Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Mãe e filha

renoir28.jpg 

 

Preciso de ajuda!!

No dia 29/05/93, dei a luz uma menina chamada M., num momento terrível da minha vida. Estava vendo o meu casamento, a minha estrutura, se desmoronar. O meu ex-marido estava com um relacionamento paralelo que se iniciou logo após a notícia da gravidez. Fato que me fez sentir um grande arrependimento de ter engravidado nessa época. Cheguei a rejeitá-la, a esmurrar minha barriga, a chorar copiosamente quamdo a vi no berço pela primeira vez.

 

O tempo passou e esse sentimento de mim para ela foi mudando, ou seja, passei a aceitar a maternidade e a criá-la com amor e proteção. Porém percebia que ao  crescer, mais ou menos a partir dos seus 12 anos, ela aparentava gostar mais do pai, da avó, da madrinha do que de mim. Sentia uma mistura de coisas e sentimentos que me deixavam e me deixam até hoje muito triste: culpa, dor, sensação de que gerei uma inimiga, frustração, etc. O fato é que, sinto como se ela hoje, aos 21 anos, não goste de mim. E quando sinto ou passo por alguma decepção com ela, falo coisas terríveis, como por exemplo: você foi a pior coisa que me aconteceu, me arrependo de não ter feito outras coisas em minha vida por sua causa, chamo-a de ingrata, coloco-a para fora de casa, sinto raiva e muita dor dentro de mim nesses momentos. Depois que passa, sinto-me muito mal...

 

O pai dela não dá a mínima para ela, só faz as coisas em troca de algo, enfim, ao contrário de mim que cumpro com meus deveres e estou sempre presente. Na realidade me sinto injustiçada, pois tenho o carinho e o afeto de todos que me rodeiam em todos os lugares que passo, menos o dela. Hoje estou casada com outra pessoa, ela continua morando comigo, porém, a minha sensação é que não possuo família e me sinto bastante injustiçada e com um vazio e dor muito grande.

O que faço??? Me ajude com algumas palavras, por favor.

Sou um ser sedento por ajuda.

MF

 

Cara MF,

Essa sua situação têm uma origem, não surgiu do nada. A gravidez e o nascimento da sua filha aconteceram juntamente com uma grande frustração pelos seus problemas vividos no casamento, com infidelidade e fim da relação.

 

Quando a mãe se sente insatisfeita com a criança, algumas marcas ficam registradas na psique da pequena, podendo até resultar em dificuldade de aceitação e distorções profundas de autoimagem. Situações de mal-estar entre mãe e filha podem acontecer. Mas, é preciso ter cuidado. Quando uma não compreende a maneira de ser da outra pode se instalar um processo de estranhamento mútuo.

 

Entendo que se sinta frustrada por sentir que ela também ama o pai, a avó e a madrinha, sendo que cuidou dela sozinha, mas ela não merece esses seus ataques de raiva, que são muito prejudiciais e destrutivos para a vossa relação. A filha mulher costuma ter uma relação mais estreita com o pai e os filhos geralmente gostam da mãe e do pai, mesmo quando ele está pouco presente e o pai é e sempre será o pai.

 

Penso que ainda está muito presente esse seu trauma do passado e seria importante se pudesse ultrapassar e seguir em frente na sua posição de mãe e mulher e investir no presente em  relaçõesboas e saudáveis, especialmente com a sua filha e preferencialmente pautadas por respeito mútuo, compreensão e amizade, aceitando-se como são, mãe e filha, perfeitamente imperfeitas. É imprescindível parar de culpar a sua filha pelo seu passado, ela não tem nenhuma culpa. Entenda que a frustração é sua!

 

É claro, que como esse processo está longe de ser fácil e por isso é sempre possível contar com a ajuda de uma terapia. A análise pode ajudar na elaboração desse seu passado e isso é extremamente libertador, para que possa deixar surgir todo o seu amor de mãe e mulher.

Um abraço

Mariagrazia