Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Relacionamento e violência

27.jpg

Olá Maria, vi seu blog e queria muito ouvir seu conselho.

 

Me chamo Ana, tenho 24 anos e estou precisando de ajuda.

Tive um relacionamento de 1 ano e 5 meses com um rapaz, éramos felizes, mas tínhamos brigas muito intensas, nós dois temos personalidades fortes e nossas brigas estavam constantes, tínhamos passado por muitos problemas, ele tem um filho de 3 anos com uma mulher e outra criança de mesma idade com outra, era um fato que eu sabia mas eu me sentia insegura por isso.

E nossas brigas só vinham evoluindo, já tínhamos nos agredido fisicamente, mesmo assim nos desculpamos e ficamos juntos, até que este mês fomos viajar de férias, fomos pra uma praia e depois de 5 dias de viagem brigamos muito feio por um motivo irrelevante e nessa discussão eu o agredi, joguei coisas nele, e ele me deu um soco na boca.

Levei 6 pontos e fiquei com o rosto muito inchado. Isso há 2 dias, mas não paro de pensar nele, e no desejo de voltarmos.

Como posso pensar em alguém que me fez tão mal? Preciso de ajuda, estou passando dias muito difíceis. Seria errado haver um perdão?

 

Cara Ana,

Não é errado perdoar mas é preciso cuidado para que essa situação de violência não se perpetue.

A violência doméstica funciona como um sistema que apresenta, regra geral, três fases:

 

  1. aumento de tensão: as tensões acumuladas no quotidiano, as injúrias e as ameaças tecidas pelo agressor, criam, na vítima, uma sensação de perigo eminente.

 

  1. ataque violento: o agressor maltrata física e psicologicamente a vítima; estes maus-tratos tendem a escalar na sua frequência e intensidade.

 

  1. lua-de-mel: o agressor envolve agora a vítima de carinho e atenções, desculpando-se pelas agressões e prometendo mudar (nunca mais voltará a exercer violência).

 

Este ciclo caracteriza-se pela, pela sua repetição sucessiva ao longo de meses ou anos, podendo ser cada vez menores as fases da tensão e de apaziguamento e cada vez mais intensa a fase do ataque violento. Usualmente este padrão de interacção termina onde antes começou. Em situações limite, o culminar destes episódios poderá ser o homicídio.

 

A violência doméstica não pode ser vista como um destino que a mulher tem que aceitar passivamente. O destino sobre a sua própria vida pertence-lhe, deve ser ela a decidi-lo, sem ter que aceitar resignadamente a violência que não a realiza enquanto pessoa.

É preciso quebrar o ciclo. Haver controlo de parte a parte. Se esse comportamento se repetir é preciso terminar o relacionamento. Uma relação agressiva e violenta não é normal e não pode continuar. Ninguém merece uma vida de violência e sofrimento.

Se sentir dificuldade procure ajuda de uma psicóloga para a orientar.

Fique bem

 

 

Desconfiança do companheiro

botticelli.jpg

 

 

Olá Venho contar minha história de traição, com uma imensa tristeza no coração. Sou L Tenho 17 Anos, comecei a namorar com o meu primeiro namorado, aos 13 Anos e passei um ano de namoro e logo me juntei a ele e fomos moramos juntos.

Nos primeiros meses de casados foram os melhores meses da minha vida, ele me fez sentir tão bem, tão confortável naquela vida que eu criei uma confiança imensa nele, fechava os olhos pra tudo, ele chegava e saia pra onde ele quisesse. E ai eu levei o meu casamento, até quando eu precisei dormir na casa da minha mãe, que minha sobrinha estava bastante doente. Ai nessa única noite esse meu marido, colocou uma garota na nossa casa, na nossa cama e dormiu com ela, ai no outro dia que eu voltei pra casa na maior inocência, ele agia naturalmente, como se nada tivesse acontecido.

Aí Minha mãe me ligou e me chamou na casa dela urgente, ao chegar lá ela me falou que "ao ir na padaria, viu uma garota sair de lá da nossa casa com uma bolsa" ele confirmou que tinha dormido com ela e tido relação aí eu muito magoada terminei com ele fui pra casa da minha mãe de vez, aí com um certo tempo mais ou menos uma semana ele ficou procurando-me, ligando-me, pedindo perdão dizendo que estava arrependido, aí eu perdoei com um pouco tempo depois ele  estava bem diferente com o celular, não me deixava mexer, nem me deixava chegar perto um certo dia eu vi umas mensagens no facebook dele de outras garotas, até mulheres que ele já tinha ficado eram várias delas, eu falei com ele e ele me disse que não tinha ficado, que era só conversa botou até defeitos nas mulheres, e mais uma vez eu aceitei, e hoje vivo com ele e com o tempo que passa descubro aquelas mulheres que ele chegou a dormir, isso me atormenta me faz desconfiar cada vez mais, eu não como, não durmo bem e me sinto sempre mal, não consigo confiar e estou sempre sofrendo, me ajude me sinto muito infeliz e preciso tomar uma atitude na minha vida até por que sou muito nova. Obrigada, Prazer L.

 

Cara L.,

Antes de tomar uma atitude convém ter uma conversa séria com ele sobre o vosso casamento. O diálogo é a forma mais fácil para o casal se entender. Pode ocorrer que por estarem juntos desde muitos novos, ele esteja sentindo a necessidade de conhecer também outras mulheres, o que explica o comportamento dele embora não justifique tal atitude.

Procure não se fixar nesse passado mas invista no vosso relacionamento presente. As insatisfações sexuais quando são sentidas podem ser expressas. É importante falar e encontrar soluções no contexto da vossa relação.

Investir num relacionamento só vale a pena quando as pessoas assumem quatro atitudes indispensáveis. Respeitam-se, compreendem, protegem e confia um no outro. Afinal ele pediu perdão e mostrou arrependimento e merece uma nova oportunidade.

A minha dica é para tentar apostar na relação e só desistir se sentir que não há ressonancia.

Um abraço

Traição e perdão

 


 

 

Preciso de ajuda! sou casada há 9 anos. Já levei um chifre a 2 anos atrás. Perdoei. Me senti um lixo mas ele disse que buscou fora o que eu não oferecia em casa, aquelas coisas que eu penso que todo homem diz. A verdade é que perdoei mas não parava de falar nela e ressentida não me abri para o relacionamento. Ficamos distantes e as brigas comecaram novamente. Há 20 dias descobri outra traição. Mandei-o embora, só que ele diz que me ama, quer voltar, nao vive longe de nós...o fato é que eu nao sei se dar uma segunda chance, se vale a pena...

 

 

 

 

Casada traída

 

 
 
Paula Rego
Dra Maria,
 
Preciso de uma ajuda…sou casada há 5 anos mas entre namoro e casamento estamos juntos á 13 anos, quando nos conhecemos eu tinha 17 anos e ele dezoito daí então nunca mais nos separamos, ele sempre foi fiel á mim e eu á ele...somos muito companheiros, cúmplices em tudo, tudo o que ele faz é junto comigo, somos um casal que despertamos inveja em muitas pessoas como amigos e parentes pois não tínhamos nada e conseguimos graças á Deus construir tudo em nossas vidas, ele não sai sem mim..nunca dormiu fora de casa ou passou madrugadas nas ruas, somos muito amigo um do outro.. só que mudei de emprego e comecei a chegar em casa todos os dias as 20:00 e 20:30 hrs pois o local do meu emprego era distante.. só que ele sempre estava em casa quando eu chegava, mas neste 1 ano que estive trabalhando neste período ele conheceu uma moça na lotação em Janeiro/2008 e começaram a sair juntos mas o tempo que eles se viam era muito pouco os encontros eram por cerca de 1 hora á 1 hr e meia pois sempre que eu chegava ele já estava em casa, muitas vezes já até preparava e adiantava o nosso jantar, com muita conversa ele me afirmou que via ela uma vez por semana e que as relações sexuais entre eles eram raras..enfim nossa relação, casamento sempre foi óptimo, descobri sobre esta moça por pequenas brechas como nome no celular pois se dependesse das atitudes dele comigo e com o meu filho dentro de casa jamais eu iria desconfiar pois ele não mudou nada comigo sempre me tratando com muito amor e carinho...eu sou católica praticante já o perdoei de coração, pois ele diz que foi uma fraqueza e que nunca havia feito isso antes e jura que se arrepende e que não vai voltar a fazer nunca mais diz que até agora não entende como teve coragem de cometer este ato pois cita que eu não merecia isso e que ama eu e nosso filho mais que tudo na vida,..ele chorou muito e me implorou perdão..só que eu não consigo parar de pensar nesta traição o tempo todo já está me fazendo mal, quanto á nossa vida sexual está tudo normal como sempre foi ou melhor parece que até apimentou um pouco mais..essa traição tanto para eu quanto para ele fez com que enxergássemos o quanto gostamos um do outro..mas quero um conselho pois não aceito o fato de saber que outra mulher tocou o meu marido me ajude por favor!!! Não sei o que devo fazer
 
AMS

Perdoar traição

 

 

É possível perdoar alguém e depois optar por retirar esse alguém da nossa vida para sempre?
È considerado perdão?
Uma mulher que mal conheço, juntamente com outras suas amigas, aproximaram-se do meu marido, ele foi na conversa delas e traiu-me. 
 
Atenção não as culpo por isto, a culpa foi dele, só foi na conversa porque quis...Elas estavam a fazer o seu trabalho ... Só cai quem quer... Depois ele não lhes deu mais conversa e elas resolveram começar a ligar cá para casa todos os dias e tentaram levar-me a loucura, e ao divórcio, e diziam coisas horríveis do género: "que eu me devia suicidar ", e coisas muito cruéis que jamais repetirei ...
 
Os meus filhos chegaram a ouvir estes telefonemas e sofremos muitos problemas com isto tudo, mas mais uma vez é o trabalho delas ... Não as culpo pelos nossos problemas...
 
Agora é o seguinte, uma destas mulheres ficou grávida do irmão do meu marido ,e vivem juntos .
Na família acham que devemos esquecer tudo o que se passou e ter um relacionamento familiar normal com esta mulher ...
Aqui em casa ninguém guarda rancor, nem ódios, nem raiva ... Estamos em paz ...
Mas não queremos, nem eu, nem o meu marido, nem os meus filhos, não queremos esta mulher nas nossas vidas ...
Ela faz-nos voltar a viver um passado, que jamais esqueceremos mas não queremos relembrar...está resolvido aprendemos com tudo, mas já passou, página fechada...
 
Temos consciência de que precisamos perdoar para vivermos em paz com nós próprios, nós achamos que já perdoamos...dentro de nós está perdoado...
 
As pessoas dizem-nos que perdoar é esquecer e viver com a pessoa como se nada se passasse...
Eu acho que não é assim, perdoar é connosco, não com os outros...
Estou enganada? Estamos errados ...?
 
Aguardo ansiosa pela vossa resposta ... Bem ajam! I.

 

 

Namoro

 

 

Tive um namoro de quase 5 anos, era tudo de bom, dávamos muito bem, nos dois últimos meses ficou muito ruim, distanciamento e tudo. Até que ele chegou a pedir um tempo e não entendi nada e depois de 7 meses nos encontramos e ele fez uma revelação, pediu um tempo porque não me merecia, mesmo porque sempre fui muito boa para ele e ele não deu valor, foi infiel duas vezes, se entregou agora no caminho de Deus em busca de se perdoar, e eu já perdoei, mas voltar, não acho que é o momento. Ele esta muito arrependido e sofrendo porque descobriu que eu sou seu amor, mas para mim está difícil.
 Acredito que ele está com depressão, me contou porque me disse que não conseguia mais viver com isso na consciência.

 O que devo fazer? Ainda gosto dele muito e choro sempre de saudades.