Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Comportamento inibido

150.jpg

Vivi durante uns 30 anos num apartamento, onde tive família constituída.

Tive sempre problemas de falta de confiança própria que me bloquearam nos relacionamentos sociais, com as inerentes consequências de sofrimento, frustrações e sentimentos de culpa.

Nesse apartamento as pessoas passavam por mim e habituaram-se aos comportamentos desajustados de inibição em que não as cumprimentava por receio. Entretanto aposentei-me, divorciei-me e casei. Mudei para um outro apartamento, com novas pessoas, mas mais dadas, "obrigando-me" a abrir, porque eram mais expansivas, mas dei comigo a fechar-me ainda mais.

Na minha infância tive uma experiência desagradável na escola que me inibiu socialmente e mais tarde aos 14 anos tive de usar um processo de defesa perante um grupo de pessoas que me defrontavam e à minha mãe que eu queria proteger. Servi-me de uma "arma" de hipnotismo que consistia em rituais no modo de olhar as pessoas, pretensamente para as dominar. Esta experiência acabou com a pouca autoconfiança que tinha. Desaprendi de olhar naturalmente para as pessoas o que prevalece até hoje.

Como superar este problema que me gera muito desconforto e ansiedade?

Caro leitor,

Para superar o seu problema psicológico tem que star motivado para a mudança. É essencial buscar a raiz do problema para encontrar formas de atenuar as inseguranças.

O uso de estratégias como o hipnotismo, embora possa ter-lhe servido como um mecanismo de defesa durante algum tempo, não resultou por tratar-se de uma prática inadequada para o seu caso.

A falta de confiança é um problema que ainda atinge parcela considerável da população. Perfecionismo excessivo, medo de dizer o que pensa e mania de se comparar são algumas das características das pessoas que vivem com essa insegurança.

Os traumas de infância, certamente, também influíram na sua inibição, mas tendo em conta a sua maturidade atual, foque na possibilidade de mudança e na aceitação de algumas imperfeições.

Uma dica que pode ajudar é ler o livro: A coragem de ser imperfeito, de Brené Brown .

A autora Brené Brown apresenta as suas descobertas e estratégias bem-sucedidas para tratar vulnerabilidade, medo, vergonha e imperfeição. Para a escritora, viver é experimentar incertezas, riscos e se expor emocionalmente. E isso não precisa ser algo ruim. Para Brown, a vulnerabilidade não é uma medida de fraqueza, mas a melhor definição de coragem. Com esse pensamento, A coragem de ser imperfeito nos desafia a mudar a maneira como vivemos e relacionámo-nos.

Caso não sinta melhoras, busque ajuda profissional, a terapia pode ser uma ótima ferramenta para entender de onde vem as suas inseguranças.