Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Relação mãe e filha

 

Viva, Boa tarde Dra. Mariagrazia!

 

A minha vida é um milagre! Por vezes tento recontá-la e tudo parece…incrível. Valorizo todos os grandes desafios que a vida me proporciona!

Há um grande problema que persiste, esse mesmo problema é a minha origem - mãe!

Tenho uma grande dificuldade em dizer a "minha mãe", em determinadas fases senti-me completamente desprotegida, desamparada uma verdadeira órfã.

 

Sou filha de mãe solteira há mais de 30 anos por ela faço o que a F. (nome da mãe com 73 anos) nunca fez por mim. Sustento-lhe uma casa fruto do meu trabalho. É doloroso mas um hábito meu. Pago-lhe a renda da casa, água, luz, telefone fixo e tlmv, passeios ... 

Anedótico, mas autentico.

(Apesar de lhe pagar a renda tem sempre a casa virada do avesso, um horror... . A casa dela está sem condições pois nem a limpeza faz)

 

Desde há 4 anos que não vivemos juntas e isso tem-me feito muito bem! (portanto pago duas rendas) Vivo em união de facto - uma relação estável, sólida, muito boa.

 

Como lidar com esta mágoa!?? Sempre tive muita vergonha dela, talvez por isso coro por tudo e por nada! Não tenho orgulho nas minhas origens e viver sem raízes causa-me muito mal-estar. É terrível, profissionalmente extremamente incómodo! Actualmente dou por mim com algumas dificuldades de relacionamento social, em estabelecer relações coesas. Que terapia devo recorrer!?? Como lidar com este problema!?

Com a F. nunca soube o que é viver em família, um Natal (...)

 

F. nunca assumiu nenhuma responsabilidade. Nunca trabalhou, nunca "me assumiu". Sempre recusou ajuda médica. Tem 10 irmãos e nenhum deles a auxilia. Ainda eu não era nascida e esteve a viver enclausura num Convento, ao que me contam adoeceu e voltou. Mais tarde nasci eu.

 

(....)

De uma forma sucinta deixo aqui estas linhas gerais da minha vivência.

PRECISO DE AJUDA E LUCIDEZ PARA LIDAR COM ESTA RELAÇÂO MÃE FILHA

 

Muito obrigada!

TUDO DE BOM!

 

Cara R.,

 

Não posso fazer outra coisa do que lhe dar os parabéns por tratar da sua mãe como se fosse sua filha. Poucas filhas fazem isso!

Sinto muito que a sua mãe seja assim pouco afectiva mas ela é assim e aos 73 anos penso que já não vai mais mudar. Provavelmente ela é assim por ter tido também uma infância com pouco afecto e assim não aprendeu a dar.... Sei que isso não justifica esse comportamento mas talvez a ajude a entender.

 

Cara leitora, temos a mãe que temos, mas não se envergonhe, tente falar com ela para que ela mantenha a casa arrumada e asseada e que cuide de sua saúde.

 

Tenha orgulho de si! O principal não é a sua origem mas é a sua vida e a sua bondade, que sem dúvida se reflecte no seu rosto quando cora.

Nem todos temos uma origem nobre, mas o importante é a nossa postura diante da vida e sem dúvida será recompensada!

Um grande abraço e não se preocupe com a sua timidez, quando é leve é saudável pois pessoas um pouco tímidas são inteligentes, educadas e responsáveis.

 

Um abraço

Mariagrazia

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.