Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Relacionamento aberto

149.jpg

Olá! Eu preciso de uma opinião profissional para esse meu caso, pois busquei neste blog acerca de algum caso mais parecido que o meu, mas não encontrei.

Sou casada há 15 anos com meu marido. Ele é um marido maravilhoso, e um amante melhor ainda. Mas ele sempre me disse que possui um desejo incontrolável em ter "relações sexuais com qualquer mulher", tanto que no decorrer desses anos ele teve casos com diferentes mulheres (fato revelado nesta última semana). Devo informar que quando eu desconfio, ele não nega e sempre acaba me revelando (motivo este pelo qual eu sempre perdoei todas as escapadas). Dessa forma eu sempre contei com a sua lealdade, e não a fidelidade.

Quanto ao meu sentimento, o complicado é que ao saber que outra mulher teve prazer no corpo dele, eu fico excitada. Inclusive em alguns momentos eu até gostaria que outra mulher partilhasse do nosso ato sexual. Mas até nisso eu sinto ciúmes dele, medo dele achar o corpo de outra mulher mais desejável que o meu, ou de ser trocada.

Acontece que desta última vez eu desconfiei enquanto o relacionamento acontecia. Descobri quem era a mulher, inclusive tivemos uma conversa eu, ele e ela em um local público, onde chegamos a conclusão de: Ele disse que nunca tinha prometido nada de relacionamento sério a ela; Ela confirmou, disse que não tinha intenção de acabar nosso casamento e pasme! Até disse que eu mereço coisa melhor que meu marido! Rsrsrsrsrsrsrs E eu já tendo em vista o histórico dos casos anteriores dele (marido) acabei cedendo e permitindo que ele este caso siga o seu curso até o fim de formatura natural. Inclusive eu disse: "-eu sei que corro o risco desse caso de vocês se transformar em algo sério como foi o meu relacionamento com o marido, mas vou fazer como Wesley Safadão, eu vou pagar pra ver", mas que se eu notar alguma diminuição no meu amor com o meu marido, sinal que a nossa relação chegou ao seu destino.

Passado dessa autorização ele teve dois encontros com ela e sinceramente, eu morro de ciúmes, eu choro, fico ansiosa. Meu marido apesar de sempre dizer que nunca escolheu por outras mulheres, sempre rola a minha insegurança. Como casal, sempre fomos muito ligados e parceiros.

Após esse relato, eu sinceramente não sei o que fazer, pois sofro em saber que a atenção e o tempo dele está dividida com outra pessoa. Ontem sofri uma crise de ansiedade devido a isso. Eu o amo, e estou tentando lutar por nós, mas penso se ainda devo continuar esse casamento ou se cada um deve seguir o seu caminho.

Por gentileza não respondam com preconceitos, pois as vidas são carregadas de complexidades e principalmente as relações entre pessoas. 

Cara Leitora,

Relacionamento aberto é a relação romântica em que os parceiros envolvidos concordam com uma forma de não-monogamia, de modo que relações românticas ou sexuais com terceiros possam não ser consideradas traição ou infidelidade. Isso significa que eles concordam que uma relação íntima, sexual ou romântica com terceiros é aceita, permitida ou tolerada. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Relacionamento_aberto)

Um relacionamento aberto pode dar certo desde que haja concordância de todos os envolvidos e a intimidade seja bem delineada.

O problema é que no vosso caso é uma relação “quase” aberta e há ciúmes e desconfiança.

Se ama o seu marido e quer lutar para que a relação se mantenha, pensar em separação, não é solução. Em qualquer relacionamento, a comunicação e o diálogo são essenciais. É preciso haver uma comunicação aberta e honesta. No vosso caso, é essencial definir limites claros e realistas, haver um consentimento contínuo, uma revisão regular dos acordos e fazerem testes periódicos de doenças sexualmente transmissíveis.

O diálogo não pode faltar, para que ambos se sintam confortáveis e possam estabelecer limites claros e consensuais.

Embora possa ser uma experiência enriquecedora, nem todas as pessoas estão preparadas para essa forma de relacionamento e é importante respeitar as vossas escolhas e preferências.

Conversem sobre todos os vossos sentimentos e emoções, com sinceridade e autenticidade.