Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Mãe tóxica

49.jpgBoa tarde Dr.a,

Uma mãe que passa o tempo a fazer-se de vítima perante outras pessoas  e a falar mal da filha.

Mas que em casa, fala para a filha com ódio e rancor, tem amor há filha?

 

És odiosa, metes nojo.

Até dá nojo olhar para tua cara, sempre trombuda.

Detesto a tua forma de ser.

Vou ter que te aturar toda a vida?

Vais viver sempre encostada a mim.

A tua irmã é melhor que tu.

És uma falsa, uma fingida.

Aluga um quarto e vai-te embora.

Um dia dou-te uma surra e ponho-te na rua!

 

Sempre a criticar-me e a rebaixar-me!

É uma mãe tóxica ou narcisista?

Como conseguir viver com uma pessoa assim?

O que fazer?

O único sentimento que tenho pela minha mãe é desprezo e cada vez detesto-a mais!

Ainda não sai de casa, porque não tenho condições económicas para isso.

O que fazer Dr.a?

Cara leitora,

Ela fala essas frases à toa ou tem alguma queixa específica tua? Ela diz essas coisas por estar muito nervosa, stressada ou com algum problema específico?

Tente entender porque e relacionado com que a sua mãe lhe diz essas coisas. Provavelmente tem uma filha idealizada na mente e a Susana não corresponde com essa imagem, mas nada disso justifica esse tipo de tratamento.  Parece que a sua mãe tem um problema sério que pode ser mental ou por falta de cultura ou de educação ou por ela própria ter tido uma mãe abusiva. Não penso que seja falta de amor, mas não é uma situação suportável. Não sei se a sua mãe é narcisista, mas é tóxica e é difícil. Uma mãe mesmo difícil coloca-a diante um grave dilema: ou desenvolve mecanismos complexos e autocastradores para manter a relação com a sua mãe, com grandes custos para si em termos de autoestima, relação e valores, ou arrisca-se a sofrer humilhações, desaprovação e rejeição.

A inveja também pode estar presente. Claro que muitas mães têm estes ‘acessos’. Mas é o carácter constante deste comportamento que define uma mãe difícil.

Pode sugerir à sua mãe que procure uma ajuda terapêutica para que possam tentar melhorar o relacionamento.

Algumas dicas para si:

1 Relação ‘light’

Muitas filhas tentam a terapia, mas muitas mães difíceis são narcisistas: não são capazes de comunicar intimamente com os outros e também não conseguem conectar-se com a sua vida interior, e portanto muitas vezes não colaboram com a terapia. Remédio: admitir que nunca serão próximas e ter uma relação mais leve, mais distante, sem tentar uma intimidade que ela nunca dará.

 

2 Separação temporária

Tire uma ‘folga’ da sua mãe para recompor-se. Diga-lhe que está a tratar de assuntos urgentes e que lhe telefona se houver uma emergência.

 

3 Separação total

Se tentou tudo e mesmo assim aquela relação compromete inequivocamente o seu bem-estar, esta pode ser a única opção. Mas é raro haver quem a tome, até porque é uma opção socialmente muito malvista e condenada.

 

Outra opção é não levar a mãe tão a sério, não lhe dar ouvidos e levar a sua vida sem muita intimidade, não dando oportunidade para que ela fale consigo, isso até o momento que tiver a opção de separar-se dela.

Fique bem