Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Excluir amigos

110.jpg

No começo desse ano, revi amigos que há muito tempo, devido à pandemia, não via, além de ter feito novas amizades onde estudo; desde então, formamos um nicho em que eu me sentia bastante confortável em conversar e ser eu mesma. Ria e abria-me com todos.

Porém, durante o passar desse ano, percebi que nós tínhamos objetivos muito diferentes devido às influências que alguns tinham e comecei a distanciar me aos poucos deles (ou eles é que se distanciaram de mim?).

Hoje em dia, sinto-me só devido ao distanciamento, mas, por outro, lado não desejo isso, já que são pessoas incríveis em que passei bons momentos, então eu vivo nessa dualidade.

O que posso fazer?

Cara leitora,

Com o passar do tempo pode acontecer que amigos com os quais tínhamos interesses em comum, já não sejam mais adequados para nos acompanhar. Provavelmente, esses amigos, que um tempo eram sentidos como pessoas incríveis, no tempo atual mudaram e já não sente haver muito em comum.

Com a pandemia houve um distanciamento social, com aumento do medo e das incertezas relacionadas a uma provável contaminação, fatores que causaram altos níveis de stress e de ansiedade na população. E ainda houve mudanças drásticas no estilo de vida individual e em sociedade. Todos fatores que podem distanciar os amigos.

É preciso aceitar a realidade. Talvez no futuro o vosso caminho ainda volte a se encontrar e ainda haja a possibilidade de um retorno à amizade.

 

 

Trauma emocional

109.jpgBoa tarde doutora,

tenho 23 anos e penso estar com um bloqueio emocional.

Aos 18 anos tive uma relação de 2 anos com a única pessoa que eu já amei. Engravidei passado esses dois anos e ele veio a falecer de um acidente grande de automóvel há quase 2 anos.

Já tentei conhecer pessoas novas só que de início sinto me muito apaixonada e de um dia para o outro perco todos os sentimentos e sinto desinteresse. Já me aconteceu 3 vezes. Não sei o que se passa de errado comigo, mas não quero magoar mais pessoas … será que não irei conseguir amar de novo?

Cara Leitora,

O seu relacionamento do passado, com um desfecho trágico, poderá ter-lhe provocado um trauma psiquico importante. Mesmo com o passar do tempo, as sensações experimentadas ficaram retidas na sua mente e, diante de qualquer sinal que relacione com esse fato traumático, revive a angústia e o sofrimento, como se estivesse a acontecer novamente.

O perder os sentimentos e o interesse parece estar relacionado com o seu medo inconsciente de vir a sofrer uma nova perda ou um luto.

A psicoterapia pode ser uma ótima ferramenta para superar o trauma. Procure ajuda de um psicólogo e lembre-se que é importante ter pensamento positivo e saber que é possível superar o sofrimento e, até mesmo, transformá-lo em algo edificante.

Ouvir vozes

108.jpg

Eu quero ajuda. Eu sei que preciso, mas não sei como fazer para que as pessoas que estão ao meu redor notem. Tenho medo de estar a ser ingrata por tudo o que eu tenho, pois há pessoas bem piores. Só quero sobreviver às vozes que me dizem para me matar. Eu quero viver, mas não sei como.

Cara Leitora,

O fenômeno de ouvir vozes nada mais é do que alucinações auditivas. Essas alucinações podem vir em formas de barulhos e ruídos assim como vozes, sendo essas vozes familiares ou não. Geralmente, alguma condição externa ou transtorno psíquico pode fazer com que esse fenômeno se manifeste. Esse tipo de alucinação frequentemente pode estar associado a um quadro de saúde mental, porém também há casos de pessoas que já ouviram vozes e não necessariamente possuem um transtorno.

Essa voz que ouve, mesmo se parece real, faz parte dos seus pensamentos.

Não deixe que essa voz prejudique a sua vida. Se o fato persistir e está a causar-lhe preocupação, converse com o seu médico ou procure um psiquiatra para ajudá-la.