Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Violência Doméstica

Tenho 22 anos e estou há 5 anos numa relação com um rapaz de 26. É uma relação difícil, na qual nunca houve confiança da minha parte, visto ele ter cometido alguns erros que me foram deitando abaixo, mas que sempre fui perdoando, mas nunca esquecendo...Sinto que desde há uns 3 anos para cá deixei de ser a pessoa que era. Sou fria, descontrolada, desconfiada e sobretudo bastante má.

 

Quando muitas das vezes discutimos, muitas vezes por nada de especial, eu levo a situação mais além e acabo por agredi-lo das formas piores que existem (com garfos, mordidelas, lápis,...), não só fisicamente, mas também psicologicamente. Durante o confronto físico ele agarra-me os braços para que eu não leve a situação avante, mas nunca me agrediu. Após a discussão, de cabeça fria, arrependo-me de tudo, e arrependo-me sobretudo porque estou a arruinar um ser humano, e não tenho esse direito, estou a aproveitar-me da sua fragilidade para mostrar superioridade e ele está cada vez mais arruinado, e eu não sei o que fazer. Ele bebe álcool para esquecer, mente-me para eu não lhe bater e eu acabo por me sentir culpada de tudo o que está a acontecer, pela pessoa que ele está a ser...

 

Mas foram os erros que ele cometeu no passado que me puseram assim, a "disparar" ao primeiro erro dele. Preciso imenso de ajuda, pois já perdi o controlo da situação, estou aflita, sobretudo por ele, não por mim.

 

 

Culpa e dramatizações

 

 

Olá, Dra. Mariagrazia:
 
Espero encontrá-la bem.
 
Doutora gostaria de saber se possível porque dramatizamos situações simples?
 
Gostaria de saber porque nos culpamos tanto, nos censuramos tanto?
 
Muito obrigada pela atenção!
 
Atenciosamente,
A.