Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Mobbing

 

 

 

 

Querida Dra,

Tenho 30 anos e sou vítima de Mobbing...
Vivo aterrorizada com a ideia de ir trabalhar de manhã, do que me espera, do fim-de-semana e do retorno da semana de trabalho. O telemóvel toca e eu tremo. Chega um email da direcção e eu suo frio.
Perdi peso, chego mesmo a vomitar quando chego ao trabalho, ando literalmente lavada em lágrimas todo o dia. Abusam porque me vêem fragilizada e carregam ainda mais a pressão psicológica feita...a minha auto-estima profissional está reduzida a zero.
Por necessidade continuo a aguentar-me a uma situação que não me faz feliz e que começa a afectar a minha família, principalmente o meu filho, de 3 anos, que percebe perfeitamente que não estou bem e que tem vindo de dia para dia a aumentar a dose de mimos, carinhos, palavras queridas e preocupações para comigo, nada normal numa criança tão jovem...
A minha médica de família aguarda uma visita minha há semanas, pois sabe o que se passa e quer por me de baixa urgentemente. O problema é que eu tenho medo! Penso NELES! Que vão ficar sem mais uma pessoa, que vão ficar com um enorme volume de trabalho, no que dirão, no que pensarão... quando eles não pensam em mim quando agem, fazem, reagem....

Que fazer? Preciso de coragem, enfrentar, admitir que estou doente, depressiva, mas ao mesmo tempo tenho medo deles... medo! Tremo só de pensar em lhes ligar e dizer "estou de baixa um/dois mês(es)"....

Cara amiga,

 

O mobbing é uma prática complexa, difícil de ser provada, usado num ambiente de pessoas covardes, que por inveja, fazem difamação, intrigas e procuram denegrir uma “vítima” que, geralmente, é uma colega de trabalho.

Fugir não é solução. O melhor que tem a fazer é não demonstrar que está com medo, resistir e denunciar a um colega superior de sua confiança para que a ajude sem entretanto ter a chance de perder o emprego.

 

Entretanto se pudesse ter a ajuda de uma psicóloga, conseguiria reforçar a sua auto-estima, poderia trabalhar a sua insegurança e chegar a gerir a situação sem medo com sabedoria e inteligência emocional.

 

Cuide de si para não prejudicar seu filho e as pessoas que vivem consigo.

Confie em si própria, não se apavore e lute para conseguir seus objectivos e seus ideais.

 

Bom ano!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.