Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Filha dependente

 

Diego Velásquez

 

 

Bom dia,

 

Não sei muito bem como começar a descrever a situação... tenho uma filha de 8 anos completamente dependente de mim.

 

Desde o momento em que chego a casa (entre banho / jantar / dormir ) ela tem que saber sempre em que ponto da casa eu estou. Já conversei com ela sobre toda esta situação, ela diz-me que sim que percebe tudo mas que me quer ao pé dela, já lhe disse para ela não ter medo porque eu não me vou embora mas sem resultado. Ela quer que eu me deite com ela, que durma com ela (se saio da cama dela depois de adormecer, acorda durante a noite e vai para a minha cama).

 

O ritual antes de ir dormir é sempre o mesmo (tenho por habito desde sempre em ler-lhe um bocadinho e quando ela começou a ler tento estimular-lhe o gosto pelos livros), depois da leitura ficava deitada e adormecia, mas agora faz birra e não quer ficar sozinha na cama e diz que não tem sono.

 

Eu sinto-me a desgastar e a precisar de um tempo para estar comigo, a somar a isto está o meu marido que deixámos de ter tempo para conversar e um outro filho de 4 anos que felizmente ou infelizmente chega a casa a dormir e que só acorda no dia seguinte para ir para casa dos avós (tendo só a atenção dos pais um bocadinho ao final da tarde).

 

Na altura do nascimento do irmão, a pediatra comentou-me que poderia haver uma regressão por parte dela, mas isso nunca aconteceu, estará a acontecer agora, 4 anos depois?

 

Não sei como agir....

 

Obrigada

 

Cara S.,

 

A sua filha está a passar por uma fase onde sente alguma ansiedade por algum medo ou angustia, que pode estar relacionada com uma infinidade de coisas: algum sentimento de abandono ou alguma coisa que tenha visto na TV, algum jogo mais violento, algum medo relacionado com a morte, etc.

 

Procure estar com ela mas não em excesso. Converse com ela, pergunte o que ela sente, explique sempre as coisas com clareza e coloque alguns limites com firmeza. Crianças precisam e agradecem os limites, caso contrário poderão se tornar adolescentes e adultos problemáticos.

 

Criar um filho não é fácil e educá-lo requerer dos pais conselhos, diálogo e exemplos de vida para ensiná-los sobre sexualidade, respeito, amizade, e isso requer algum tempo disponível mas nunca tempo integral. A criança tem que aprender que os pais também precisam de algum tempo só para eles.

Pode sempre negociar com ela algumas coisas e aceitar os seus pedidos sempre impondo limites razoáveis e apoiados na argumentação.

 

Com calma e paciência vai ver que essa fase vai passar e não se esqueça de dar atenção também para o filho de 4 anos.

 

Tudo de bom

Mariagrazia

1 comentário

Comentar post