Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Outro eu

 

niki13.jpg

 

 Ola Doutora.

Acabei de conhecer ser site e estou maravilhado com o seu trabalho,  envio meus parabéns. Agora, gostaria de pedir sua ajuda em uma dificuldade que estou passando. Alguns meses atrás eu estava com um problema para resolver e não estava conseguindo chegar a uma solução,  então não sei como eu consegui fazer isso mas eu tipo tive que dividir a minha mente em duas criando outro eu. Esse outro eu, é mais calmo e calculista mas ele continua sendo eu, quando tenho um problema nós julgamos esse caso e com a ajuda dele consigo achar uma solução que antes eu não conseguia sozinho, também conversamos normalmente mas não é todo dia que eu chamo ele.

Tenho 16 anos, tenho amigos, uma vida social relativamente calma prefiro ficar em casa do que andando na rua. Concluindo gostaria de saber sua opinião sobre isso e se pode ser prejudicial a mim. Mais uma vez parabéns pelo trabalho!

 

Caro jovem, 

É preciso muito cuidado com esse tipo de fantasia. Tens que ter consciência que os teus “eus” são sempre uma parte da tua própria mente. O melhor é não dividir, mas identificar teus pensamentos como provenientes da tua mente única e indivisível e certificares-te que são criados por ti.

 

O que criaste é um "alter ego" que é uma outra personalidade de uma mesma pessoa podendo ser um amigo ou alguém próximo em que se deposita total confiança.

 

Não convém manter esse tipo de pensamento pois podes correr o risco de criar e manter uma outra personalidade inconsciente que se revela através de outra identidade, com uma vida paralela imaginária de fantasia, que poderá prejudicar a tua vida futura e causar-te uma patologia de transtorno dissociativo de identidade.

Procura viver o teu eu como único e dedica-te aos amigos, estudos, desporto, convívio e tudo o mais de um jovem de 16 anos.

 

Caso sintas que esses pensamentos persistem, procura uma ajuda especializada, indica-se a psicoterapia como a melhor forma de tratamento.