Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Ansiedade e excesso de libido

39.jpgOlá Drª Maria,

eu pensei que me poderia dar uma pequena ajuda, se possível.
Se me poder esclarecer, agradeço muito!
Eu tenho 18 anos e tenho muita ansiedade. Nunca fui diagnosticada por um profissional, apesar de ter tido uma psicóloga na escola, mas os meus sintomas já passaram para além dos psicológicos e tornaram-se também físicos. Dando-lhe um exemplo, já não tenho um único dia em que não esteja ansiosa. Tenho sim, horas do dia em que me sinto mais calma mas sinto, maioritariamente, os calafrios, suores, diarreia, batimentos cardíacos muito fortes e rápidos, sensibilidade emocional, sensação de vómitos, angústia e entre outros ... Posso até dizer que a minha ansiedade é tão forte que eu tive que desistir da escola, pois tenho muita fobia social derivado aos meus pais terem sido sempre super super protetores (ainda hoje o são) e ao bullying que passei durante alguns anos na escola. Eu também não tenho o apoio deles nesta minha situação. Nós não temos uma boa relação, e eles não acreditam que eu possa ter estes problemas já que "eu nunca passei por dificuldade alguma na minha vida". Então a Drª é a minha única esperança, pois sem o apoio dos meus pais para ir a um psicólogo eu não consigo ir ...
Passando ao meu maior problema, então.
Eu tenho tido um sintoma em particular que me está a perturbar imenso, também, que é a minha libido. Eu sinto tanto desejo sexual e eu não sei o porquê. Sinto que se torna um problema, pois, eu estou sempre a ter pensamentos sexuais e estou sempre excitada. Poderá dizer-me se isso é normal, já que eu sou uma adolescente . ?! Eu também sou virgem, não sei se faz alguma diferença.

Se me poder ajudar, eu agradecia muito.

Cumprimentos.

Cara leitora,


O seu excesso de libido pode estar relacionado com os seus pensamentos. Será que está a investir um excesso de tempo em fantasias e desejos sexuais? As fantasias e desejos de comportamentos sexuais repetidos são uma resposta a estados de ânimo disfóricos assim como ansiedade, depressão, aborrecimento, irritabilidade...etc. ou a situaçãode vida stressantes.
Pensar em sexo é normal. Contudo, é possível que um excesso desses pensamentos acabe por interferir no seu dia-a-dia e que impeçam de ter uma vida normal, provocando assim mais ansiedade e mal-estar. Ser capaz de controlar esses pensamentos é imprescindível para recuperar a sua rotina.

Algumas dicas:

1 Identifique as origens dos pensamentos (situações, momentos, imagens, etc.) para poder evitá-los ou moderá-los em tempo.
2 Evite visualizar conteúdo erótico: ver vídeos e imagens sugestivas, temas de conversa que fazem pensar em sexo, etc.
3 Mantenha a sua mente ocupada, com coisas que não estejam relacionadas com sexo, faça planos, participe em atividades, etc.
4 Dirija a sua atenção: procure se ocupar com coisas que captem a sua atenção por completo: um livro, um filme, um processo criativo como escrever, desenhar, cantar, tocar um instrumento, etc.
5 Faça exercício físico. É uma boa forma de se ocupar e ajuda a liberar hormonas que também liberaria durante o sexo, ajudando de alguma forma a "saciar" o apetite sexual.
6 Deixe um espaço para o sexo. Trata-se de diminuir estes pensamentos, não de suprimi-los completamente. É importante desenvolver uma sexualidade saudável, explorar-se a si própria, ter dúvidas, etc.

As dicas acima também vão ajudar com a ansiedade.
Confie em si e invista em alguma mudança na sua vida.
Fique bem

Muita ansiedade

37.jpg

Olá Boa tarde,

Preciso de ajuda por favor. Eu sempre fui muito ansiosa, mas desde a minha gravidez eu piorei comecei mesmo a ter sintomas físicos.

Neste momento há um que me atormenta muito e sinceramente, tenho medo que possa ser algo de grave, sinto um gelo saindo de mim. É como se estive se sempre com o corpo dentro de um ar condicionado, ataca muito a cabeça, olhos, braços e pernas não é tudo ao mesmo tempo. O que poderá ser? Se poder ajudar-me agradeço muito  obrigada

 

Cara Leitora,

Tal como acontece com os pensamentos negativos, por vezes também nos debatemos com sensações físicas, sentimentos e emoções negativas e desconfortáveis. Esta luta pode por vezes deixar-nos abatidos, com receios, desanimados, contribuindo assim para um maior sofrimento emocional e psicológico.

Cada emoção que sentimos prepara o nosso corpo para uma reação específica. O fato de experienciarmos emoções desagradáveis não significa ausência de saúde mental ou que algo de errado se passa connosco.

Nunca é demais reforçar que não há emoções positivas ou negativas, todas têm um papel fundamental na nossa adaptação. O que prejudica o nosso funcionamento é o excesso emocional. As emoções têm uma manifestação corporal intensa, a energia da emoção espalha-se pelo corpo e produz diversos movimentos. Estas sensações físicas e sinais corporais são coerentes com o que estamos a sentir e é através deles que podemos identificar qual a emoção que sentimos.

 

Na tristeza e no medo há como uma sensação de frio que nos invade. Este “arrefecimento” implica uma falta de mobilização que se traduz na perda de interesse nas atividades e ao estarmos tristes nos recolhermos. Precisamos desse tempo para recuperar energia e avaliar as consequências de uma perda, para depois nos redirecionarmos para outras emoções e ações.

Esse sentimento de gelo que arrefece o seu corpo pode estar relacionado com a sua ansiedade e um sentimentos de tristeza, talvez relacionados com pensamentos inconscientes de medo relacionados com a perda da sua independência e aumento de responsabilidade vividos após a sua gravidez.

Procure ter pensamentos positivos e quando sente esses sintomas físicos dedique-se a trabalhos manuais como: costuras, desenhos, escritos, limpezas, tricô, arrumação, culinária, etc.

Ter mais responsabilidade pode-se resumir numa grande alegria e prazer de nos sentirmos úteis e importantes para a nossa família.

Fique bem

 

 

 

Problema de audição

8.jpg

 

Olá boa Tarde.

 

O Meu Nome é L. Tenho 38 anos.

Gostaria de tirar uma duvida há 5 minutos atrás encontrei na internet o termo misofonia.

Eu há alguns anos que estou a sofrer de um problema complicado...

Já isolei o meu quarto, já estou a colocar vidros novos nas janelas, já fui a um medico do sono por duas vezes, ao qual ando com medicamentos. E também agora estou em acupunctura. Não consigo dormir em casa nenhuma. Só na casa onde estou atualmente mas mesmo assim passo mal e continuo a dormir mal. Já tive 7 dias sem dormir... mas o meu mal nunca foi ao adormecer ou em não ter sono é mesmo no entrar no sono entrar tranquilamente na parte Zen...

Eu não sei bem as características de uma pessoa com o sintoma misofonia, porque eu não tenho aversão ao barulhos apesar de as vezes ouvir ruído e desejar silêncio para minha cabeça.

O que eu tenho mesmo é quando estou a dormir assim que oiço uma pequena mudança de ruído. Dentro de casa eu já nunca mais consigo adormecer nem como medicação. A partir daquele momento começa o meu martírio, lutar para entrar no sono mas tendo sono. E aqueles ruídos é uma espécie de moinha para a minha cabeça e para o coração também não deve ser saudável porque esgotam de cansaço uma pessoa. Ou seja não deixo de ter aversão aos pequenos barulhos mas é só porque não consigo adormecer nada disso me acontece durante o dia, senão gostar do barulho suporto bem.

Será que tenho essa doença ou alguma vertente dela?

Já coloquei auscultadores nos ouvidos para enganar o ruído não e confortável, já tentei muitas ideias de louco na cama e o problema continua, já aconteceu apertar os ouvidos e o som diminuir e aliviar um pouco mas já aconteceu eu apertar os ouvidos e nada resolver parece que o barulho continua. Isto é o maior problema que enfrento há anos tenho os dias todos estragados por isto... não posso ir dormir a outra casa nada...mas sinto que os médicos ou não tem solução ou não me compreendem. Ou então tenho mesmo azar e tenho um barulho que incomoda na minha casa que não consigo encontrar solução para ele para o eliminar e assim estar a fazer que eu venha a ter mesmo um problema de saúde....

Caso eu tivesse esse tipo de doença Misofonia como isso se trata? Nos poucos minutos que investiguei aqui pela internet falava em tratamento com sons e eu com sons não vou dormir...não parece ser o melhor caminho para mim até porque quanto mais ouvir os barulhos mais me farto deles mais saturado fico. O teste do sono que me quiseram fazer, mal que vi tantos fios, entrei em pânico e fui embora...conforto e silêncio era o melhor tratamento para mim... O único barulho que suporto e especialmente depois de um duche estar um pouco frio e eu estar na cama de secador ligado abafa um pouco o barulho que me incomoda quando estou cama. Já testei de madrugada, mas passado algum tempo torna-se desconfortável e cansativo para a minha cabeça também...

Tentei mesmo uma aplicação que tinha o ruído do secador para colocar nos auscultadores, mas não e igual até porque eu suportar o real secador e também a levar com o ar dele. O que faz toda a diferença...

Ruídos extra não parecem ser o melhor para mim...

Por agora é só um tira dúvidas, acabei de ler sobre Misofonia.

 

Melhores Cumprimentos

 

Caro L.,

Pessoas com misofonia não têm problemas de audição. O incómodo é provocado pelo efeito que determinados sons produzem no cérebro e ativam o centro das emoções.

O tratamento da misofonia pode incluir treinamento auditivo e psicoterapia. Este método ajuda a pessoa a aceitar a misofonia e conviver com a síndrome, de maneira que a sua qualidade de vida e a sua interação com os outros não sejam prejudicadas.

Para tratar a misofonia, procure um médico otorrinolaringologista para receber indicações quanto ao tratamento mais adequado. A seguir precisa ter consultas de psicologia como forma de intervenção e de tratamento, ou redução dos sintomas, visto que se conseguiu estabelecer uma ligação entre ansiedade e determinados sons.

 

Dessa maneira poderá controlar sua ansiedade e garantir um sono e uma vida saudável.

Tudo de bom

Medo de HIV

22.jpg

Estou sofrendo muito com medo do HIV. Sinto dores de cabeça, angústia, fastio e já estou procurando alterações no meu corpo. Sou homem, atualmente vivendo sozinho e num vacilo da vida, deixei um desconhecido gay fazer sexo oral em mim (primeira vez isso). Agora o medo e pânico se instalaram.

Fiz o teste rápido 3 dias após o ato, fui ao infectologista e refiz o teste agora (Ago/18) com 31 dias tanto o teste rápido (pra saber na hora) quanto numa clínica particular (aguardando 4 dias). Deram negativo....mas o temor, a obsessão continuam 24h.

Visto que a janela imunológica dessa doença fica entre 30 e 90 dias... Logo, não sei como suportar tudo isso pra fazer mais exames (fiquei também com medo da agulha do teste rápido) estou vivendo de calmante.

Pior coisa do mundo é ter que esperar o tempo passar... a mente voa e ficamos em ciclo remoendo, se martirizando, pensando no pior e tendo que disfarçar no trabalho e com familiares. Estou uma pilha de nervos, uma panela de pressão a ponto de explodir.

Já venho comprando todo tipo de remédio pra minimizar os sintomas dessa doença da fase inicial.

 

É preciso direcionar seus pensamentos catastróficos para melhores direções e para tal use as seguintes declarações:

  1. "Não está acontecendo agora." Uma catástrofe poderá ocorrer, mas não está acontecendo agora, neste momento está seguro.
  2. "Aconteça o que acontecer, eu posso lidar." Esta declaração lembra de seus próprios recursos internos e dá-lhe a determinação para enfrentar os desafios da vida.
  3. "Estou causando meu próprio sofrimento. Eu poderia parar? ”A primeira parte desta declaração tem suas origens nas Quatro Nobres Verdades do Budismo.

Espero que isso o possa ajudar a ver que há uma escolha e se realmente acontecer uma catástrofe pergunte-se: "como eu poderia estar melhor preparado para ultrapassar isso?" Então  planeie seus passos de ação, o que vai aliviar a sua ansiedade.

Medos e postura rígida.

18.jpg

Olá! Eu me chamo Diana e tenho 16 anos. Eu me sinto presa em meu próprio corpo. Não consigo agir com naturalidade. Uma pessoa que mora comigo, sempre diz que ando igual um menino, e não como uma menina. Quando tinha uns 10 anos, eu comecei a agir igual um menino, por ter medo dos homens e não queria que olhassem pra mim, eu tinha raiva quando olhavam. Eu agi dessa forma por muito tempo, eu não sou lésbica, não quero agir como uma menina masculinizada, mas parece que os traços masculinos que comecei a ter aos 10 anos em diante, permanecem. Eu sinto muita vergonha em andar na rua, eu que tenho que controlar meus braços, ando feito um robô. Eu me sinto muito mal com isso... Acho que sofro de ansiedade, pois além de tudo isso, sinto vergonha/medo de fazer qualquer coisa, a mais simples, torna-se a mais difícil. Parece que é difícil pra entender alguma coisa, sou muito distraída. Por ex.: abro uma porta, e sempre esqueço de fechá-la com a chave. Abro alguma coisa e não fecho... Parece que o meu raciocínio é lento... Eu sinto um medo constante de fazer qualquer coisa, medo de abrir e andar de guarda-chuva na rua, medo de copiar a lição em sala de aula... Eu sinto um medo constante de errar, e sempre acabo errando. Parece tudo dá errado, nada dá certo. Eu não me sinto bem perto de outras pessoas, eu não consigo me socializar direito com as pessoas, nem na escola... Sempre fico isolada, porque tenho medo de me julgarem e de eu errar alguma coisa... Eu preciso de ajuda, já cheguei até a pensar que tivesse Deficit De Atenção, pois tenho muito medo de errar, tenho medo de frustrações e não reajo bem a críticas, sempre me coloco pra baixo, sempre acho que sou incapaz, sou tão distraída, tão desligada... Será que devo passar em um psiquiatra? Eu não aguento mais ser desse jeito, presa em minha própria mente...

 

Cara Diana,

Sentir medo é natural e saudável e costuma nos proteger dos perigos e nos afasta de situações em que nos sentimos ameaçadas. Em excesso torna-se patológico. O medo constante de errar, de ser julgada e de não fazer as coisas as coisas bem-feitas prejudica a dinâmica da sua vida e como consequência acaba por errar. Procure dissociar, ou seja, estar distante emocionalmente do desconforto sem se perder no medo. 

Quanto à sua postura rígida e pouco natural, faça exercícios de Pilates ou Yoga e vai se sentir muito mais confortável com o seu corpo. 

Para uma ajuda mais específica procure um psicólogo que a conduza para um desenvolvimento emocional saudável. Cuidar de si e da sua saúde psicológica é um ponto de suma importância para superar seus medos e sentir-se livre no seu próprio corpo.

Vontade de chorar

4.jpg

Tenho 20 anos e sofro desse problema desde a adolescência.

A questão é que eu não consigo falar de assuntos sérios sem que me dê vontade de chorar. No trabalho isso também acontece. Por exemplo: trabalho com direito e muitas vezes, preciso explicar casos para o meu chefe, o que acontece é que chega um ponto que eu começo a sentir muita ansiedade (acho que é ansiedade), fico nervosa, tremo e começa a me dar uma vontade terrível de chorar. Tenho que desviar o olhar, muita das vezes pois fico com os olhos cheios de lágrimas.

A mesma coisa acontece com os meus pais. Quando conversamos sobre assuntos sérios, eu sempre acabo chorando. Ex: meus pais brigaram e pediram que eu escutasse a discussão e desse a minha opinião, e eu não consigo segurar o choro. Eu acabo dando a minha opinião chorando mesmo.

Eles não entendem o motivo do choro (nem eu, na verdade), ficam bravos me perguntando o porque do choro, e eu me descontrolo mais ainda.

Em resumo, eu choro em momento que sinto que preciso conversar sobre assuntos sérios.

Isso é comum? Como evitar esse tipo de comportamento?

Cara leitora,

 

O segredo é permitir-se experimentar as emoções como ocorrem, em vez de as negar, ou suprimir.

Não se preocupe de manifestar as suas emoções tanto as colectivas como as pessoais, que sendo fruto do seu mundo interior, certamente são criativas. As funções das emoções são importantes principalmente para seu desenvolvimento pessoal.

O importante é olhá-las e vivê-las naturalmente. Quanto menos tentar reprimir, melhor.

Muitas pessoas em momentos imprtantes reagem com choro, o que é preciso é gerir a ansiedade com inteligência emocional.

 

Um abraço

 

 

Sensação de estar fora do corpo

mulheres1.jpg

Boa tarde! Quando fico muito nervosa, minha memória apaga; quando chega o ápice, tenho a sensação que estou fora do corpo (já me vi, como se eu estivesse atrás de mim) , ou maior do que sou, já cheguei a ponto de parecer que estou levitando no teto vendo meu corpo em baixo, em todas situações, me vejo fora, mas meu corpo continua como se eu estivesse dentro.

Entretanto quando chega a esse nível, não me lembro de mais nada depois, só me lembro destes flashes; isso começou a acontecer depois que tive depressão. Por favor, gostaria de entender. Grata

 

Cara leitora,

O seu distúrbio está, provavelmente, relacionado com o seu alto nível de ansiedade e como consequência da depressão. O que descreve é uma espécie de despersonalização. Esta é entendida como uma desordem dissociativa, caracterizada por experiências de sentimentos de irrealidade, de ruptura com a personalidade, processos amnésicos e apatia. Pode ser um sintoma de outras desordens como transtorno bipolar, transtorno de personalidade borderline, depressão, esquizofrenia, stresse pós-traumático e ataques de pânico. A despersonalização pode ainda surgir com o consumo de drogas, como Cannabis ou Ecstasy; mas há outras causas: esta pode desenvolver-se devido a uma exposição prolongada a stress, mudanças repentinas no contexto pessoal, laboral ou social, entre outros factores. A despersonalização encontra-se intimamente relacionada com a ansiedade.

 

A despersonalização associa-se, frequentemente, a outras perturbações mentais que necessitarão de ser tratadas ou é desencadeada por elas. Deve ter-se em conta qualquer tipo de stress relacionado com o início (instalação) da perturbação de despersonalização.

 

Como tratamento é eficaz a psicoterapia. A sensação de despersonalização desaparece, frequentemente, com o tratamento.

Procure ajuda e vai ver que vai sentir-se bem melhor e vai conseguir superar o seu problema.

 

Emoções

cara2.jpg

Olá, eu não tenho exatamente um problema.

Como você é psicóloga eu tenho uma dúvida.

 

Eu quero saber se tem como tornar-se menos emotivo e mais racional, eu não me considero uma pessoa emotiva, várias pessoas já morreram, pessoas próximas e para mim quase não fez diferença. Nem na hora, nem depois de ter morrido...

 

Eu já fui bem emotivo mas este tempo já passou, me tornei bem frio.

Faz muito tempo de que não sinto nenhuma emoção forte mas tenho certeza que se sentir será inevitável, mas eu acho que não sofro de alexitimia, por que eu consigo me colocar no lugar de outras pessoas e saber o que elas sentem , as vezes até pela expressão da pessoa, ou por um desenho que ela fez, ou a forma que ela age. Inclusive, algumas pessoas me conhecem por eu saber "ler" a mente das pessoas.

 

Mas eu quero saber se tem como não ter as menores emoções, por exemplo: Sentir raiva por que não conseguiu fazer determinada coisa.

Ficar chateado pelo mesmo motivo.

 

Imagine a seguinte situação: Eu consegui algo que eu supostamente considero muito importante, mas qualquer erro eu posso perder essa coisa importante, por isso bate um "desespero", uma "ansiedade", não sei explicar. Eu não quero ter isso.

E também, quero poder agir sobre pressão.

 

Geralmente, Não consigo fazer nada, com outras pessoas olhando. Mas se eu estiver sozinho, consigo fazer qualquer coisa.

 

Eu quero tornar-me mais racional. E jogar fora essas emoções.

Pode ajudar-me?

 

Caro leitor,

 

É preciso entender que as emoções não são boas nem más, nem positivas ou negativas. Podem ser agradáveis ou desagradáveis mas são todas adaptativas, isto é, orientam-nos para a nossa sobrevivência.

 

Na nossa cultura e sociedade está de alguma forma implícito que sentir algumas emoções é mau. Não devemos mostrar-nos tristes e o choro deve ser evitado, existindo uma pressão social para estarmos sempre bem dispostos e sorridentes. Fomos educados a não expressar raiva e quanto ao medo é só para os mais fracos. A falta de permissão e apoio para sentir e expressar as emoções e o desconforto experimentado leva a que muitas pessoas as anulem ou neguem, em vez de as regularem e expressarem adequadamente.

 

As emoções mesmo as que sentimos subjetivamente como desagradáveis (tristeza, medo, raiva, etc.) são úteis, têm uma função precisa e devem ser experimentadas e expressadas adequadamente para que sejam potencialmente reparadoras.


 

O importante é que aceite suas emoções e perceba as “mensagens” que o seu corpo lhe dá. Não só é lícito sentir dor, raiva, medo ou tristeza, como é uma boa forma de prevenir o aparecimento de perturbações psicológicas.

E lembre-se que a razão e a emoção interagem para construir a nossa vida mental e que o importante é o equilíbrio.

 

Se sentir dificuldade em entrar em contacto com as suas emoções e expressá-las apropriadamente não hesite em procurar ajuda de psicoterapia.

 

Vazio, medo e ansiedade

niki9.jpg

Oi doutora tudo bem, gostaria muito de um conselho da senhora para me dizer o que eu faço da minha vida.

Me chamo J. tenho 23 anos e de uma tempos pra cá passei a sofrer com ansiedade que eu ía levando. Só que agora ultimamente do nada comecei a ter medo de ter esquizofrenia, mas um medo intenso mesmo, sabe de me dar dor de barriga, enjoo, falta de apetite suor e etc. Daí comecei a ver os sintomas da esquizofrenia na internet e dai que me deu mais medo ainda e fico imaginando que estou com os sintomas.

Não escuto vozes as únicas vozes que escuto são meus pensamentos dentro da minha cabeça me dizendo que estou louca. E depois que passei a ver os sintomas na internet passei a acreditar que tudo que eu li esta acontecendo comigo. Vivo com crises de choro, medo de ficar louca e ando com insónia e nem consigo mais dormir. Sinto um desespero junto com um vazio muito grande dentro de mim. Nada enche esse vazio mesmo quando saio pra distrair a minha mente, esse vazio está dentro de mim.

Doutora o que eu faço será que estou ficando louca?

 

Cara J.,

Todos nós temos alguns sintomas de perturbações mentais, mas para termos uma patologia, depende da quantidade. No seu caso, parece seja somente uma questão de ansiedade e medo de estar doente. Tem bem a consciência que os “pensamentos estão dentro a sua cabeça” e, atenção, que se for muito impressionável quanto mais pesquisa para ver sintomas, mais vai se identificar com alguns deles. Ao pesquisarmos é preciso agir com discernimento e sensatez, do contrário podemos por em evidência a “loucura”.

 

O vazio existencial está presente na vida de todo ser humano, em maior ou menor grau. É sentido e vivenciado em inúmeras circunstâncias da existência humana. Emerge diante de situações peculiares e às vezes stressantes na vida da pessoa.

O vazio que sente dentro de si, pode estar relacionado com o seu momento de vida e quem sabe se a partir daí vai se revelar uma “oportunidade” e procurar desenvolver e aprofundar todos os seus recursos e capacidades no caminho da autorrealização e a responsabilidade pela própria vida.

 

Feliz 2016!

Ouvir vozes

portinari11.jpg

 

Olá, Dra.

 

Como vai? Sou Maísa, tenho 20 anos. Gostaria de conversar sobre algo que vem acontecendo comigo. Desde pequena, antes de dormir, eu escuto vozes na minha cabeça, às vezes são de pessoas conhecidas, outras eu não sei de quem são. Isso nunca me incomodou muito pois acontecia sempre antes de dormir, ou quando estou com muito sono, com a cabeça cansada. Quando durmo pouco, também, minha cabeça fica super confusa, estranha, como se meus pensamentos gritassem. Essas vozes conversam entre si ou simplesmente falam coisas aleatórias, não me lembro o que falam, são coisas que não fazem muito sentido, como que um "pré-sonho". Não confundo com vozes reais, sei que são da minha cabeça... 

 

Mas de um tempo pra cá, desenvolvi ansiedade em excesso, quadros de síndrome do pânico, porém com acompanhamento psicológico melhorei bastante. Nunca conversei com a minha psicóloga sobre ouvir essas vozes, pois como disse, elas não chegavam a me incomodar. O problema é que com a ansiedade, tudo me preocupa demais e sempre coloco na minha cabeça que estou com alguma doença, seja risco de enfartar até outras coisas e agora tenho medo de Esquizofrenia. Assim, não sai da minha cabeça que essas vozes são um dos sintomas, que eu estou ficando louca e parece que por pensar assim, sempre que vou dormir eu presto mais atenção nelas e elas ficam mais evidentes. Depois eu passo o dia inteiro pensando nisso, se estou doente... Essas vozes podem ser um sintoma? Durante o dia não ouço nada, mas sinto alguns desconfortos, como já te disse, barulhos altos me incomodam, parece que ficam ecoando na minha cabeça, além de outras sensações ruins que imaginam ser por ansiedade.

O pior de tudo é que minha família está passando por uma crise financeira e eu não tenho mais condições de pagar um tratamento com psicólogo. Tento me convencer de não é nada demais, mas creio que a ansiedade não me deixa desligar. Por favor, me ajude. Aguardo resposta,

MM

 

Cara MM,

 

Não está a ficar louca, mas é melhor tratar esses sintomas para que não se agudizem. Pode procurar um médico psiquiatra para ver se é o caso de tomar algum medicamento que alivie a sua ansiedade.

Muitas vezes essas vozes são simplesmente parte de si que revelam suas preocupações subconscientes.

O importante é como interpreta estas vozes. Se acredita que todas as outras pessoas são agressivas, pode vir a interpretar as vozes como hostis, poderosas ou danosas. Por outro lado, se tem experiências de vida mais positivas e uma imagem mais positiva de si mesma e de outros pode desenvolver uma visão mais positiva das vozes. Segundo estudos, as pessoas que ouvem vozes geralmente tiveram uma infância traumática.

 

A melhor maneira é ter consciência que essas vozes são parte de seus pensamentos, é como pensar alto.

 

Um abraço