Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Mãe solteira

Fui mãe solteira à 10 meses...

Desde que soube que estava grávida quis sempre ir em frente com a gravidez, mesmo sabendo que muitas pessoas me iriam julgar mal, mesmo sabendo que a minha família não apoiaria.

Namorava à quase 4 anos com o pai da minha filha, mas após ter sido traída não quis mais saber dele e segui a minha vida sozinha,  pois não seria aquele o homem que a partir daquele momento quereria a meu lado para constituir família.

A minha filha nasceu e eu entrei em depressão pós parto... Os comentários das pessoas, os maus tratos por parte da minha família, e a perda das pessoas que julgava serem minhas amigas. Era apenas eu e a minha filhota no mundo...

Quando tinha cerca de 2 meses a minha filhota ia morrendo, nesse dia chamei os bombeiros... UM dos bombeiros era meu amigo, o outro so o tinha visto 2 vezes (num ABC da minha avó, e num acidente doméstico com a minha mãe). Esse tal bombeiro após alguns reencontros trocou nº de telemóvel comigo. Começámos a namorar e hoje vivemos juntos. Aconteceu tudo muito rápido mas somos os três muito felizes!

No entanto...

Por me ter juntado sem ser com o pai da minha filha, a minha mãe tentou-me tirar a minha filha, mas após irmos a uma reunião à comissão de protecção de crianças e jovens em risco resolvemos tudo a bem e ela gosta imenso do meu namorado, a minha restante família cortou de vez relações comigo e tenho uma vizinha da minha mãe irritante que me trata mal sempre que levo a minha princesa a casa da minha mãe. Isto tudo meteu-me novamente em baixo, e a desconfiança que tinha em relação a qualquer pessoa criada pela relação negativa com o pai da minha filha tem-me feito desconfiar imenso do meu namorado e isso tem causado problemas, mas no fundo sei que me adora e que nunca me traiu, assim como trata a minha filha como se fosse filha dele.

Que posso fazer para superar isto? Eu amo este rapaz!


Minha Cara,

Procure não se deixar influenciar pelas pessoas que estão à sua volta. Sinta-se segura e procure a sua felicidade com o seu novo companheiro e junto da sua filha. Siga o seu coração e não julgue seu namorado por comparações com outros homens. Cada um é um e se o ama, invista nessa relação com autenticidade, criatividade e naturalidade.

 

Felicidades

Mariagrazia



2 comentários

Comentar post