Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Problemas com a mãe

5.jpg

 

Olá, mu nome é B., tenho 20 anos e sou estudante de direito. Tenho um problema com a minha mãe que existe desde que me entendo por gente: ela sempre tenta diminuir-me.

Desde criança eu não tenho um gosto próprio, tudo o que eu vestia, usava e assistia era escolhido pela minha mãe. Quando eu tentava escolher uma peça de roupa, por exemplo, minha mãe sempre dizia o quanto aquilo era horrível e eu acabava desistindo da compra. Tudo, absolutamente tudo, o que eu gostava tinha o dedo dela, até mesmo com relação aos desenhos animados. Aprendi que o certo era escolher o que ela queria, minha opinião era simplesmente terrível, vergonhosa.

 

Por conta disso, eu me tornei uma menina tímida e isso só aprofundou as críticas. Agora, o passatempo preferido de minha mãe era dizer o quanto eu era esquisita, sempre dizia que eu parecia uma doente. Dizia que eu era burra e preguiçosa. Com 10 anos fiz um concurso para conseguir uma vaga no melhor colégio do Rio de Janeiro e ela disse mais de uma vez que eu não passaria. E quando passei ela não deu parabéns.

 

No entanto, as pessoas sabiam da minha insegurança e timidez e se aproveitavam. Sofri muito bullying no colégio e fui vítima de pessoas falsas, que só se aproximavam para ficar na minha aba nos trabalhos escolares ou pedir dinheiro. Eu era a esquisita, a estranha da sala como a minha mãe falava. Tentava de tudo para parecer normal, até mesmo nos meus gestos eu me policiava. Vivia sendo xingada por pessoas que eu chamava de amigas, e quando alguém era grosseiro comigo eu abaixava a cabeça e pensava o quanto eu era estúpida e que eu devia ficar calada. Em casa, a situação continuava a mesma: se eu colocasse uma música para tocar, minha mãe logo aparecia dizendo o quanto a música era horrível e eu desligava o som, me sentindo uma idiota.

 

Com 15 anos, eu já me havia cansado disso. Comecei a comprar coisas escondidas da minha mãe. Ia de ônibus para a escola então às vezes eu parava no centro comercial e comprava um pequeno presente para mim (escondido da minha mãe, lógico, pois é algo que ela iria detestar). Comecei a gozar da minha independência e me sentir melhor quando estava sozinha. No entanto, ainda assistia filmes à escondida, escutava música escondida... Tudo como se eu estivesse cometendo um crime.

 

Minha mãe continuava a mesma. A era do vestibular chegou. Eu saí de casa seis horas da manhã e voltava às 23h. Dormia três horas por noite porque os estudos não deixavam eu ter uma vida saudável. Em meio a isso, lembro da minha mãe dizer que estava torcendo para que eu não passasse. Isso só me deu mais força para continuar e passei. Só não contava com a hipocrisia da minha mãe, que esfregava na cara de todo mundo que a sua filha conseguiu uma vaga numa faculdade pública.

 

O melhor de tudo é que quando eu saí do ensino médio eu deixei para trás todo o bullying que sofria, passei a interagir com mais gente e creio que finalmente me sinto à vontade para expressar minha vontade. Mas a minha mãe não muda. Hoje sou a mal educada da casa, aquela que dá patadas quando ela fala uma besteira. Vivemos brigando por conta disso e, por isso, sinto que perdi a confiança nela.

 

Não conto mais nada sobre o que passa na minha vida à ela, mesmo morando na mesma casa que ela. Não gosto de ver filmes ou sair com ela, não comento sobre nada que não seja um gosto em comum. Eu não queria que fosse assim, só que ela parece com esse tipo de atitude. Hoje mesmo eu comentei com o meu pai que quando eu tirar a carteira da OAB eu o representaria nos processos que ele passasse, aí ela se meteu no meio da conversa e disse: "ah, mas o problema é que você nunca abre a boca, não vai ser uma boa advogada". Eu, furiosa, perguntei porque ela dizia esse tipo de coisa e ela, sem graça, remendou: "ah você é inteligente, mas não abre a boca..." Mandei ela controlar a língua e repensar as suas atitudes e ela se retirou constrangida para o quarto. Ela não muda não importa o quanto eu fale.

O que eu posso fazer?

 

Cara B.,

Precisa se libertar dessa sua mãe muito opressiva e adquirir a sua independência.

 

Aqui tem 3 MEDIDAS DE EMERGÊNCIA

Sugeridas pela terapeuta familiar Karyl McBride, no livro ‘Will I ever be good enough’.

 

1 Relação ‘light’

Muitas filhas tentam a terapia, mas muitas mães difíceis são narcisistas: não são capazes de comunicar intimamente com os outros e também não conseguem conectar-se com a sua vida interior, e portanto muitas vezes não colaboram com a terapia. Remédio: admitir que nunca serão próximas e ter uma relação mais leve, mais distante, sem tentar uma intimidade que ela nunca dará.

 

2 Separação temporária

Tire uma ‘folga’ da sua mãe para se recompor. Diga-lhe que está a tratar de assuntos urgentes e que lhe telefona se houver uma emergência.

 

3 Separação total

Se tentou tudo e mesmo assim aquela relação compromete inequivocamente o seu

bem-estar, esta pode ser a única opção. Mas é raro haver quem a tome, até porque é uma opção socialmente muito malvista e condenada.

 

Um abraço