9.“ideias negras” como pensamentos de morte e de suicídio.

 

Quando uma pessoa apresenta pelo menos cinco destes sintomas, todos os dias, durante pelo menos duas semanas, pode-se falar de depressão.

Sendo também uma condição multifatorial, o seu alívio requer que se encarem com eficiência um conjunto de desequilíbrios que lhe podem estar subjacentes.

A depressão tem na sua génese fatores psicológicos, sociais e biológicos que podem influenciar o estado da mente em determinado momento. Tanto pode ser causada por um acontecimento devastador como a doença grave ou perda de alguém próximo, como pode ser devida à acumulação de acontecimentos vários. Há acontecimentos na vida, difíceis e perturbantes, como um stress permanente, a perda da estima em si, os conflitos morais ou o sentimento de solidão ou de vergonha, que se tiverem a sua origem na infância, podem conduzir mais tarde à depressão.

Sobre o plano bioquímico, a depressão é caracterizada por uma perturbação do funcionamento dos mensageiros químicos do cérebro – os neurotransmissores – em particular a serotonina e a noradrenalina. Uma alteração da síntese da serotonina e da noradrenalina (e talvez de outros neurotransmissores) mas também da sua libertação, do seu transporte ou da ligação aos seus recetores, jogam um papel importante na depressão.

Investigação recente liga a depressão a vários fenómenos metabólicos, incluindo a inflamação, a resistência à insulina, ao stress oxidativo e, também, a um possível disfuncionamento da mitocôndria.

Além disso, o papel das hormonas na depressão é considerável, incluindo as hormonas do stress – glucocorticóides, e as hormonas sexuais – testosterona, progesterona e estrogéneo.

Muitas pessoas afetadas pela depressão podem assim estar a sofrer de desequilíbrios hormonais que podem estar a contribuir significativamente para os seus sintomas.

A medicina corrente, tem apostado fortemente nas drogas psicoativas que manipulam a química cerebral, como tratamento preferencial. Infelizmente a taxa de sucesso das intervenções farmacológicas para a depressão muitas vezes é inferior a 50%, sendo uma realidade que estes medicamentos estão a maioria das vezes carregados de efeitos secundários, incluindo uma preocupante propensão para um aumento de ideação suicida com alguns deles.

A depressão deve ser encarada na sua natureza complexa, devendo-se, para lhe fazer frente, optar por uma estratégia de gestão global que inclui alterações de estilo de vida proativas, psicoterapia para compreensão e gestão do stress interno, restauração hormonal, além de um suporte nutricional adequado e personalizado que possa complementar, substituindo em alguns casos o tratamento antidepressivo convencional, de forma a balancear de forma holística a química cerebral.

1007 comentários

Comentar post