Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Divórcio

 

Salvador Dalí

 

Boa tarde Drª Maria
 
Chamo-me JF, em Janeiro de 2009 a minha mulher pediu-me o divórcio, depois de um período de não aceitação, porque naturalmente gosto ainda muito dela, aceitei em Maio e em Agosto de 2009 sai de casa, deixei tudo, tenho dois filhos menores que ficaram com a Mãe, estou a contribuir com 50% do meu ordenado e vivo numa casa alugada com poucas condições, estou a ver os meus filhos duas vezes por semana e um fim de semana de 15 em quinze dias.
 
Porém agora diz-me que está bem e que o divórcio vai ter que ser via judicial.
 
A minha pergunta é , se sai de casa, se cedi, se estou a contribuir com uma valor mensal qual as razões que poderá ter para ir por via litigiosa.
 
Cumprimentos
 
JF

 

Caro JF,
 
O ser humano muitas vezes é imprevisível e as pessoas mudam muito especialmente quando há separações.
 
Muitas pessoas preferem o caminho judicial ao diálogo amigável, provavelmente devido a grandes inseguranças e falta de base educacional.
Pode ser que ela queira discutir a pensão alimentar dos menores, ou o poder paternal ou a partilha de bens.
 
O divórcio é sempre um grande sofrimento para a família e poucas pessoas conseguem geri-lo com sabedoria e bom senso.
 
Procure ser forte e não se deixar intimidar. Tente poupar seus filhos de maiores sofrimentos, verá que vai conseguir resolver com paciência e calma.
 
Tudo de bom
 
Mariagrazia



 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.