Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Transtorno de personalidade

27.jpgOlá, doutora!

Encontrei o seu blog e acredito que possa me ajudar a identificar um perfil psicológico. Um amigo com atitudes que tem provocado muitos danos familiares, nas relações sociais e profissionais, mas não sei como agir para ajudá-lo. Por favor, me ajude! Vou descrevê-lo para que possa compreender.

 

O perfil é de um homem de 37 anos, casado (13 anos), com filhos, trabalhador e religioso. Porém, nada é o que parece. O casamento está deteriorado por uma atitude de indiferença e falta de diálogo (passam dias sem se falar). Casou-se sem estar apaixonado, apenas para cumprir um papel social. Trai a mulher constantemente em relacionamentos, em sua maioria, virtuais. Tem preferência por um tipo de mulher com traços físicos específicos (mesmo tom de pele, mesma cor de olhos e cabelos - sem nenhuma relação com as características físicas de sua mãe). Tem necessidade de conquistar emocionalmente essas mulheres, mas nem sempre chega a ter relações sexuais com elas e em todos os casos perde o interesse após conquistá-las. Tem necessidade e habilidade em criar apego e dependência emocional nessas mulheres, mas logo as trata com indiferença e desprezo.

 

Teve filhos no casamento (é afetuoso com a primogénita, uma menina, mas trata mal o segundo filho, um menino).

É mentiroso compulsivo e tem muita facilidade em persuadir e conquistar a confiança de outras pessoas. É muito atraente e se comporta com extrema dedicação quando deseja alguma coisa, incluindo o ambiente profissional. Tem facilidade em identificar o que os outros desejam e esperam dele e consegue fingir e interpretar com muita habilidade.

 

Tem necessidade de ser reconhecido, tem atitudes egocêntricas e narcisistas e não suporta ser contrariado e rejeitado. Apesar disso, tenho a impressão que ele não gosta de si mesmo e em algumas situações provoca reações que reforçam esse sentimento nos outros e nele mesmo.

Guarda ressentimento, mágoa e rancor. Tem tendência a se vingar. Não confia nas pessoas ao seu redor e vive sob uma perspectiva negativa das coisas e dos outros.
Altera sua postura e humor repentinamente, alterna entre um homem comunicativo e sedutor e um sujeito calado e observador.

 

Tem aversão a atitudes de afeto demonstradas por adultos e tem profunda desconfiança quando alguém demostra afeto por ele. Parece ter um certo ódio e raiva contidos e reprimidos.

É religioso por influência da família e desde pequeno foi educado de forma rigorosa por seus pais, mais especificamente a sua mãe. Cresceu em uma comunidade religiosa, apesar de ter assumido (apenas uma vez) não acreditar em Deus.

 

Atualmente foi demitido e rejeitado por uma amante e sua atitude tem sido de profunda apatia, desinteresse e indiferença a tudo e a todos. Seu comportamento tem causado danos aos filhos e a esposa. A menina (10 anos de idade) tem tido atitudes narcisistas e o menino (7 anos de idade) não demonstra afeto e não consegue se relacionar com outras crianças. Acredito que o ambiente familiar tem contribuído para tais comportamentos.

 

Quero ajudá-lo antes que seja tarde demais. Mas não consigo identificar o perfil, seria ele um sociopata, seria um transtorno de apego reativo vivido na infância, seria um transtorno de personalidade bipolar? Como posso ajudá-lo? Como posso orientar a esposa e influenciar de forma positiva a educação dos seus filhos?

 

Teria uma cura para tal personalidade? O que pode ser feito?

Cara leitora,

O seu amigo parece sofrer de um transtorno de personalidade. A principal complicação decorrente do transtorno de personalidade é o comprometimento grave da qualidade de vida do indivíduo, que passa a ter problemas em suas relações, na carreira profissional e em outros círculos sociais. Para ajudá-lo precisa motivá-lo a procurar ajuda especializada. Uma psicoterapia poderá ajudá-lo a desenvolver o lado emocional, bem como desenvolver estratégias de vida saudáveis.

 

A psicoterapia é essencial para dar maior estabilidade emocional, com sessões que visam aumentar a conscientização dos atos, comportamentos e ações para melhorar os relacionamentos interpessoais e a vida em geral.

 

Agora para tal é preciso que o seu amigo tenha consciência que tem problemas e que o seu comportamento não é saudável e poderá trazer-lhe agravamentos na sua vida.

Tudo de bom

 

 

Mundo imaginário

26.jpg

Desde 13anos vivo em um mundo imaginário. Lá me apaixonei, namorei, casei, tive uma filha, vivo situações que parecem reais, sinto amor, sensações que intercedem na minha vida pessoal. Já tenho 32 anos e não consigo parar. Acho que estou ficando louca e não conto para ninguém a não ser para os papéis em que escrevo. Lá tenho toda uma vida. Já tentei parar mas tenho um sentimento de perda imensa. É como se eu fosse perder meu grande amor.

 

Cara leitora,

 

A vida acontece no mundo real e não é normal viver na fantasia. O que pode fazer é usar essa sua criatividade e aptidão e escrever livros de romances, novelas, etc. e publicar.

Precisa liberta-se desse mundo irreal e viver a sua vida em pleno. Essa transição pode ser difícil e dolorosa, mas vai valer a pena, e certamente irá evoluir com a mudança e poderá sentir-se viva!