Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Filha adolescente

20.jpg

Ola boa noite.

Eu tenho uma filha adolescente com 13 anos e hoje tenho 57 anos, gerei ela em meu ventre aos 42 anos e ela nasceu aos meus 43 anos, pois da data da concepção ao parto eu completei 43 anos.

Fui muito feliz por tê-la, mas hoje eu sinto tantas dificuldades no relacionamento com ela que às vezes eu sinto que devo deixá-la e ir embora, talvez eu esteja com minhas manias de pessoa já madura irritando ela muito, é uma moça boa, estudiosa, decente, mas às vezes olho pra ela e sinto muito dó por ela ter uma mãe velha e às vezes severa demais. Não consegui ainda encontrar um equilíbrio no trato com minha filha, às vezes sinto que sou demais e às vezes de menos..entende?

Tenho medo de estar transformando minha filha numa pessoa fraca, porque eu na minha idade já sou uma pessoa cheia de medos e suposições sobre as coisas da vida. Eu preciso de uma orientação de como fazer para lidar com isso. Porque eu não sei.

 

Cara mãe,

 

O que entendo pela sua carta é que está com dificuldades, como qualquer mãe, em lidar com a filha adolescente, enquanto a jovem está tentando desenvolver sua independência e a sua individualidade própria.

 

Muitas vezes a mãe têm expectativas idealistas demais sobre o relacionamento com a filha. Por isso, há que ser mais realista. Muitas mães querem que as filhas não repitam seus erros, mas com isso podem tentar forçar uma versão melhorada de si mesmas. É preciso ter respeito e aprender a respeitar a individualidade da sua filha.

Entendo que esteja a sentir alguns medos e que não quer passá-los para a filha. O que pode fazer é conversar com outras mães com filhas adolescentes e trocar ideias. Outra hipótese é ler alguns livros para se inteirar dos problemas da adolescência e possíveis intervenções. Em último caso pode fazer uma terapia para trabalhar a sua auto-estima e assim sentir-se mais segura no seu papel de mãe.

De qualquer maneira não se preocupe com a diferença de idade, ser mãe de uma filha adolescente sempre é um desafio e a diferença de idade não significa menos aptidão para educar.

 

Um abraço

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.