Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Dúvida sobre sexualidade

 

IMG_0277 - Copy.JPG

Olá, boa tarde!

 

Tenho 22 anos e até o momento não possuo nenhuma experiência com relacionamentos. Nunca namorei e nem ao menos beijei. Porém desde o mês passado venho criando certas dúvidas quanto a minha orientação sexual. Tenho uma colega de trabalho lésbica e conversando com ela, percebi que em alguns momentos também tive algumas crises de orientação. Não sei se isso se deve a minha falta de experiência, mas desde então não consigo não pensar no assunto. Não me imagino namorando com outra mulher, porém tento evitar tanto pensar sobre o assunto que isso tem-me causado certa angústia. Será que sou bi? Ou apenas estou tendo uma crise tardia por conta da minha falta de experiência?

Agradeceria se pudesse ajudar-me e também agradeço desde já pela atenção.

 

Cara leitora,

É importante lembrar que não se nasce com uma orientação sexual definida, pronta e acabada. Pelo contrário, ao longo da vida vamos aprendendo e nos identificando com diferentes formas de vivenciar nossos desejos de uma forma mais fixa ou mais flexível, conforme as experiências vividas.

Provavelmente a sua falta de experiência impede que tenha um sentimento claro da sua sexualidade e quanto mais se preocupa mais fica angustiada. O importante é deixar fluir seus sentimentos e viver a sua sexualidade naturalmente sem forçar nada.

 

 

 

Dúvidas e sexualidade

monet7.jpg

 

 

Olá Dra. Eu não estou com dúvidas em relação à minha orientação sexual. Sempre tive mulheres e sempre me senti bem com isso. Mas do ano passado para cá, vinha-me à cabeça que era gay.

 

Eu não ligava porque isso não fazia sentido. Mas este ano, no dia da minha imposição de insígnias (sou finalista) deu-me qualquer coisa na cabeça e fiquei obsessivo com essa ideia.

 

É possível uma pessoa aos 25 anos descobrir isso? É que eu não sinto nenhuma atracção por homens nem nada que se pareça. Procurei um psiquiatra e ele disse-me que eu estava com uma perturbação obsessivo compulsiva.

Isto já dura há 5 meses. Estou completamente desesperado porque eu não sou gay e só me vem à cabeça imagens mentais de homens em tronco nu e pensamentos de sexo anal.

Mas eu não sou gay nem o quero ser. Poderia esclarecer-me por favor. É que eu não sinto a mínima atracão sexual por homens. Nada mesmo.

 

Cumprimentos, CB

 

 

Caro CB,

 

Segundo a concepção junguiana de sexualidade, “…a pessoa é masculina e feminina, não é só homem ou só mulher”, assim todos teríamos o nosso oposto interno. A saúde ou a patologia está na capacidade de lidar com este oposto.

 

Não podemos pensar a sexualidade como restrita ao corpo, há que sentir também na alma (psique em grego), e a partir daí ir além. Assim a vivência interna de um homem pode ser feminina ou masculina.

 

Precisa descontrair e viver a sua sexualidade com naturalidade. Não importa o que lhe vem à cabeça e não deve fazer disso uma cisma. Pode ser que seja bissexual, heterossexual, etc., o importante é que se sinta bem consigo mesmo. Descontrair e relaxar é a melhor maneira de viver a sua sexualidade.

 

Se não conseguir superar essa inquietação sozinho procure uma ajuda profissional para poder falar sobre as suas dificuldades e aprimorar seu autoconhecimento.

Fique bem

Orientação sexual

 

 

 

 

 

 

Boa noite doutora. O meu último namoro durou três anos e acabou porque o meu ex namorado me traiu.

Actualmente namoro com um rapaz há cerca de 7 meses de quem gosto muito.

Para mim o amor e os relacionamentos são muito importantes e o meu atual namorado apesar de eu saber que gosta de mim é um pouco distante e não é chato e sinto que as vezes podia ser mais próximo e preocupado.

Um dia destes, triste por me sentir m pouco carente dei comigo a pensar se o problema não seria eu, ou algo que e fizesse ou dissesse. Então dei por mim a pensar que se calhar o problema era mesmo eu e pensei que se calhar era bissexual e não sabia.

 

Nunca me senti atraída por mulheres, nunca achei que estivesse apaixonada por nenhuma mulher e nunca pensei nem tive fantasias com mulheres e isso nunca me tinha passado pela cabeça, mas mais ma vez os meus medos e receios da vida tomam conta de mim e este medo não me tem saído da cabeça apesar de eu saber que na tenho razões para isso porque não tenho motivos para tal. Se vejo ma mulher e acho bonita penso no assunto, se gosto das calças, da mala, dos sapatos, do cabelo, penso no assunto.

 

Este problema anda a dominar os meus dias e não me sai da cabeça e afeta a minha vida. Acha que devo ir a um psicólogo ou isto será apenas inseguranças?

Atenciosamente, I.

 

 

Cara I.,

 

Pelo que refere, não parece que tenha uma orientação sexual bissexual. Entretanto pode estar a reparar mais nas mulheres numa tentativa de compreender o motivo da traição do seu ex.

 

Provavelmente está a atravessar uma fase de insegurança onde a outra mulher é vista como um espelho e como uma imagem a ser imitada.

 

Porém, se essas questões de identidade sexual e orientação sexual a estão a perturbar e a inquietar, o melhor é ir a um psicólogo para poder trabalhar as suas inseguranças e ao mesmo tempo aprimorar o seu autoconhecimento.

 

O objetivo da psicoterapia é levar a pessoa a se conhecer mais profundamente, compreendendo seus processos e mecanismos mentais, para aprender a utilizá-los em seu próprio benefício.

 

O resultado é um ganho geral na sua vida, com aumento da autoestima e da autoconfiança, maior sensibilidade às suas necessidades reais e qualidade nos seus relacionamentos. Aprendendo sobre si mesma, vai poder transformar-se no agente de seu próprio destino, passando a lidar com a dor, com a ansiedade e com o sofrimento em geral de uma forma mais saudável, sem se descontrolar e sem dificultar o seu desenvolvimento pessoal. Pelo contrário, será mais livre para escolher e desfrutar da vida com leveza e harmonia, aceitando-se e respeitando-se simplesmente

 

Tudo de bom

Mariagrazia