Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Ver mal em tudo

 

 

Bom dia Dr.ª, 

 

Vi o seu blog e fiquei com vontade de lhe colocar uma questão. Ficaria muito agradecida se me pudesse ajudar.

Tenho 28 anos e creio que muito para contar desde pequena, a vida mostrou-me algumas amarguras. 

Neste momento namoro à cerca de 2 anos. Um rapaz do qual gosto muito e sinto que me estima (anteriormente tive relação de 10 anos).

 

Acontece que ele fez um reparo ( que a minha irmã já me tinha feito - de uma forma subtil mas algo cansada da situação ) e do qual também cheguei por momentos a  essa conclusão mas não entendo o porquê e acredito não ser tanto assim. A verdade é que isso me magoa profundamente e me custa MUITO ouvir isso das 2 únicas pessoas na vida que mais amo. 

Do que falo?

 - A minha irmã diz que vejo mal em tudo e que reparo em demasiado nas atitudes das pessoas e vejo mal onde não existe;

 - O meu namorado me disse que digo mal de todos e que essa atitude não me fica bem;

 

Tenho problemas de auto-estima - física e psicologicamente. E psicologicamente porque vivo revoltada com um passado que me persegue sempre e não me deixa viver despreocupada. Sou muito instável na forma de estar - ora ando muito bem em estado de euforia ora choro de uma forma profunda até o corpo cansar.

 

O facto de ter ouvido isto só veio agudizar todo o negativismo e baixa-estima que tenho. 

 

Chego a pensar que prefiro terminar esta relação para puder sofrer sozinha e não ter de desiludir os outros com as minhas atitudes que acredito irão ser sempre as mesmas - a de alguém que se sente revoltada com a vida, procura respostas e não sabe muito bem porquê.

 

A verdade é que me sinto perdida. Não tenho filhos, nem casa própria nem um emprego estável e o ter 28 anos nesta situação cada vez me sufoca mais. 

 

Talvez precise apenas de uma força ou palavras onde me possa apoiar nos momentos mais difíceis.

 

Obrigada por ter lido.

 

 

 

 

Ficar famosa

 

Dra. tenho obsessão em ficar famosa desde os 13, tenho 35 me formei advogada por imposição dos meus pais, mas amo televisão, tô sofrendo muito, frustrada e deprimida pois tentei de tudo e não consigo ficar famosa. Acho o anonimato sem graça, me sinto um nada,
Isso tem cura?

 

Que tipo de terapia posso fazer? Me ajude.

Obrigada 

 

 

Auto-estima e auto-confiança

Boa tarde doutora, o meu nome é R.
 
Tenho graves problemas de auto estima (não gosto de mim, sinto-me inferior a toda a gente, não confio em ninguém, sou muito mas muito ciumento tanto em relação a minha namorada como em relação aos meus amigos, sinto-me à parte, sou muito stressado e ansioso...)
 
Eu ando numa psicóloga mas não confio no trabalho dela, penso que ela não me vai conseguir ajudar. Ela mandou-me ler livros de auto estima e analisa-mos os dois, mandou-me escrever num papel as minhas qualidades (físicas, de personalidade, como amigo, filho, trabalhador...), mandou-me todos os dias ao fim do dia registar as coisas boas que fiz durante o dia e as coisa boas que fiz por mim ao final do dia entre outras coisas, coisas essas que não estou a fazer por não acreditar nela e no trabalho dela tal como faço em relação a toda a gente.
 
Queria pergunta-lhe por favor se acha que ela esta a trabalhar bem e se devo confiar no trabalho dela e dar-lhe tempo.
Podia-me indicar também algumas formas de relaxamento uma vez que sou muito ansioso e stressado.
 
Quero desde já agradecer-lhe Doutora
 

Pensamentos recorrentes

Salvador Dalí

 
Dra. em breve vou procurar ajuda junto de um psicólogo devido a nos últimos tempos algumas coisas terem mudado na minha personalidade e maneira de estar, o que se passa é o seguinte, eu neste momento quando estou acompanhado por alguém estou sempre preocupado se estou a ser uma boa companhia, tenho pensamentos recorrentes de que estou a ser uma companhia chata e essa pessoa vai deixar de querer estar comigo, tento ser engraçado para as pessoas gostarem de mim. E isso acontece-me com amigos chegados e inclusive até familiares, isso como deve imaginar deixa-me bastante em baixo porque tenho receio que as pessoas deixem de gostar de mim... nunca fui uma pessoa muito segura é verdade, e quando estava com pessoas menos chegadas tinha alguma dificuldade em manter uma conversa, mas com os meus amigos isso nunca aconteceu, era completamente a vontade, essas coisas nunca passavam pela minha cabeça a única coisa que me passava pela cabeça era que eles gostavam da minha companhia assim como eu gostava da deles, nem imagina como me divertia e era alegre sempre estava com eles.
Agora quando vou ter com amigos já fico ansioso com receio de que eles comecem a achar que eu sou um chato sem alegria nenhuma e me excluam...quando não me atendem o telemóvel ou desmarcam qualquer coisa que tenhamos combinado já ficou em baixo porque penso que já não me acham mais aquela pessoa divertida, excelente companhia e que fazia rir toda a gente.
Também fico com receio de que eles arranjem namorada e eu não consiga e fique sozinho. Eu também quero ter uma namorada mas quero primeiro sentir-me bem comigo próprio, isto parece-me baixa auto estima ou será mais do que isso...
O que acha a doutora? Como posso resolver esta situação?

 

Arranjar trabalho

 

Van Gogh

Boa noite, Dra.,
 
Tenho 29 anos e terminei a minha licenciatura há 5 anos. Entre uns curtos estágios e um estágio profissional de 9 meses, nunca consegui realmente trabalhar na área. Actualmente vou dando algumas horas de formação por mês, que me vai dando alguns trocos e que não passam disso mesmo... Antes de dar formação, consegui uma oportunidade de trabalho na área. Mas o que aconteceu foi que naquele início de "mês à experiência", os colegas que me avaliaram diziam que eu não tinha as características para continuar ali a trabalhar e que ao fim de um mês, a chefe de equipa me ia pôr a andar dali para fora.
 
Eu própria também senti que não estava a gostar daquele trabalho e estava-me a deixar pouco à-vontade, talvez também por estar a ser avaliada. Senti que a minha personalidade estava a colocar-me um obstáculo. O que me apontaram é que eu era pouco comunicativa, pouco expressiva e distraída... o que como consultora, eu não deveria ser.
Eu já tinha feito aquele tipo de trabalho no meu estágio profissional e acho que não fui uma má profissional e apesar de eu ser assim introvertida, acho que tinha na mesma competência como os outros meus colegas que faziam tudo para dar graxa ao cliente! Eu não sei fazer isso e não gosto de o fazer... e por isso mesmo, é que acho que eles não gostaram de mim. Acabei por me decidir vir embora ao fim de semana e meia e depois de uma conversa que a chefe teve comigo, em que me disse friamente e resumindo, que se eu era o que tinha mostrado até ali e tinha assim tão pouca experiência, então não tinha os requisitos necessários.
 
De certa forma arrependi-me de ter vindo embora e pessoas próximas de mim ficaram desiludidas comigo por me ter vindo embora, porque não é suposto desistir. Mas algo em mim na altura estava a berrar dentro da minha cabeça que o meu lugar não era ali, que eu não tinha se calhar, mesmo perfil para aquilo.
E pronto, neste momento estou a fazer uma coisa que não me dá dinheiro para ter a minha independência financeira dos meus pais e não tenho trabalho a tempo inteiro para me juntar com o meu namorado.
A verdade é que eu não consigo arranjar trabalho. Se para umas coisas tenho habilitações a mais, para outras parece tenho competências a menos.
Tenho andado com a minha auto-estima bastante baixa e um bocado depressiva.
Sinto que a minha licenciatura não me serve de nada, porque praticamente só há trabalho naquilo que já tentei.
Gostava de ser feliz e isso passa por fazer algo que goste, mas parece que não encontro. Já pensei em tirar outro curso, mas não sei se ainda tenho cabeça para isso e não sei se isso resolveria. Já pensei em abrir um negócio, mas ia-me estar a endividar nesta altura de crise. Estou completamente desorientada e sem saber o que fazer para arranjar uma vida.
 
Desde já agradeço a sua atenção e agradecia o anonimato caso publique no seu blog.
 
Os meus melhores cumprimentos

Relacionamentos conturbados

Candido Portinari

 

 

 

 
Olá Dra.!
Muito obrigada pelo seu precioso site!
 
Aqui vão as minhas dúvidas:
Tenho 30 anos e até hoje tive dois relacionamentos, muito conturbados, nos quais sofri muito. Aguentei muito desprezo, os amigos deles estavam sempre em primeiro lugar...enfim...
Acontece que, feitas as contas, fiquei com a minha auto-estima em baixo (para o meu ex-namorado eu tinha todos os defeitos do mundo...), apesar de me estarem sempre a dizer que sou bonita, inteligente, independente....
 
Tenho muito medo de me voltar a relacionar novamente com alguém..
Há cerca de um mês conheci um rapaz, da minha idade, que me parece ser uma excelente pessoa, carinhoso e atencioso, e que me dá valor. Acabamos por nos envolver fisicamente, e demo-nos muito bem, neste campo e não só..
Mas, apesar disto, sinto-me insegura, não sei como reagir a esta nova situação da minha vida...Não sei se me hei de entregar, tenho medo que ele chegue à conclusão que afinal não sou tão bonita, inteligente...como pareço (no principio é tudo muito bonito!).
Encontramo-nos já algumas vezes, e não sei que direcção tomar a seguir, não sei me entregue ou fique de pé atrás....e a minha falta de auto-estima estraga tudo porque temo não ser perfeita para este meu possível novo amor...
 
Muito obrigada
 
A.

Pouca auto-estima

 
 
 
 
 
Boa tarde!!!
 
Encontrei o seu blog e espero que seja a minha luz ao fundo do túnel. sinto me diferente daquilo que sou verdadeiramente, tornei me nos ultimos tempos uma pessoa insegura, impulsiva, ciumenta e com pouca auto estima.
 
Tinha uma relacão muito boa com o meu companheiro e isso deixou de existir...talvez porque tenho mudado, nao tenho emprego, nao tenho bom ambiente familiar e tudo me corre mal.
 
Ajude me por favor, a minha vida esta sem rumo.
 
 

Totalmente perdida

Descobri este Blog num momento da minha Vida em que me sinto totalmt perdida.

É como se só o meu corpo cá continuasse....O meu espírito, o meu interesse de viver.........sumiu-se.

 

E não há motivos para ISTO. Eu "devia" se feliz e grata.

 

Não há anti-depressivos que me valham. Será que é isto o resto da minha Vida?