Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Mãe separada

 

 

 


 

Boa tarde,

 

Podia-me dar alguma orientação, no sentido de conseguir ultrapassar a situação que vivo actualmente.

Sou mãe de um rapaz de 4 anos, separada desde dos 18 meses de idade, à medida que o tempo passa, ele me questiona “porque o pai não está cá em casa, eu gostava que tivesse cá, tu não gostas do pai, gostava de ter um irmão.

 

Hoje com 40 anos de idade, sinto-me impotente, não consigo dar resposta a estas perguntas, nem como lhe explicar,

Agradecia alguma ajuda, porque é terrível viver numa situação destas,

Obrigada,

Ficando aguardar pelas suas palavras

 

Cumprimentos

MN

 

Cara MN,

 

A forma mais saudável e menos traumática para a criança viver a separação é quando os pais têm uma postura equilibrada, explicam a separação com honestidade e serenidade.

 

Procure conversar com ele e explicar simplesmente o que ocorreu, diga que não se entendiam e que resolveram se separar e verá que ele vai compreender e aceitar a realidade naturalmente. É importante deixar bem claro que ele não teve culpa e nem o poder de separar ou reunir os pais. É comum a criança pensar que os pais separaram-se por causa dele ter feito algo errado.

 

Quanto menor for a criança mais se torna necessário tranquilizá-la, evitando assim que vivencie a separação dos pais como uma punição por uma falta cometida. Os pais devem repetir com frequência o fato de que essa escolha não depende dele e que ele não é de forma alguma a causa da separação. Também é preciso é que ele tenha claro que os pais sempre irão amá-lo e sentir que a mãe não é inimiga do pai para que se sinta seguro e possa ter um desenvolvimento psicológico saudável.

 

Se conversar naturalmente com seu filho, respondendo sempre à medida que ele perguntar, ele vai entender e aceitar muito mais facilmente do que imagina por sentir a mãe tranquila e protetora.

 

Bem haja

 

1 comentário

Comentar post