Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Amor, sexo e admiração

 

Dra. Mariagrazia,
 
Tenho 25 anos e terminei recentemente uma relação que durou mais de 8 anos. Quando o fiz, tinha a certeza de era a melhor decisão, a única até. Agora não estou tão certa. Eu sei que ele me ama. Essa nunca foi uma dúvida e ele sempre demonstrou isso. Já nos conhecemos desde miúdos e éramos muito amigos antes de iniciarmos este namoro.
Desde o inicio, sempre fui muito apaixonada por ele e tinha uma grande admiração pelo homem que ele é. Iniciamos a nossa vida sexual juntos e sempre fomos muito abertos neste campo. Partilhamos os mesmos valores e projectos de vida e temos grande empatia e cumplicidade.
 
De há uns dois ou três anos para cá, começamos a discutir com muita regularidade. Normalmente eram coisas pequenas e era eu quem iniciava a discussão porque me exalto facilmente. Fazíamos as pazes rapidamente e discussão não tinha grandes consequências. Mas à medida que elas iam acontecendo, comecei a notar um padrão de coisas nele que eram
Incompatíveis com a minha maneira de ser e com a forma como eu o via.
 
Comecei aí também a perder o desejo sexual que sentia por ele.
No último ano, ambos estamos a passar por fases muito complicadas das nossas vidas a nível profissional e familiar. Eu cobrei dele soluções que ele não teve a vontade de empreender e acabei por não me focar nas soluções para a minha vida. Culpa dos dois, como sempre concorda. Chegado a este ponto em que tudo estava saturado, em que tudo era motivo de discussão, em que já fantasiava com outros homens na minha vida íntima, resolvi terminar a relação. Fizemo-lo com o compromisso de ficarmos amigos, tal como éramos antes. Na verdade, a conversa e o apoio nunca faltou no nosso relacionamento.
 
Quando tomei esta decisão e falei com ele, senti-me muito calma e até aliviada, pois achava que aquele relacionamento já me aprisionava, já não era isso que queria. Mas não faltou muito tempo para que sentisse uma imensa falta dele, imagino que da sua companhia e da nossa alegria quando estamos juntos...penso em todos os planos de vida que fizemos juntos. São planos que ainda quero concretizar, não sei é se com ele. Penso que é normal sentir esta saudade, estivemos muito tempo juntos e agora sinto-me um pouco só. Contudo, não consigo evitar o pensamento de que talvez um tempo seja tudo o que precisamos, que quando reorganizarmos as nossas vidas, poderemos voltar à relação inicial (sendo aqui a minha falta de desejo por ele o que mais me motiva a não acreditar nisto). Dê-me um conselho, por favor.
 

 


Cara C.,

 

Se tiveram tempo tão bons juntos é normal que sintam saudades um do outro. Com a distância á facilidade de esquecer os conflitos e só lembrar das coisas boas.

 

Penso que realmente precisam de dar um tempo, mas talvez mais tempo e talvez terem outras experiencias pelo meio para sentir se realmente querem estar um com o outro ou se a relação embora b se esgotou.

 

Certamente vai saber resolver e decidir o que fazer e lembre-se que as respostas estão em si.

 

Tudo de bom

Mariagrazia



 

1 comentário

Comentar post