Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Traição virtual

IMG_2640.JPG

Olá ,

estou sem chão busco forças , para entender porque meu marido me traiu , sou boa dona de casa , eu cuido do meu filho , trabalho , o ajudo em tudo e ontem sem querer peguei o celular dele desbloqueado não me contive e fui ver o que tanto me esconde , descobri muita podridão , descobri que em julho quando estava na casa da minha mãe grávida de 7 para 8 meses ele me traiu , trouxe a mulher aqui  casa e não foi uma somente , outra ele ficou no trabalho , nunca imaginei isso na minha vida .

Estou muito magoada há 3 dias não consigo comer   .

Tentei conversar mas ele nega até a morte, que não cometeu a traição mesmo que eu tenha lido as mensagens no whatsapp e no facebook fora as mensagens indecentes que vi ele com várias mostrando as parte íntimas e falando coisas indecentes. Tinha inclusive ele me maldizendo falando para mulher que eu sou relaxada com casa e se ela não queria ser madrasta do filho dele e Ele ainda diz que é culpa de tudo é minha que eu estava brigada com ele. E por este motivo ele fez.

Não tenho vontade de nada, nem de comer, nem de acordar, não tenho prazer em mas nada só de olhar  ele me da um sentimento muito mau, não consigo decifrar o que é, fico inquieta com vontade de chorar, de gritar. De colocar para fora o que estou sentindo mas não consigo, estou com uma sensação de vazio e tristeza ...

Não sei o que eu faço preciso melhorar para cuidar do meu bebé.

Obrigada desde já

 

Cara Leitora,

O segredo é não levar tudo tão a sério. Tente não dar tanta importância ao que leu no telefone. Pode ser ter sido uma brincadeira e não com intenção de trair. Na verdade nem se trata de uma traição "verdadeira", foi algo somente "virtual".

Mesmo assim  converse com ele sobre a importancia da fidelidade para que um casamento resulte e explique o quão importante é para si e o sofrimento que está a sentir.

Da sua parte , tente perdoar e esquecer o ocorrido e foque em melhorar cada vez mais a vossa relação e em cuidar do seu bebé.

Vai ver que, aos poucos, irá sentir-se mais segura e recuperar o amor-próprio perdido.

Um abraço

Computador bloqueado

niki1.jpg

 

 

 

Boa noite 

Eu sou o Gui e tenho 17 anos e entrei este ano para a faculdade.

O meu pai nunca teve muita confiança em mim uma vez que nos meus anos escolares anteriores à faculdade era bastante irresponsável imaturo.

O que aconteceu foi o seguinte: o meu pai comprou-me um computador novo porque o meu computador atual está bastante estragado e com vírus, mas continua funcional.

Ao me comprar um computador novo bloqueou o acesso às redes sociais e aos jogos. Eu estou num curso onde muitos dos meus colegas jogam jogos e como tenho muito tempo livre, jogo sempre à noite depois de estudar e de jantar um jogo online com os meus amigos. O meu pai sempre que me vê a jogar fica todo exaltado e diz "isso não é vida".

Resumindo, eu tou a dar imensas provas de responsabilidade ao meu pai como o facto de estar sempre a estudar e passar tardes na biblioteca a estudar e boas notas e mesmo assim ele continua a não ter confiança em mim porque diz que é para o meu bem eu deixar de jogar jogos.

Eu acho que é normal quando se tem um tempo livre jogar uns jogos de computador e o meu pai está a me privar disso. 

Desculpe não me conseguir expressar da melhor maneira mas eu estou bastante nervoso e com vontade de fugir de casa.

Obrigado

 

Caro Gui,

Fugir de casa não vai resolver o teu problema, pelo contrário só vai agravar o relacionamento familiar e a tua vida.

Não se trata de não confiar em ti, mas o teu pai quer evitar que te tornes dependente do mundo digital e principalmente de jogos on-line. Jogar on-line pode ser normal dependendo das condições e desde que o tempo de jogo seja limitado. Se para ti é muito importante, fale com teu pai assim como falou comigo e demonstra-lhe que pode confiar em ti. Faz uma negociação com ele e define um tempo para jogar e ao mesmo tempo preenche o teu tempo livre com leituras, atividade física, desporto, de modo equilibrar o tempo despendido na vida virtual e real.

Lembra-te que jogar pode ser uma evasão e um alheamento. É preciso ganhares o gosto por atividades alternativas.

Um abraço e parabéns pelo estudo!

Adolescente viciado em computador

bosch11.jpg

 

 

Meu filho tem 16 anos e a vida dele é o computador. Não sai de casa pra nada, não vive a vida como outros adolescentes da idade dele. Não sei mais o que fazer. Já falei tanto mas não consegui nada.

 

Cara mãe,

a dependência de computador está a tornar-se um fenómeno preocupante por todo o mundo. Quando este comportamento se torna compulsivo, substituindo atividades saudáveis e produz alterações importantes de comportamento é preciso que os pais saibam colocar limites de tempo de uso do computador e em substituição oferecer um programa mais prazenteiro. A atitude dos pais precisa ser amigável mas firme e convincente, sem se deixar envolver por chantagens ou súplicas.

 

Em 80% dos casos os adolescentes têm outros problemas psíquicos associados à adição à net, como depressão, ansiedade, hiperatividade e défice de atenção. As vítimas de dependência perdem cada vez mais tempo a navegar, em prejuízo de boa parte da sua vida afetiva, laboral e social o que pode se tornar um grave problema futuro. O computador oferece recompensas imediatas que surgem de modo intermitente o que favorece o surgimento do vício. O importante é não deixar que esse problema acabe com a vida real do adolescente.

 

Como a maioria dos pais não conseguem lidar com o tempo que os filhos estão agarrados ao computador é indicado encaminhar o seu filho a uma consulta de psicologia para que possa ter um acompanhamento psicológico e para que os pais também possam receber uma orientação.