Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Furto adolescente

 

 

 

Olá, boa tarde. Gostaria que, enquanto especialista na área de educação para adolescentes nos ajude, por favor.

 

Meu filho, um adolescente de 16 anos, se envolveu em uma situação que jamais esperávamos. Aproximadamente há 1 mês, na aula de educação física, um colega dele, muito conhecido por nós, pediu insistentemente que ele pegasse o aparelho celular de outra colega. Meu filho então se apossou do aparelho. Após a colega constatar a falta do celular levou o caso à diretoria. Depois que os diretores pressionaram alguns alunos, meu filho, chamou um deles e confessou o ocorrido, devolvendo o aparelho, dizendo-se muito arrependido. Conforme relato do diretor, meu filho seria o último suspeito, pois sempre viu nele um adolescente estruturado.

 

 

Para piorar a situação, havia no celular da colega de sala um vídeo erótico, e meu filho o repassou para frente, para vários amigos, inclusive criando uma conta para isto. Estamos arrasados, eu e meu esposo, pois nosso filho sempre foi uma ótima pessoa, apesar de alguns desentendimentos normais desta fase. Confiscamos o aparelho celular dele e retiramos todo seu acesso às redes sociais, até mesmo acesso ao e-mail. Não sabemos o que fazer. Ele (filho) não soube dizer exatamente o que o levou a fazer isto. Por favor, nos oriente o que mais devemos fazer. O que será que o levou a agir desta forma?

 

Desde já agradecemos pela atenção.

 

 

Cara mãe,

 

Os adolescentes estão na idade de fazerem as suas próprias experiências para conquistar a sua própria autonomia. Não se inquiete. O importante é que seu filho confessou e se arrependeu. O que aconteceu, foi um comportamento de grupo, movido pelo prazer de burlar uma regra ou por representar uma demonstração de poder sobre a autoridade (professores, pais, diretores).

 

Nesse caso, a melhor atitude a ser tomada é os pais e professores agirem  de maneira clara, mostrando ao adolescente as consequências de seus atos, para que ele aprenda a forma adequada de agir.

 

Também é neste período que se dá um aumento do interesse sexual e o vídeo erótico corrobora essa curiosidade.

 

De qualquer maneira é essencial na educação do adolescente o estabelecimento de normas e limites, pois essas obrigações lhes transmitem segurança. A melhor maneira de criar um adulto desorientado e inseguro é fazê-lo crescer num ambiente familiar caótico, em que tudo é imprevisível e não se sabe direito o que é certo e o que é errado.

 

Bons pais criam um ambiente familiar que favorece o equilíbrio emocional e os elementos associados a ele como a honestidade, empatia e a autoconfiança e a gentileza e a alegria de viver. A combinação disso tudo produz pessoas com curiosidade intelectual, motivação para aprender, se desenvolver e vontade de produzir e se socializar de forma sadia, longe das drogas e do álcool.

 

Penso que não precisa ser muito dura nos castigos. É sempre bom lembrar que o objetivo, tanto dos pais quanto da escola, deve ser educativo, visando o bem-estar do adolescente e não à pura e simples punição do ato.

 

De qualquer maneira penso que essa experiência  irá deixá-lo mais maduro e mais responsável, ainda mais que sempre foi uma ótima pessoa.

 

Se mesmo assim algum evento desse tipo voltar a se repetir, será preciso um acompanhamento psicológico, tanto para ajudar o seu filho, como também os pais a lidarem melhor com a situação.

 

Tudo de bom