Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Crise existencial

magritte33.jpg

 

Eu não sei basicamente quando tudo começou mas foi do ano passado pra agora. Eu tenho passado por algumas crises emocionais, nunca sei o que estou sentindo ao certo e isso me angustia. Eu me sinto mal, ou não me sinto, ou não sei se sinto, não consigo sentir emoções profundas, não sei nem explicar como isso está acontecendo, apenas é mau e dói, todos os dias dói, eu quero chorar mas não consigo, eu quero sumir, quero isolar-me apenas, eu não aguento mais essa rotina e certas coisas que andam acontecendo.

 

Sabe, há um tempo atrás eu conheci alguém que me tirou dessa monotonia, parecia que finalmente as coisas voltariam a ser como antes, eu estava feliz, pela primeira vez em meses eu realmente me senti feliz com alguma coisa, mas algo deu errado no meio do caminho, e a pessoa me abandonou, e parece que agora voltou tudo pior, tudo, eu sinto vontade de chorar por isso mas não consigo e assim eu fico muito muito angustiada, está doendo muito, nada faz sentido, o mundo perdeu a graça faz tempo. 

 

Cara leitora,

 

Pode ser que esteja a passar por uma crise existencial.

A crise é justamente uma situação-limite, que pode levar a uma mudança. Diante do conflito existencial, a pessoa é levada a verificar seus verdadeiros sentimentos e pensamentos. No calor da crise, a pessoa pode descobrir que o seu caminho é dar oportunidade ao seu “eu verdadeiro” se expressar. O término da crise acontece quando a pessoa descobre que ela precisa encontrar o próprio caminho, sem depender de ninguém.

A superação da crise implica quase sempre no surgir de uma “identidade pessoalmente desejada”.

 

Se a pessoa for suficientemente verdadeira para consigo mesma, se conseguir olhar para a sua própria verdade e encarar o seu desejo, ao mergulhar fundo na sua crise existencial, seu verdadeiro eu vai se manifestar e triunfar.

 

Confie em si própria e deixe a sua verdadeira natureza florescer.

Se não conseguir sozinha procure ajuda de uma terapia para orientá-la e acompanhá-la nesse novo caminho.

 

Um abraço

 

Engravidar aos 45 anos

bosch10.jpg

 

Boa tarde Dr.ª

 

Há bastante tempo sinto uma angustia muito grande comigo, que me entristece muito.

Sou uma mulher de 45 anos mas perto de completar 46, tenho duas filhas de um casamento anterior.

 

Em 2008 conheci o meu atual companheiro que não tem filhos e adora mesmo muito as crianças.

Adotou as minhas filhas como se fossem as dele, mas eu sei que gostaria de ter filhos comigo, pois fiquei grávida 3 meses, mas abortei.

 

Confesso que na 1ª vez que fiquei grávida, não a desejei, pois o meu pensamento levou-me a pensar que ele iria deixar de gostar das minhas filhas e isso assustou-me, mas com o passar dos anos vi que isso não iria acontecer e a minha vontade de ter um filho é enorme, mas não consigo.

 

Sei que é a idade, mas não estou a conseguir aceitar, devido também à vontade do meu companheiro querer um filho.

Como gosto dele, neste momento o que me passa no pensamento é acabar com a relação, para ele encontrar uma companheira que lhe de esse filho.

 

Estou tão triste e confusa que certamente preciso de ajuda.

Gostaria de saber uma opinião da sua parte.

 

Melhores cumprimentos,

R.

 

Cara R.,

Acabar com a relação não é a solução mais acertada. Se estão bem juntos e gostam um do outro, não é a falta de um filho que vai estragar a relação.

De qualquer maneira se mesmo quiser engravidar ainda está em tempo, talvez com uma gravidez assistida.

Se está triste e confusa talvez seja indicada uma ajuda profissional para que possa elaborar as suas angústias e ansiedade.

Reflita bem antes de tomar qualquer atitude que possa vir a se arrepender.

Tudo de bom

 

 

 

 

Medo de morrer

 

 

Boa tarde Dr.ª Mariagrazia,

 

Tenho 37 anos, sou casado e 2 filhas de 5 anos. Não sei porque, mas tenho tanto medo de morrer e deixar minha família, medo de morrer e se esquecerem de mim. Amo muito minha família. Tenho medo da morte, fico pensando como vou morrer, se dói, se existe algo do outro lado. Tenho medo de envelhecer. Enfim, minha cabeça está muito confusa.

 

Você me ajuda por favor. Obrigado.