Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Ansiedade e excesso de libido

39.jpgOlá Drª Maria,

eu pensei que me poderia dar uma pequena ajuda, se possível.
Se me poder esclarecer, agradeço muito!
Eu tenho 18 anos e tenho muita ansiedade. Nunca fui diagnosticada por um profissional, apesar de ter tido uma psicóloga na escola, mas os meus sintomas já passaram para além dos psicológicos e tornaram-se também físicos. Dando-lhe um exemplo, já não tenho um único dia em que não esteja ansiosa. Tenho sim, horas do dia em que me sinto mais calma mas sinto, maioritariamente, os calafrios, suores, diarreia, batimentos cardíacos muito fortes e rápidos, sensibilidade emocional, sensação de vómitos, angústia e entre outros ... Posso até dizer que a minha ansiedade é tão forte que eu tive que desistir da escola, pois tenho muita fobia social derivado aos meus pais terem sido sempre super super protetores (ainda hoje o são) e ao bullying que passei durante alguns anos na escola. Eu também não tenho o apoio deles nesta minha situação. Nós não temos uma boa relação, e eles não acreditam que eu possa ter estes problemas já que "eu nunca passei por dificuldade alguma na minha vida". Então a Drª é a minha única esperança, pois sem o apoio dos meus pais para ir a um psicólogo eu não consigo ir ...
Passando ao meu maior problema, então.
Eu tenho tido um sintoma em particular que me está a perturbar imenso, também, que é a minha libido. Eu sinto tanto desejo sexual e eu não sei o porquê. Sinto que se torna um problema, pois, eu estou sempre a ter pensamentos sexuais e estou sempre excitada. Poderá dizer-me se isso é normal, já que eu sou uma adolescente . ?! Eu também sou virgem, não sei se faz alguma diferença.

Se me poder ajudar, eu agradecia muito.

Cumprimentos.

Cara leitora,


O seu excesso de libido pode estar relacionado com os seus pensamentos. Será que está a investir um excesso de tempo em fantasias e desejos sexuais? As fantasias e desejos de comportamentos sexuais repetidos são uma resposta a estados de ânimo disfóricos assim como ansiedade, depressão, aborrecimento, irritabilidade...etc. ou a situaçãode vida stressantes.
Pensar em sexo é normal. Contudo, é possível que um excesso desses pensamentos acabe por interferir no seu dia-a-dia e que impeçam de ter uma vida normal, provocando assim mais ansiedade e mal-estar. Ser capaz de controlar esses pensamentos é imprescindível para recuperar a sua rotina.

Algumas dicas:

1 Identifique as origens dos pensamentos (situações, momentos, imagens, etc.) para poder evitá-los ou moderá-los em tempo.
2 Evite visualizar conteúdo erótico: ver vídeos e imagens sugestivas, temas de conversa que fazem pensar em sexo, etc.
3 Mantenha a sua mente ocupada, com coisas que não estejam relacionadas com sexo, faça planos, participe em atividades, etc.
4 Dirija a sua atenção: procure se ocupar com coisas que captem a sua atenção por completo: um livro, um filme, um processo criativo como escrever, desenhar, cantar, tocar um instrumento, etc.
5 Faça exercício físico. É uma boa forma de se ocupar e ajuda a liberar hormonas que também liberaria durante o sexo, ajudando de alguma forma a "saciar" o apetite sexual.
6 Deixe um espaço para o sexo. Trata-se de diminuir estes pensamentos, não de suprimi-los completamente. É importante desenvolver uma sexualidade saudável, explorar-se a si própria, ter dúvidas, etc.

As dicas acima também vão ajudar com a ansiedade.
Confie em si e invista em alguma mudança na sua vida.
Fique bem

Pai abusador

11.jpgTenho 22 anos, atualmente, estou casada há 8 meses. Mas no ano passado lembrei-me, eu lembrei que meu pai ia no meu quarto orar comigo e sempre que eu terminava de orar eu dava um beijo no rosto dele e ele um beijo na minha testa, mas a mão dele apalpava meus seios, mas eu achei que era coisa da minha cabeça. Meu pai  com a única filha mulher dele que sempre me deu de tudo, sempre me deu carinho, amor e proteção fazendo isso comigo.

Deixei pra lá e segui minha vida. Depois de uns anos descobri que ele tentou abusar da minha tia quando ela tinha 15 anos. A mesma idade que eu tinha!

 

Então desde esse dia eu não consigo ter desejo sexual, principalmente se ele toca nos meus seios eu fico agoniada com repulsas eu não consigo mais sentir desejo.

 

Eu não sei oque fazer! Só sei que na hora do sexo eu odeio. E antes deu lembrar disso era tranquilo eu gostava. Estou sem rumo ...

 

Cara Leitora,

O melhor é ir a uma consulta de psicologia para poder resolver esse seu “trauma “ de infância e viver uma vida sexual livre de sentimentos contraditórios e sofrimento.

 

É importante não se culpar e nem odiar o seu pai que teve esse péssimo comportamento, talvez por ignorância ou por abuso de poder.

Pense em si e procure ajuda para se libertar desse pesadelo que está a bloquear a sua vida sexual presente.

O que sofreu foi muito grave mas é possível ser superado. É importante dar-se a oportunidade de receber carinho e encontrar o amor, de experimentar as (im)perfeições, de dividir sua vida com seu marido.

 

Lembre-se que no seu processo de reconstrução como mulher, a masturbação tem um papel importante, pois ajuda a conhecer o próprio corpo e permite o contato com o prazer, sem culpa. Para muitas mulheres, a literatura erótica também pode ser uma ferramenta.

 

Um abraço e tudo de bom,

Amor

coracao.jpg

 

“Sobre a tendência universal à depreciação na esfera do amor”, Freud (1912) destaca características que determinam a escolha da pessoa amada, demonstrando conflitos que ocorrem entre a capacidade de amar e desejar sexualmente o mesmo objeto. A harmonia de uma relação amorosa normal sustenta-se entre o equilíbrio das correntes eróticas e afetivas.

 

Feliz dia de San Valentim!

Desejo hipoativo

portinari10.jpg

 

Saudações, Dr.ª Mariagrazia Marini.

 

Gostaria que me ajudasse em uma informação. Tenho 31 anos de idade assim com também minha esposa. Temos 10 anos de casado e uma filha. Minha esposa dorme muito e raramente ela me procura, sempre sou eu. Já conversamos muito sobre isso e já estou cansado de tudo isso, ameacei até de me separar. O que faço?

Agradeço a resposta.

 

Caro leitor,

 

Para muitas mulheres, o desejo sexual surge com frequência e intensidades muito menores do que elas gostariam. Um remédio recentemente aprovado para comercialização nos Estados Unidos promete mudar essa situação.

A nova droga pode ser útil para casos específicos. Apelidado de “viagra feminino”, o remédio chamado Flibanserin foi recentemente aprovado pelo FDA, o órgão norte-americano que regula a comercialização de medicamentos e alimentos. A proposta do medicamento é estimular a libido feminina agindo diretamente sobre os neurotransmissores cerebrais de mulheres com Transtorno de Desejo Sexual Hipoativo.

 

O Flibanserin atuaria reduzindo temporariamente os níveis de serotonina e aumentando a quantidade de dopamina e norepinefrina no cérebro. Como resultado, ocorreria um aumento da libido.

 

A sua esposa pode usar esse medicamento com algumas ressalvas. O remédio não deve ser usado indiscriminadamente, muito menos quando a falta de desejo se der por stress, depressão ou problemas no relacionamento. Nesses casos, a paciente provavelmente não tem déficit hormonal, então não há necessidade de corrigir a química do cérebro, sendo assim, uma terapia será bastante eficaz.

Fale com ela e decidam juntos qual o melhor caminho a seguir, se tomar o medicamento ou fazer uma psicoterapia.

 

Tudo de bom

 

Muito desejo sexual

picasso47.jpg

 

 

Bom dia Dra.,

 

Escrevo para a doutora porque gostaria de saber ser ter desejo sexual a todo o momento por alguém é normal?

 

Caro Leitor,

 

Sair de casa frequentemente com o único objetivo de fazer sexo, passar horas assistindo a filmes eróticos ou se masturbando, exigir do companheiro frequência sexual excessiva e ainda manter relações extraconjugais são sinais de que o desejo sexual saudável pode ter dado lugar a uma doença.

Segundo médicos, é natural que o ritmo sexual e a vontade de ter sexo variem de pessoa para pessoa. Quando o impulso sexual sai do controle, porém, ele se torna uma compulsão, que, como qualquer outra dependência, precisa de tratamento.

 

A compulsão sexual não é definida pelo número de relações sexuais que a pessoa tem. O critério não é quantitativo porque existem pessoas que têm atividade sexual intensa, mas não tem a compulsão. É considerado transtorno quando a pessoa não tem controle sobre o impulso, ou seja, quando leva mais tempo do que gostaria com a busca por sexo ou com a prática sexual.

 

Com o passar do tempo e o agravamento do transtorno, a compulsão passa a interferir nas outras áreas da vida, e o prazer dá lugar a sentimentos de culpa e arrependimento.

 

Se começarem a aparecer os resultados negativos, como perda de emprego, fim de relacionamento, etc. é indicado que busque ajuda profissional.

Se for só um caso de pensamento e que não interferir com a sua vida normal, não há problema.

 

Fique bem

 

 

Greve de sexo

 

 

Minha namorada fez greve de sexo, estamos há 4 meses sem ter relações. O que devo fazer para desafiá-la?

 

 

Cumprimentos,

D.

 

Desejo sexual

 

 

 

 

Olá, boa tarde!

 

Achei seu blog pesquisando algo sobre ciúme da ex-mulher, li e reli várias matérias para tentar me encontrar, mais como muitos fizeram resolvi também pedir sua ajuda.

 

Tenho 45 anos, fui casada durante 10 anos, traída e tive outros relacionamentos sérios com outros homens. Estou atualmente namorando a 1 ano e 6 meses um homem de 58 anos que por 5 anos era meu colega e confidente por algumas vezes.

 

Quando amigos eu não tinha nenhum desejo amoroso por ele, mais ao começarmos eu fui me apaixonando. O problema é que mudou muito, não saímos, vive dizendo que não temos condições e que precisamos economizar, alega que gosta de ficar em casa e o pior, não me procura mais sexualmente a um mês, pois afirma que sexo não é tudo, que temos que direcionar nossas energias para o estudo, as conquistas. Tem mantido contato telefónico com a ex-esposa e alega que só são amigos.

 

Estou insegura, ele nega tudo que questiono sobre voltar para a familia dele, diz que me ama mais não tem desejo por mim.

 

Tenho tentado me afastar cada vez mais dele, evito ligar, manter contato durante a semana e finjo que estou bem nos fins-de-semana que estamos juntos sempre em casa, comendo e assistindo TV.

 

Sou fogosa, tenho desejo por ele, estou com baixa estima. Não quero acabar como nosso relacionamento, mais não sei o que fazer, me sinto desmotivada para reverter essa situação quanto mais tento ser carinhosa, mais ele se afasta.

 

Pode me orientar por favor.

 

Obrigada!!

 

 

Duas relações

 

 

 

 

Olá boa tarde,

 

Chamo-me T., tenho 24 anos e tenho uma dúvida que talvez me possa ajudar que é o seguinte: 

Eu tenho namorado, mas conheci há tempos outra pessoa e nos envolvemos sexualmente e essa pessoa também tem namorada e nós gostamos imenso das pessoas que temos ao nosso lado mas só que também sentimos um grande desejo entre nós (eu e essa pessoa) e cada vez está a crescer mais e não sabemos o que pode significar esse desejo.

 

Gostaria que me pudesse explicar esta situação.

 

 

Desejo por colega

 

 

 

 

Estou casado há 3 anos e conheço a minha mulher há 11 anos.

 

Ontem tivemos uma conversa e ela disse-me que ultimamente não se tem sentido sexualmente atraída por mim, mas sente desejo por um colega de trabalho .

 

Ela disse-me que gosta muito de mim e não quer me deixar, mas também não quer trair. E pediu-me para ficar a sós em casa durante uma semana para pensar.

 

Na sua opinião como devo fazer para resolvermos o problema?

Obrigado.