Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Casamento e dificuldades

48.jpg

Estou casada há 5 anos e estou sofrendo desde o momento que me casei. O meu problema é: não consigo ter relações com o meu esposo. Não vejo o rosto dele, na hora do sexo, tenho que fazer mesmo assim.

Não consigo dormir à noite porque aparecem pessoas querendo fazer-me mal no sono. Tenho 2 filhos gémeos e têm 5 anos. Estou sofrendo muito, meu esposo dá-me tudo que é material, mas na parte do sexo nada.

A família dele não me gostam e vivem colocando problemas no nosso relacionamento, já perdi 3 gravidez sem explicação. Quero separar-me, mas ele não quer e não sei o que faço.

Cara leitora,

No seu pedido refere, dificuldades de relacionamento com o esposo e de sentimentos que as pessoas querem fazer-lhe mal à noite. Provavelmente essas situações estão inconscientemente relacionadas. O fato de não poder ver o rosto do seu marido na hora do sexo, levam a um sentimento de estarem a fazer-lhe mal.

 

Antes de pensar em se separar, porque não tenta resolver? Fale com ele, explique os seus sentimentos e dificuldades. Repensem a maneira de ter relações, reflitam sobre variações de posições, etc. onde ambos possam usufruir prazer.

O problema da família vai ter que ter paciência: pense que casou com ele e não com a família toda. De qualquer maneira com o tempo, se colaborar, o relacionamento poderá melhorar.

Caso não consigam se entender procure ajuda especializada para poder perceber o que realmente sente e descobrir qual seria melhor caminho para a sua vida presente e futura.

Fique bem

Solidão

47.JPG

Olá, doutora!

Conheci este site há pouco tempo e gostaria de um pouquinho da sua ajuda... há um tempo atrás eu estava me sentindo muito sozinha, embora sempre estivesse rodeada de pessoas que amo, até mesmo adotei três gatos para ver se me sentia melhor, o que aparentemente não adiantou muito.

 

Meus pais são separados então e trabalham o dia todo, então passo a maior parte do dia com minha irmã mais nova, mas não nos entendemos muito bem...

De qualquer forma, o ponto é: Eu acabei criando um tipo de amigo imaginário, uma pessoa que me ajuda quando estou triste e passo o dia todo com ela, divido pensamentos e convivo feliz, conversamos com frequência e ele até me ajuda a tomar decisões...

Mas, por algum motivo eu sinto que isso futuramente poderia causar-me algum problema, afinal, já tenho alguns problemas relacionados à minha personalidade (as vezes expludo, até já quebrei algumas coisas na casa por ter chegado ao meu 'limite')...

Eu não sei o que fazer, e nem mesmo se isso realmente me trará realmente algum problema, por isso venho aqui, humildemente pedir seu conselho, desde já, obrigada.

 

Cara leitora,

Geralmente fantasiamos o que não temos e não somos, e que gostaríamos de ter e ser. Isso é mais recorrente do que imaginamos. Quando nos sentimos frustrados e reprimidos tendemos a alimentar as fantasias. O lado positivo é que elas buscam suprir as lacunas existentes na nossa vida afetiva, profissional, financeira etc., gerando alguma motivação para alcançar objetivos traçados. Porém, não devemos permitir que elas dominem a nossa vida real. A realidade precisa ser vivida e modificada com base na objetividade.

Quando uma pessoa investe numa fantasia, ela precisa ter a consciência de que está a alimentar a ideia de prazer restrito ao objeto fantasiado. Ou seja, ao pensar que desejo algo, subjugo a minha satisfação a este alvo. Precisamos saber quais são as nossas necessidades, as nossas formas de satisfação, e buscar aproximar ao máximo os nossos “desejos” da vida real.

Procure sair dessa fantasia de amigo imaginário e tente encontrar um amigo/a real para viver a sua vida, com motivação para alcançar os seus sonhos. O viver na fantasia, é uma fuga à vida real e vai dificultar cada vez mais a sua adaptação para viver a realidade. Se quer sair da solidão que sente na realidade, procure modificá-la fazendo algumas mudanças na sua vida. Faça um curso, aprenda uma profissão, dedique-se ao trabalho, etc.

Se não conseguir sozinha, procure ajuda especializada para um tratamento adequado e estruturante.

Um abraço

Namoro adolescente

45.jpgEu tenho 16 anos quero namorar uma menina de 16. Eu posso fazer isso ou é crime? A minha tia não quer deixar. Diga-me o que fazer com esta situação.

Caro Leitor,

Aos 16 anos já tem idade para namorar. O namoro a "sério", que envolve paixão, amor e, eventualmente contato físico começa por volta dos 12, 13 anos. Os pais jovens têm mais abertura para aceitar a vida sexual dos filhos. Converse com a sua tia e explique-lhe as suas intensões com a namorada. Diga-lhe que encara o namoro como uma relação prolongada, porque ainda têm muita coisa para concretizar antes de uma possível partilha de casa: estudos, carreira profissional, autonomia financeira, etc.

Fale com ela à serio e mostre-lhe a sua maturidade e vai ver que ela vai deixar.

 

 

Desbloquear paixão

44.jpgJá faz 5 anos que não tenho mais contato com uma pessoa por quem me apaixonei. Somos casados e nunca tivemos nada…é algo que demonstrávamos no olhar, no tratar, parece bobo, mas era uma energia diferente e algumas pistas…ele muito tímido e correto e eu sem coragem pra demonstrar qualquer sentimento abertamente justamente por ser errado ao meu ver também...enfim, já se passaram anos e eu não consigo esquece-lo!
Dói o peito, tenho dias de extrema saudade...já pensei em fazer terapia pra ver como tentar me desapegar...
Acho estranho esse sentimento permanecer por tanto tempo...Apesar de bem casada, não me sinto feliz...meu desejo era saber se ele realmente me correspondia...se não era tudo da minha cabeça...preciso muito de ajuda...

Cara Leitora,

O que vive com essa pessoa é uma relação idealizada, fruto da sua imaginação e fantasia. Enquanto continua a investir energia nessa memória do passado, deixa de investir na realidade atual.
É como “perder a vida” e “viver na fantasia”. Se não aconteceu nada na altura é porque não tinha que acontecer e é um desperdício manter a sua atenção nesse passado.

É preciso encarar o presente com coragem e programar um recomeço. Deixar para trás o que lhe causa dor e seguir em busca de autoconhecimento e novas formas de ser feliz.
A grande verdade é que todos nós temos o direito de mudar de rumo e chega um momento que precisamos desapegar e deixar ir para usufruir do que a vida irá nos oferecer aqui e agora. Pense em si, no seu casamento, na sua vida presente e invista para colher frutos futuros.
Tudo depende de si da sua força interior. Viver e aprender a viver sem lamentar o passado.

Se não conseguir sozinha, procure ajuda de uma psicóloga para uma terapia.
Um abraço e fique bem

Caso de Ciúme

43.jpgBoa tarde, Tenho 31 anos. Estou há cerca de um ano a viver uma relação que se revelou de 'ciúme obsessivo'; foi algo que pouco a pouco se foi revelando cada vez mais intensamente, deteriorando e destruindo. A minha liberdade foi afunilada, a privacidade e autoestima desaparecendo. Com tudo o que implica os ciúmes não normais, tornou-se uma situação insustentável e negativa; tendo o meu parceiro, por fim, reconhecido que este seu problema i uma realidade, já existente há alguns anos. Ambos estamos na faixa etária dos 35, segundo ele este seu problema persiste já desde os seus 20 anos e i algo que ele acredita ser já irreversível, dado a idade. Sugeri que iniciasse terapia ou até de casais e que com vontade poderia superar um problema que o impede de viver um relacionamento estável e feliz (algo que ele ambiciona, mas que sabota por esse motivo). Inicialmente aceitou a hipótese e, admitiu inclusive, já ter iniciado há alguns anos atrás mas abandonado após poucas sessões.

Pouco depois a conversa do irreversível voltou, convicto de que i um problema impossível de resolver apenas com simples terapia e que por isso não vale a pena tentar. A minha pergunta é se será mesmo irreversível ou se devido ao possível quadro clínico seja uma forma de negação e auto sabotagem. Em casos de ser um verdadeiro transtorno é necessário medicação?

Cara Leitora,

As causas do ciúme patológico variam de pessoa a pessoa, embora de base, geralmente, há uma grande insegurança, baixa autoestima e falta de autoconfiança. A pessoa não acredita que é digna de amor, portanto, qualquer detalhe, um olhar ou um atraso, é suficiente para inflamar o ciúme.

 

Em muitos casos, essa insegurança pode está relacionada à infância, geralmente devido a pais que estavam emocionalmente ausentes e que não atendiam às necessidades de proteção e afeto da criança. Em outros casos, a insegurança pode ser causada por uma experiência traumática ou humilhação experimentada em um relacionamento anterior.

Também há casos em que, por trás do ciúme patológico, há certas características de personalidade, como a necessidade de ter controlo e a tendência de exagerar a realidade.

São pessoas com uma grande capacidade de fazer uma tempestade em um copo de água. Elas também tendem a ter poucas habilidades sociais, então acham que se o seu parceiro os deixar, eles não poderão ser felizes ou encontrar outra pessoa que os ame. Na verdade, o ciúme de um casal geralmente esconde uma dependência emocional.

 

Na base do ciúme doentio também podem estar crenças, como pensar que o relacionamento é uma possessão e, portanto, só pode demonstrar amor por ele. Em outros casos, o ciúme esconde uma preocupação obsessiva com a imagem social. A pessoa acredita que, se o parceiro o trai, ele será motivo de chacota. Para evitar essa situação, desenvolve uma atitude de controlo.

É essencial procurar ajuda profissional, não apenas para salvar o relacionamento, mas para superar definitivamente a desordem. Mesmo que no futuro um novo relacionamento comece, o problema ainda estará lá.

Quem sofre desse tipo de problema, pode não querer procurar ajuda psicológica, por não ter a percepção de que suas crenças e comportamentos sejam irracionais.

A psicoterapia não exige medicação.

Fale com ele e motive-o para um tratamento.

Tudo de bom

Medo de morrer ou morrer de medo?

42.jpgOlá doutora!


Tenho 17 anos, às vezes costumo pensar na morte e que um dia ela vira até mim. É um fato que um dia morrerei, mas quando penso nisso eu fico triste e choro!
Talvez não porque deixarei alguém ou alguém sentirá minha falta, porque realmente vai sentir, são dúvidas sobre a vida após a morte.
O que acontecerá ou como vai ser, muitas pessoas dizem e outras até aconselham a pessoa acreditar em algo que possivelmente a conforte. Eu já pensei nisso, tentei, mas não vejo resposta em nada.
De alguma forma, diga-me como faço para pensar algo positivo sobre isso. Há várias questões que vejo o lado positivo, menos com a morte!

Cara jovem,

Para morrer basta estar vivo! O maior desejo do homem é a imortalidade. Por isso, muitas vezes, a morte é considerada uma inimiga. O medo da morte deve ser superado, para vivermos uma vida em pleno.

A morte é parte da vida. É o fim do ciclo da vida, como estuda-se o ciclo das plantas. Como seres vivos, temos essa mesma limitação de perenidade. Longe de ser uma temeridade, a morte, assim como a vida, é algo natural. O segredo é aproveitar a vida enquanto há possibilidade de desfrutá-la e conviver com o medo de forma harmónica com foco na vida.

Dicas para refletir:
•O medo da morte pode ser resultado de depressão ou ansiedade, condições que devem ser tratadas com a ajuda de um profissional especializado.
•Não tenha medo de tentar mais de um terapeuta. Deve encontrar um que a apoie com seus problemas únicos e que seja capaz de ajuda-la a resolvê-los.
•Desenvolva a crença persistente de que pode superar seus medos.
•Evite pensar demais sobre a mortalidade. Preocupe-se em viver o momento, para não ter arrependimentos quando morrer.

Marido infiel

41.JPG

Dra.

Estou desesperada, angustiada, aflita, me sentindo a pior mulher do mundo.

Sou casada a 13 anos amo meu esposo e achava também que ele me amava, Mas a três meses ele me confessou a sua traição, que aconteceu em Novembro de 2019,

Ele foi trabalhar em outra cidade e lá conheceu a pessoa é disse que ficou duas semanas com ela, neste meio veio para casa no final de semana dessas duas semanas, voltou e ficou com ela novamente.

Estava tudo bem entre nós, ou pelo menos achei que estava. Temos dois filhos lindos, inclusive um ainda tem 1 ano e 10 meses... achei que estávamos felizes, não entendi nada. Fique com muita raiva ódio xinguei ele muito pois para mim estava tudo bem,

E o pior ainda passou dezembro inteiro (inclusive meu aniversário, Natal, ano novo,) passou janeiro e em fevereiro no dia 25 tivemos uma briga pois ele estava escondendo muito o celular, e ai quando a bomba estourou. Chorei muito, nossos filhos viram todas as brigas e xingamento, me vi num luto profundo, uma angústia profunda, Porque vi minha família desmoronando ( e ainda estou vendo) Ao mesmo tempo que estava tudo bem derrapante tudo virava poeira, não sabia nem no que pensar mais... e ainda não conformo. Eu disse a ele que o perdoei pra tentarmos novamente e por causa dos nossos filhos e porque também a amo, são 13 anos muito bem vividos alegres ... enfim. Éramos felizes. "Meu Deus o que que aconteceu?" Não sei, me via num beco sem saída.

Quase dois meses depois, ainda há conflitos entre nós Dra.

Por fim agora ele disse que não se senti digno de mim. Não quer nem me beijar, beijo sabe até mesmo de selinho para uma despedida. Mas o que não entendo é que o sexo ele quer, e com isso estou sentindo-me usada, além de me sentir humilhada pelo acontecido, me sinto desprezada... Pergunto a ele e ele me diz que isso não é desprezo e sim respeito para comigo, que eu não mereço um, comparado da palavra, Um bosta como Ele, que ele manchou nossa história, ele está estranho, se sentindo mal de saúde dores, ... Não sei Dra o que está acontecendo. Mas sinto muito de ele não me beijar, podemos ficar o dia todo em casa, que ele não me dá um beijo, nem de selinho.

Mas o sexo quer... assim mesmo me deito com ele, porque eu o amo muito e que eu mais quero é que nos voltamos ao normal. Não sei mais o que pensar Dra. Não sei mais o que dizer... Não sei. Me sinto perdida,

Desprezada e humilhada.

Estou de mãos atadas e o pior não tenho para quem contar e desabafar

Me sinto sozinha Dra. Não ser mais como reagir a essa situação. Me ajude Dra.

Por favor!

Aguardo seu retorno. Obrigada.

 

Cara leitora,

Parece que estão num momento de transição, um momento onde ainda não se perdoaram o que aconteceu. Primeiramente é preciso separar o perdoar do confiar. O perdão normalmente ocorre pela análise de uma série de fatores, como o tempo que estão juntos, todos os momentos felizes que compartilharam, o quanto construíram juntos, se têm filhos, etc. E é preciso lembrar que a reconstrução gradual da confiança é um processo difícil e doloroso.

Ao voltar a ter relações sexuais, depois que tudo veio à tona, é comum que o casal se depare com alguns obstáculos. Mesmo se os fatores que levaram à traição são entendidos, é inevitável surgirem sentimentos de que algo na vida do casal não ía bem e que precisa ser reajustado. Quem traiu também fica numa posição desconfortável, de certa "dívida" com o par. Não dá para retornar imediatamente tudo como era antes, é preciso ter paciência e ir vivendo um dia após o outro na tentativa de reconstruírem a relação.

Quanto ao beijar é preciso ter paciência, dar tempo ao tempo. Pode ser que o sentimento de culpa bloqueia-o no ato beijar.

Infidelidades acontecem. Pensem em viver esse momento como uma “oportunidade” para reconstruir a vossa relação mais fortalecida, sem cobranças, com muito diálogo e cada um a seu tempo. O investimento deve ser direcionado à vossa relação. Não procure saber, detalhes da infidelidade, foco em melhorar a vossa relação!

Ansiedade e excesso de libido

39.jpgOlá Drª Maria,

eu pensei que me poderia dar uma pequena ajuda, se possível.
Se me poder esclarecer, agradeço muito!
Eu tenho 18 anos e tenho muita ansiedade. Nunca fui diagnosticada por um profissional, apesar de ter tido uma psicóloga na escola, mas os meus sintomas já passaram para além dos psicológicos e tornaram-se também físicos. Dando-lhe um exemplo, já não tenho um único dia em que não esteja ansiosa. Tenho sim, horas do dia em que me sinto mais calma mas sinto, maioritariamente, os calafrios, suores, diarreia, batimentos cardíacos muito fortes e rápidos, sensibilidade emocional, sensação de vómitos, angústia e entre outros ... Posso até dizer que a minha ansiedade é tão forte que eu tive que desistir da escola, pois tenho muita fobia social derivado aos meus pais terem sido sempre super super protetores (ainda hoje o são) e ao bullying que passei durante alguns anos na escola. Eu também não tenho o apoio deles nesta minha situação. Nós não temos uma boa relação, e eles não acreditam que eu possa ter estes problemas já que "eu nunca passei por dificuldade alguma na minha vida". Então a Drª é a minha única esperança, pois sem o apoio dos meus pais para ir a um psicólogo eu não consigo ir ...
Passando ao meu maior problema, então.
Eu tenho tido um sintoma em particular que me está a perturbar imenso, também, que é a minha libido. Eu sinto tanto desejo sexual e eu não sei o porquê. Sinto que se torna um problema, pois, eu estou sempre a ter pensamentos sexuais e estou sempre excitada. Poderá dizer-me se isso é normal, já que eu sou uma adolescente . ?! Eu também sou virgem, não sei se faz alguma diferença.

Se me poder ajudar, eu agradecia muito.

Cumprimentos.

Cara leitora,


O seu excesso de libido pode estar relacionado com os seus pensamentos. Será que está a investir um excesso de tempo em fantasias e desejos sexuais? As fantasias e desejos de comportamentos sexuais repetidos são uma resposta a estados de ânimo disfóricos assim como ansiedade, depressão, aborrecimento, irritabilidade...etc. ou a situaçãode vida stressantes.
Pensar em sexo é normal. Contudo, é possível que um excesso desses pensamentos acabe por interferir no seu dia-a-dia e que impeçam de ter uma vida normal, provocando assim mais ansiedade e mal-estar. Ser capaz de controlar esses pensamentos é imprescindível para recuperar a sua rotina.

Algumas dicas:

1 Identifique as origens dos pensamentos (situações, momentos, imagens, etc.) para poder evitá-los ou moderá-los em tempo.
2 Evite visualizar conteúdo erótico: ver vídeos e imagens sugestivas, temas de conversa que fazem pensar em sexo, etc.
3 Mantenha a sua mente ocupada, com coisas que não estejam relacionadas com sexo, faça planos, participe em atividades, etc.
4 Dirija a sua atenção: procure se ocupar com coisas que captem a sua atenção por completo: um livro, um filme, um processo criativo como escrever, desenhar, cantar, tocar um instrumento, etc.
5 Faça exercício físico. É uma boa forma de se ocupar e ajuda a liberar hormonas que também liberaria durante o sexo, ajudando de alguma forma a "saciar" o apetite sexual.
6 Deixe um espaço para o sexo. Trata-se de diminuir estes pensamentos, não de suprimi-los completamente. É importante desenvolver uma sexualidade saudável, explorar-se a si própria, ter dúvidas, etc.

As dicas acima também vão ajudar com a ansiedade.
Confie em si e invista em alguma mudança na sua vida.
Fique bem

Consultas de Psicologia Online

38.jpg

Psicologia ONLINE

A emergência sanitária que investe o nosso mundo chama-nos a dar uma resposta de aproximação aos que estão a viver uma forte situação de desconforto psicológico.

Para uma primeira consulta podem contactar-me em:

mariagrazia@sapo.pt

tel: 914 749 474

Vamos todos ficar bem  Mariagrazia Marini

Psicologia ONLINE in Italiano

L'emergenza sanitaria che investe il nostro mondo ci chiama a dare una risposta di vicinanza a coloro che vivono una forte situazione di disagio psicologico e emozionale.

Per una prima consulenza contattatemi :

mariagrazia@sapo.pt

t: 914 749 474

Consultório:
Av. Luís Bivar 93, 6º E
1050-143 LISBOA

Andrà tutto bene  Mariagrazia Marini

 

Muita ansiedade

37.jpg

Olá Boa tarde,

Preciso de ajuda por favor. Eu sempre fui muito ansiosa, mas desde a minha gravidez eu piorei comecei mesmo a ter sintomas físicos.

Neste momento há um que me atormenta muito e sinceramente, tenho medo que possa ser algo de grave, sinto um gelo saindo de mim. É como se estive se sempre com o corpo dentro de um ar condicionado, ataca muito a cabeça, olhos, braços e pernas não é tudo ao mesmo tempo. O que poderá ser? Se poder ajudar-me agradeço muito  obrigada

 

Cara Leitora,

Tal como acontece com os pensamentos negativos, por vezes também nos debatemos com sensações físicas, sentimentos e emoções negativas e desconfortáveis. Esta luta pode por vezes deixar-nos abatidos, com receios, desanimados, contribuindo assim para um maior sofrimento emocional e psicológico.

Cada emoção que sentimos prepara o nosso corpo para uma reação específica. O fato de experienciarmos emoções desagradáveis não significa ausência de saúde mental ou que algo de errado se passa connosco.

Nunca é demais reforçar que não há emoções positivas ou negativas, todas têm um papel fundamental na nossa adaptação. O que prejudica o nosso funcionamento é o excesso emocional. As emoções têm uma manifestação corporal intensa, a energia da emoção espalha-se pelo corpo e produz diversos movimentos. Estas sensações físicas e sinais corporais são coerentes com o que estamos a sentir e é através deles que podemos identificar qual a emoção que sentimos.

 

Na tristeza e no medo há como uma sensação de frio que nos invade. Este “arrefecimento” implica uma falta de mobilização que se traduz na perda de interesse nas atividades e ao estarmos tristes nos recolhermos. Precisamos desse tempo para recuperar energia e avaliar as consequências de uma perda, para depois nos redirecionarmos para outras emoções e ações.

Esse sentimento de gelo que arrefece o seu corpo pode estar relacionado com a sua ansiedade e um sentimentos de tristeza, talvez relacionados com pensamentos inconscientes de medo relacionados com a perda da sua independência e aumento de responsabilidade vividos após a sua gravidez.

Procure ter pensamentos positivos e quando sente esses sintomas físicos dedique-se a trabalhos manuais como: costuras, desenhos, escritos, limpezas, tricô, arrumação, culinária, etc.

Ter mais responsabilidade pode-se resumir numa grande alegria e prazer de nos sentirmos úteis e importantes para a nossa família.

Fique bem