Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

O ciclo se repete

 

12.jpg

 Me chamo R, tenho 38 anos e em todos os meus namoros tenho um comportamento evasivo após um tempo de relação. Começo a buscar defeitos, a criticar a parceira e dai o namoro fica desinteressante. 

 

Não entendo esse comportamento que tenho mas carrego a culpa de terminar essas relações com pessoas maravilhosas que sempre me deram carinho, respeito e atenção! Da minha parte ainda não sei ser parceiro e faço cobranças excessivas. E sinto também que tenho dificuldade de me dedicar a essa relação, deixando sempre brechas para conhecer outras mulheres.

 

E daí começo outro namoro, me empolgo no início e o ciclo se repete. A culpa e a falta de entendimento me incomodam. 

 

Que comportamento é esse? Parece que não consigo amadurecer como um adulto saudável, mesmo tendo consciência desse comportamento juvenil. Isso é constrangedor!

 

Ressalto que todas as namoradas eram pessoas do bem com famílias ótimas e tenho certeza de que existe algo em mim a ser desenvolvido. 

 

Obs: sou bem-sucedido na área profissional, mas na afetiva tenho dificuldade. 

 

Agradeço se puder ajudar-me a entender e a seguir em frente! 

 

Abraço

 

Caro R.,

A relação ideal não existe. Se for muito crítico vai, provavelmente, sempre chegar a: “ buscar defeitos, a criticar a parceira e dai o namoro fica desinteressante”.

A sua inconstância emocional pode estar relacionada à sua auto-estima e insegurança.

A psicoterapia pode ser de ajuda nesses casos para trabalhar o aumento da autoconfiança, potenciar a auto-estima e desenvolver a autonomia emocional.

 

Também pode ser que até o momento não tenha ainda encontrado “a sua alma gémea” ou seja nenhuma das relações foram importantes para criar consigo um vínculo duradouro.

 

A parte positiva é ter consciência disso e assim ter o cuidado de não deixar que esses sentimentos prejudiquem a sua vida. Procure cortar o ciclo quando se sentir confortável para tal.

 

Fique bem