Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Luto da filha

Boa tarde Dra.

 

Peço a sua ajuda pois já não sei como superar a morte da minha filha, a culpa, a frustração e a raiva não deixam a minha mente tranquila já passam 8 meses que a minha pequena se foi, mas vivo a cada dia com a esperança que ela volte, ha momentos que parece que estou falando com ela. Já fiz de tudo pra tentar superar mais não consigo. O que faço?

 

 

Caro leitor,

 

A morte de alguém querido é como uma ferida. No início sangra, arde, dói de maneira quase insuportável. Com o tempo, vai fechando mas o processo para curar essa ferida pode ser longo e doloroso, especialmente quando se trata de uma filha.

 

É preciso entender melhor a morte, aprender a fazer a conexão com o amor da filha e reaprender a viver.

 

A qualquer momento pode-se procurar ajuda especializada. A terapia se traz muitos benefícios. O tratamento consiste no reaprendizado, descobrindo e reconhecendo a maneira particular de  viver o luto e encontrar suas próprias ferramentas para aliviar a sua dor.

 

De qualquer maneira saiba que há fases do luto que são:

 

1. Entorpecimento
é a primeira reação, com choque e descrença, durando de horas a dias, havendo crises de raiva e choro. É comum a presença de distúrbios somáticos e a negação da perda podem estar presentes como forma de defesa.

 

2. Busca e saudade
Viver a dor tentando entender o que está passando.

3. Desorganização e desespero
É a fase mais difícil Há o reconhecimento da imutabilidade da perda, havendo grande risco de apatia e depressão com afastamento do meio social e das atividades normais do dia a dia.

 

4. Reorganização e aceitação

É o momento de readaptação com sentimentos positivos e menos devastadores, permitindo uma aceitação e o retorno da independência e iniciativa.

 

Vai ver que com o tempo vai conseguir, passar para a última fase e voltar a viver com a sua energia normal.

 

Um abraço e tudo de bom