Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Arranjar trabalho

 

Van Gogh

Boa noite, Dra.,
 
Tenho 29 anos e terminei a minha licenciatura há 5 anos. Entre uns curtos estágios e um estágio profissional de 9 meses, nunca consegui realmente trabalhar na área. Actualmente vou dando algumas horas de formação por mês, que me vai dando alguns trocos e que não passam disso mesmo... Antes de dar formação, consegui uma oportunidade de trabalho na área. Mas o que aconteceu foi que naquele início de "mês à experiência", os colegas que me avaliaram diziam que eu não tinha as características para continuar ali a trabalhar e que ao fim de um mês, a chefe de equipa me ia pôr a andar dali para fora.
 
Eu própria também senti que não estava a gostar daquele trabalho e estava-me a deixar pouco à-vontade, talvez também por estar a ser avaliada. Senti que a minha personalidade estava a colocar-me um obstáculo. O que me apontaram é que eu era pouco comunicativa, pouco expressiva e distraída... o que como consultora, eu não deveria ser.
Eu já tinha feito aquele tipo de trabalho no meu estágio profissional e acho que não fui uma má profissional e apesar de eu ser assim introvertida, acho que tinha na mesma competência como os outros meus colegas que faziam tudo para dar graxa ao cliente! Eu não sei fazer isso e não gosto de o fazer... e por isso mesmo, é que acho que eles não gostaram de mim. Acabei por me decidir vir embora ao fim de semana e meia e depois de uma conversa que a chefe teve comigo, em que me disse friamente e resumindo, que se eu era o que tinha mostrado até ali e tinha assim tão pouca experiência, então não tinha os requisitos necessários.
 
De certa forma arrependi-me de ter vindo embora e pessoas próximas de mim ficaram desiludidas comigo por me ter vindo embora, porque não é suposto desistir. Mas algo em mim na altura estava a berrar dentro da minha cabeça que o meu lugar não era ali, que eu não tinha se calhar, mesmo perfil para aquilo.
E pronto, neste momento estou a fazer uma coisa que não me dá dinheiro para ter a minha independência financeira dos meus pais e não tenho trabalho a tempo inteiro para me juntar com o meu namorado.
A verdade é que eu não consigo arranjar trabalho. Se para umas coisas tenho habilitações a mais, para outras parece tenho competências a menos.
Tenho andado com a minha auto-estima bastante baixa e um bocado depressiva.
Sinto que a minha licenciatura não me serve de nada, porque praticamente só há trabalho naquilo que já tentei.
Gostava de ser feliz e isso passa por fazer algo que goste, mas parece que não encontro. Já pensei em tirar outro curso, mas não sei se ainda tenho cabeça para isso e não sei se isso resolveria. Já pensei em abrir um negócio, mas ia-me estar a endividar nesta altura de crise. Estou completamente desorientada e sem saber o que fazer para arranjar uma vida.
 
Desde já agradeço a sua atenção e agradecia o anonimato caso publique no seu blog.
 
Os meus melhores cumprimentos
Cara Ana,

 

Precisa ter paciência e fé até conseguir arranjar um emprego que a satisfaça e que ao mesmo tempo lhe traga alguma segurança financeira.

Os tempos estão difíceis mas o importante é não desanimar e em vez de se lamentar, ir tentando sempre procurar um emprego melhor. Enquanto isso não acontece, aceite qualquer emprego para não ficar parada e para ir tendo experiência.

Cada um tem a sua missão na sociedade e o profissional promove uma melhora na vida das pessoas. É com o trabalho que sentirá a dimensão da sua importância para com o próximo.

 

Um abraço

Mariagrazia

4 comentários

Comentar post