Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Namoro à distância

84.jpgOlá, tenho um relacionamento à distância há 3 anos e recentemente, meu parceiro decidiu abrir o jogo. Contou que me traiu todo esse tempo com múltiplas mulheres e de forma compulsiva. Pediu-me ajuda, pois arrepende-se e não me pretende perder. Como faço para poder ajudá-la a se tratar?

Cara Leitora,

Namorar à distância é complicado, mas se tiver as ‘superforças’ necessárias as coisas podem compor-se.

Manter um namoro à distância implica uma grande confiança de ambas as partes, sinceridade, respeito mútuo e muito amor à mistura. É preciso ser-se muito forte, especialmente quando surgem momentos difíceis.  Ao estarem longe um do outro, a sua força e coragem terão que ser realmente fortes, mas nunca desanime porque a vida dá muitas voltas. Perdoar e dar outra oportunidade pode ser  doloroso e injusto.

Para ajudá-lo pode incentivá-lo a procurar um terapeuta para perceber o que ele pretende, repensar o vosso relacionamento, se é mesmo aquilo que deseja e se está realmente motivado para continuar o namoro.

A confiança demora a ser recuperada. Lembre-se que ele não deve roubar-lhe a alegria de viver. Primeiro está você e, só depois, Ele e o resto do Mundo! Não se trata de egoísmo, mas sim aprender a sobreviver e a cuidar de si!

 

Namoro adolescente e adulto

83.jpgEu tenho 18 anos e a minha ex namorada tem 14. Porém terminamos justamente por essa questão de idade. " O que uma pessoa de 18 anos iria querer com uma de 14" , frase dita pela psicóloga dela.

Caro leitor,

Não cabe à psicóloga comentar sobre o entendimento da dupla. A decisão de estarem juntos é do casal. No caso de encontrarem amor, compreensão, cumplicidade, interesses comuns e  com o desejo de fazer um percurso juntos é benéfico continuar. O entendimento também prevê a alquimia sexual, que às vezes é potencializada pela diferença de idade e experiência.

O mundo é interessante por ser variado e em assunto de amor, as convenções e os preconceitos não devem contar. É preciso deixar a energia fluir conforme o casal sinta exisitir harmonia e reciprocidade.

Se terminaram, provavelmente, é por  terem sentido que algo na relação não estava bem.

Ansiedade e bulimia

82.jpg

Tenho problemas de ansiedade e acabo por comer demais, muita quantidade e nunca estou satisfeita. Sinto-me muito mal por engordar e odeio ver-me gorda.

Não consigo resolver, por favor ajude-me.

Cara leitora,

A sua ansiedade está relacionada com algum problema do presente ou passado. Já percebeu que não consegue acalmar a ansiedade e preencher a sua insatisfação com alimento, muito pelo contrário, a sua atitude leva-a a mais um problema: transtorno de compulsão alimentar e sofrer de obesidade.

Apenas com a elevação da sua autoestima, redução da ansiedade e controle dos episódios compulsivos o controlo da bulimia se torna efetivo. Para ultrapassar o seu problema é preciso um tratamento de psicologia.

É importante lembrar que a ansiedade não pode ser totalmente eliminada. O objetivo é aprender a reduzir a sua intensidade. Procure não lutar contra a ansiedade, aceitando-a vai perder a intensidade e vai ser mais fácil gerí-la.

 

Chorar sem motivo

81.jpg

Olá, meu nome é Ana Maria.

Queria saber porquê quando as pessoas começam a brigar comigo eu não consigo falar e começo a chorar sem motivo. Por favor me ajuda.

Obrigada

Cara Ana Maria,

as pessoas choram sempre por alguma razão, geralmente provocada por um acontecimento que mexe com os seus sentimentos.

Não é que não tem motivo. O motivo é que se sente intimidada quando alguém briga consigo e a sua reação é chorar. Isso acontece frequentemente a pessoas tímidas ou mais ansiosas. O autoconhecimento é um passo importante quando ocorre esse tipo de situação.

As mulheres em geral precisam compreender que são poderosas e que a força está no seu interior. Procure empoderar-se até à sua melhor versão.

Caso a situação se mantenha procure ajuda especializada para fortalecer a sua autoestima e trabalhar o seu autoconhecimento.

Sentir sentimentos

80.jpg

Meu nome é Matilde, tenho 16 anos e dificuldades de sentir sentimentos. Consigo nomear o que sinto em questão emocional, mas amar alguém, sentir tristeza por algum parente doente, não consigo. Inclusive, estou em um relacionamento de 1 mês, ele ciente de que o que sinto não é muito, mas quero melhorar nisso [ele é muito compreensivo].

Sou muito comunicativa, conversamos sobre tudo inclusive disso. Sou muito fria em certas situações e quero me ajudar nisso, eu quero poder de fato amar alguém de verdade. E peço de coração, que me ajudem. Obrigada. 

Cara Margarida,

Há algumas atividades que ajudam a fortalecer emoções e sentimentos. Como, por ex., a atividade que busca desenvolver a empatia e a importância de ouvir e conhecer o outro.

O jogo consiste num grupo de pessoas, distribuir fotos ou recortes para que cada participante escolha dois. A seguir, cada um explica as emoções e sentimentos que causam, os valores e as razões pelas quais escolheram essas peças. Dessa maneira, pratica-se ouvir e respeitar os outros.

Também é importante desenvolver a inteligência emocional, que é responsável pelo reconhecimento das emoções e sentimentos.

Dicas para desenvolver a sua inteligência emocional:

  1. Crie consciência sobre seu comportamento e suas reações
  2. Domine suas emoções
  3. Melhore a comunicação ao seu redor
  4. Treine seu cérebro para pensar em respostas ao invés de reagir no automático.
  5. Conheça suas forças, fraquezas e limites.
  6. Exerça a empatia
  7. Torne-se resiliente
  8. Aprenda a lidar com a pressão

Se, entretanto, não conseguir melhorar procure ajuda de uma psicóloga.

 

Marido droga-dependente

 

79.jpg

Sou esposa de uma pessoa droga dependente. Há um ano e dez dias que está limpo depois de passar por uma clínica de desintoxicação. Antes ele estava na ativa por seis anos no crack e foi para a clínica por vontade própria.

Só que hoje ele saiu e sumiu. Faz um ano e dez dias que está limpo... ele está desempregado há um mês... gostaria de saber como deve ser a minha reação para que ele não se acomode quando chegar e achar que irei aceitar tudo novamente e, também, mostrar firmeza e amor...

 

Cara esposa,

a maioria dos usuários de substâncias químicas não reconhece que são pessoas dependentes, pois vivem a angustiante dualidade de não querer mais consumir a droga e, ao mesmo tempo, não entender como podem viver sem ela. Os familiares sofrem ao tentar estabelecer estratégias em como ajudar um dependente químico e fazê-lo reconhecer que precisa de tratamento e deixar de consumir.

É muito comum a pessoa dependente enfrentar alguma recaída, o que gera frustração e sentimento de derrota na pessoa. Por isso, tente agir com naturalidade, espere o momento certo para falar e não imponha cobranças. Apenas auxilie na oportunidade de recomeçar, pois isso é determinante para a permanência e o sucesso do tratamento.

O primeiro passo para ajudá-lo é estabelecer uma relação de proximidade, confiança e segurança. Procure um momento a sós para conversar e oferecer todo apoio e ajuda que ele precisa.

É importante não demonstrar conivência com as más escolhas que ele fez, mas sim oferecer um diálogo aberto e franco, com o objetivo de fazer com que ele entenda sobre os impactos que uma recaída pode ter.

Seja sincera com ele e fale tudo o que sente. Fale do seu amor por ele, mas da impossibilidade de acompanhá-lo e apoiá-lo nesse caminho destrutivo. Seja assertiva em afirmar que não vai agir como aliada do consumo e dos seus comportamentos inadequados.

A autenticidade e o diálogo salvam a relação.

Tudo de bom

Namoro entre adolescente e adulto

78.jpg

Boa noite. Dra, preciso de ajuda, a minha filha com 15 anos diz estar apaixonada por um homem de 40 anos. Ele não se nega a nada. E diz estar a amá-la. Esta situação para mim é inaceitável, inacreditável. Não consigo conceber. Por favor, não quero que esta adolescente vire uma rebelde, ou que se auto destrua. Também não quero ter atitudes que se revolte.

 

Cara Mãe,

Em Psicologia, fala-se de busca pela figura paterna, para explicar a atração de uma jovem por um homem muito mais maduro.

Pode-se colocar a hipótese que a sua filha considere o parceiro como um substituto do pai e confie nele em todos os aspetos. O homem, pode ser uma pessoa que não concorda em envelhecer e escolheu uma jovem bem mais nova.

Muitas jovens deixam-se seduzir pelo homem maduro, com experiência, que a corteja e a faz sentir-se adulta com presentes e favores, jantares e fins de semana.

Penso que o melhor é dialogar com a sua filha para avaliar os prós e contra dessa situação de desequilíbrio etário, bem como avaliar as diferenças de objetivos. As exigências típicas da idade podem desestabilizar a relação. Existe grande possibilidade de cada um dos parceiros estar em ciclos de vida diferentes, resultando em perspetivas de futuro divergentes.

 

37 anos e nenhum namorado

77.jpg

Quando conheço alguém é sempre alguém indisponível que mesmo com o passar dia meses só me querem ver ocasionalmente mesmo sabendo que essa não é minha intenção...O que eu posso fazer para mudar isso?

Sou amorosa, tenho boas intenções...sinto que tenho para dar e espaço para receber ...Tenho medo se aceitar isso como uma sentença e me fechar para vida ..Não acho que ter alguém seja algo dispensável...nunca sento prazer na solidão. E vivo triste há anos....

Cara Leitora,

Talvez seja só o caso de encontrar a pessoa certa no momento certo.

O primeiro passo é sentir-se feliz com  a  vida que tem, assim, quem entrar depois deverá somar e não subtrair esta felicidade.

Tenha autoconfiança. Uma mulher em busca do amor não deve estar desesperada, se não, acaba atraindo quem não quer em vez de conquistar o companheiro adequado.

Ao estar com alguem interessante, em vez de falar de si própria, pergunte sobre ele e escute mais do que fale, assim poderá conhecer melhor o outro.

Atenção para não ser muito pegajosa ou sufocar a outra pessoa. Procure não ficar obcecada com qualquer pessoa que aparecer na sua vida: sejam amizades ou relações amorosas. Não seja invasiva ao convidar para algum tipo de programa e não fique desiludida quando as coisas não dão certo. Cada pessoa tem o su próprio tempo e  precisa do seu próprio espaço.

Continue a etar disponível a conhecer pessoas!

 

Separação e desespero

76.jpg

 

Tenho 43 anos, tenho uma filha de 14 anos e quero pôr em fim num relacionamento desgastante. Ele não aceita, vive comigo na casa que comprei sozinha pelo crédito em 2018. A casa tem meu nome, ele não é titular.

Estamos juntos deste 2006. Ele recusa-se a sair de casa, não paga crédito, pouco ajuda nas despesas e nas compras, às vezes bebe, é agressivo e não temos vida sexual. Onde posso pedir ajuda e como fazer? Estou nas últimas, por favor, ajudem- me.

Obrigada.

Cara leitora,

Se ele é o pai da sua filha, a situação é mais difícil e ainda estão juntos há 15 anos. Entretanto como a casa é sua pode pedir para que ele saia.

Caso ele não consinta em sair, procure contatar um advogado para que a ajude a solucionar o problema.

Também pode procurar apoio na organização de apoio à vitima da sua cidade.

Enquanto ao desgaste psicológico, o melhor é consultar um psicólogo para um apoio e tratamento adequado.