Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Guerra no casamento

niki17.jpg

 

Bom dia Dra.

 

Cheguei ao seu contato através da internet, me chamo J.S. tenho 43 anos sou casado ha 6 anos minha esposa tem 28 anos, temos 3 filhas.

Cerca de 3 meses vivo uma guerra pois ela conheceu outro homem de mesma idade que ela, antes da traição vir à tona ela disse que não poderia mais estar casada pois devido à problemas do casamento e que havíamos tentado tudo mas não dava mais.

 

Eu relutei argumentando que poderíamos tentar concertar já que passamos por outras crises, logo após esta conversa acabei descobrindo o real motivo, traição mesmo assim não me alterei e mostrei que a amava e poderíamos superar. 

Mas a situação ficou cada vez pior no início ela se mostrava indecisa dividida, agora faz um mês que saiu de casa levando as crianças para casa de familiares. 

 

Já conversamos bastante ela até me disse que me ama mas acha que não dará mais certo, há dois dias confessou que pensou em uma possível volta mas agora voltou a ficar irredutível, pouco conversa, trata-me com certa pena, aconselha-me a conformar-me, assumiu de vez o relacionamento, diz-se estar apaixonada e o rapaz também por ela.

Tentei de tudo pois a amo e quero minha família de volta mas a cada dia vejo esta possibilidade distante.

O que fazer Dra.?

 

Caro J.S.,

 

Não há muito que possa fazer, a não ser falar com ela, talvez conversar com os pais dela para que eles possam ajudar. Talvez ela precise de um tempo para pensar e refletir no que ela realmente sente e quer para a sua vida.

 

Se o que sente por ela é amor e se do lado dela também houver amor, valerá a pena tentar restaurar a relação e rever os problemas no casamento.

 

Não é fácil gerir as inseguranças que resultam deste afastamento e da traição, mas também pode ser uma oportunidade para repensarem a relação. Como têm três filhas o afastamento físico não será longo. Conversem sobre as necessidades de cada um e sobre as mudanças necessárias para voltarem a se entender em harmonia.

 

Pode ser que com o afastamento ela perceba que tudo não passou de uma ilusão, mas que tenha sido apenas uma aventura com necessidade de afirmação.

 

Continue compreensivo com ela e caso nada funcionar não se desespere, mas aprenda a se valorizar e procure tomar um novo rumo na sua vida.

Uma terapia de casal é sempre benéfica nesses casos, para que possam elaborar o sucedido e para que não sobrem rancores ou ideias infundadas.

 

Afastamento sexual

Amedeo Modigliani

Boa tarde,
 
Em primeiro lugar, gostaria de congratular a iniciativa e disponibilidade demonstrada, em ajudar on-line, pessoas que se encontram perante situações e encruzilhadas da sua vida. Infelizmente, eu também me encontro nessa lista.
 
O meu nome é M, tenho 30 anos e sou casada há 5. O início do meu relacionamento foi tirado do mais belo romance alguma vez escrito. Durante bastante tempo a cumplicidade entre mim e o meu marido era do melhor que podia haver. O mesmo não poderei dizer agora. O primeiro sinal de afastamento sentiu-se a nível sexual, a frequência começou cada vez a diminuir mais e neste momento posso afirmar que simplesmente não existe.
 
Como a base do nosso relacionamento sempre foi o diálogo e sinceridade, nós falamos inúmeras vezes sobre o assunto. A primeira razão apontada era o facto de eu não tomar iniciativa (muito sinceramente não concordei mas, a questão na altura não era ver quem tinha razão mas, resolver um problema que nos afectava aos dois). Depois de essa questão ser ultrapassada, a segunda razão era o trabalho e neste momento é a falta de apetite sexual por parte do meu marido. Ao colocar-se esta questão e de muito o ter "chateado" ele foi ao médico mas, a verdade é que tudo continua na mesma.
Já não sei o que fazer mais! A questão é que tudo isto me tem afectado bastante. Sinto a minha auto-estima como mulher a cair de dia para dia e começo a colocar sérias dúvidas sobre a sinceridade do meu casamento. Para agravar ainda mais as coisas não temos conseguido comunicar como dantes, provavelmente porque para mim as questões levantadas anteriormente já não fazem sentido.
 
Toda esta situação fez com que saltasse um fantasma do meu armário. Há coisa de 3 anos atrás, já a minha relação sexual com o meu marido tinha adormecido um pouco, ocorreu uma situação bastante dolorosa para mim. Tive conhecimento que uma amiga (tb ela casada) de longa data e comum aos dois, tinha tentado ter algum envolvimento com ele. A verdade é que ele afirma que não aconteceu nada físico mas, admitiu que o teor da conversa não foi nada normal! Desde ela fazer perguntas muito especificas sobre a nossa vida sexual e que ele não teve pudor nenhum em responder, violando assim, para mim, a minha privacidade, desde inclusivamente ela ter proposto uma troca de casais. Na altura isto afectou-me bastante mas, pensei que já tinha ultrapassado. A verdade é que agora penso se o meu marido foi realmente sincero comigo e se neste momento não terá uma relação extraconjugal?
 
Com os mais sinceros cumprimentos
 
M