Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Manter casamento

Johannes Vermeer

Olá boa tarde ;
 
Chamo-me A. tenho 44 anos, sou casada á 24 anos tenho duas filhas que adoro, uma com 22 anos, outra com 17 anos, sempre foram a desculpa para manter o meu casamento. Hoje olhando para trás percorrendo a vida de casada tenho a plena consciência de que não passei de uma cobarde e uma manipuladora que usou duas crianças para sofrer e ao mesmo tempo fê-las sofrer. Todos estes anos foram feitos de grandes discussões, com agressões psicológicas graves e violentas e algumas vezes acabavam em agressões físicas mas tenho que dizer sempre de parte a parte.
Sim  sou uma mulher frustrada, triste, deprimida e sem coragem para dar um passo em meu benefício, sinto-me a sufocar cada dia que passa, sinto-me uma velhinha no final da vida á espera da morte
Fico aterrorizada quando penso que não protegi as minhas filhas mas sim talvez tenha contribuído para possíveis doenças psicológicas, pois ultimamente dou com a mais nova a chorar sozinha.
 
Não tenho a quem pedir ajuda, estou no limite… tudo no meu lar está em desordem.
Por favor, só quero algumas palavras para saber como começar a arrumar a minha vida.
Obrigada e espero a sua resposta com ansiedade.
 
Cara A.,
 
O importante é ter consciência de que talvez a sua escolha do passado não tenha sido a mais correcta e que está sempre em tempo de mudar algumas coisas.
 
Procure reagir de forma positiva e aprender com os erros do passado.
 
Comece por arrumar coisas possíveis: reveja o relacionamento com as suas filhas, o relacionamento com o seu parceiro, pense em si própria, procure rever a relação e perceber se não há mesmo solução ou se ainda é possível algum entendimento. Use o diálogo para expor suas dificuldades e necessidades com o seu marido e discutam os pontos importantes como respeito, compreensão, companheirismo e partilha.
 
Quando sentimos muitas dificuldades temos que pensar que não podemos resolver tudo ao mesmo tempo, mas resolver as coisas uma por uma, conforme as nossas prioridades.
 
 
Caso não consiga sozinha, procure ajuda profissional.
 
Um abraço
Mariagrazia

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.