Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Mãe sufocante

tarsila31.jpg

 

 

 

Chamo-me V. e tenho 19 anos.

Gostaria de um conselho seu ... minha mãe tem 41 anos e gosta de se meter na minha vida

Eu sei que é minha mãe, e tem esse direito, mas já não consigo ter paciência.

Eu estudo e trabalho, tenho um namorado e gostava de para o ano já com 20 anos viajar com ele 2 semanas mas a minha mãe não deixa, vive esfregando na minha cara que enquanto morar com ela tenho de passar férias com ela e que é cedo para viajar com ele, já quando saio com ele tenho de estar em casa antes da meia noite e quer sempre que lhe conte tudo. Já para não falar que nunca sai com amigas a noite porque ela não deixa.

Ela sufoca e está a fazer com que cada vez tenha mais vontade de sair de casa, só não o fiz por causa do meu pai.

Mas doutora o que acha que devo fazer? Acha que ainda sou muito nova para me divertir?

Obrigada 

Beijos

 

Cara V.,

Certamente divertimento não tem idade, mas a sua mãe é cautelosa e atenta e teme que um relacionamento possa causar complicações como gravidez ou doenças sexualmente transmissíveis e procura assim evitar riscos. Esse tipo de decisão depende dos limites da cultura da família e da maturidade dos filhos.

Se sentir que tem maturidade suficiente para assumir riscos e consequências fale com ela, se não, melhor aguardar um pouco mais até poder viver tudo isso com mais maturidade e tranquilidade.

A sua mãe é uma mãe presente e preocupa-se com o seu bem-estar, o que não impede que fale com ela, expresse a sua opinião e procurem juntas um entendimento saudável.

Para superar um possível esgotamento emocional inerente a situações de superproteção é muito importante que haver diálogo entre mãe e filha.

Um abraço

Mariagrazia