Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Marido infiel

41.JPG

Dra.

Estou desesperada, angustiada, aflita, me sentindo a pior mulher do mundo.

Sou casada a 13 anos amo meu esposo e achava também que ele me amava, Mas a três meses ele me confessou a sua traição, que aconteceu em Novembro de 2019,

Ele foi trabalhar em outra cidade e lá conheceu a pessoa é disse que ficou duas semanas com ela, neste meio veio para casa no final de semana dessas duas semanas, voltou e ficou com ela novamente.

Estava tudo bem entre nós, ou pelo menos achei que estava. Temos dois filhos lindos, inclusive um ainda tem 1 ano e 10 meses... achei que estávamos felizes, não entendi nada. Fique com muita raiva ódio xinguei ele muito pois para mim estava tudo bem,

E o pior ainda passou dezembro inteiro (inclusive meu aniversário, Natal, ano novo,) passou janeiro e em fevereiro no dia 25 tivemos uma briga pois ele estava escondendo muito o celular, e ai quando a bomba estourou. Chorei muito, nossos filhos viram todas as brigas e xingamento, me vi num luto profundo, uma angústia profunda, Porque vi minha família desmoronando ( e ainda estou vendo) Ao mesmo tempo que estava tudo bem derrapante tudo virava poeira, não sabia nem no que pensar mais... e ainda não conformo. Eu disse a ele que o perdoei pra tentarmos novamente e por causa dos nossos filhos e porque também a amo, são 13 anos muito bem vividos alegres ... enfim. Éramos felizes. "Meu Deus o que que aconteceu?" Não sei, me via num beco sem saída.

Quase dois meses depois, ainda há conflitos entre nós Dra.

Por fim agora ele disse que não se senti digno de mim. Não quer nem me beijar, beijo sabe até mesmo de selinho para uma despedida. Mas o que não entendo é que o sexo ele quer, e com isso estou sentindo-me usada, além de me sentir humilhada pelo acontecido, me sinto desprezada... Pergunto a ele e ele me diz que isso não é desprezo e sim respeito para comigo, que eu não mereço um, comparado da palavra, Um bosta como Ele, que ele manchou nossa história, ele está estranho, se sentindo mal de saúde dores, ... Não sei Dra o que está acontecendo. Mas sinto muito de ele não me beijar, podemos ficar o dia todo em casa, que ele não me dá um beijo, nem de selinho.

Mas o sexo quer... assim mesmo me deito com ele, porque eu o amo muito e que eu mais quero é que nos voltamos ao normal. Não sei mais o que pensar Dra. Não sei mais o que dizer... Não sei. Me sinto perdida,

Desprezada e humilhada.

Estou de mãos atadas e o pior não tenho para quem contar e desabafar

Me sinto sozinha Dra. Não ser mais como reagir a essa situação. Me ajude Dra.

Por favor!

Aguardo seu retorno. Obrigada.

 

Cara leitora,

Parece que estão num momento de transição, um momento onde ainda não se perdoaram o que aconteceu. Primeiramente é preciso separar o perdoar do confiar. O perdão normalmente ocorre pela análise de uma série de fatores, como o tempo que estão juntos, todos os momentos felizes que compartilharam, o quanto construíram juntos, se têm filhos, etc. E é preciso lembrar que a reconstrução gradual da confiança é um processo difícil e doloroso.

Ao voltar a ter relações sexuais, depois que tudo veio à tona, é comum que o casal se depare com alguns obstáculos. Mesmo se os fatores que levaram à traição são entendidos, é inevitável surgirem sentimentos de que algo na vida do casal não ía bem e que precisa ser reajustado. Quem traiu também fica numa posição desconfortável, de certa "dívida" com o par. Não dá para retornar imediatamente tudo como era antes, é preciso ter paciência e ir vivendo um dia após o outro na tentativa de reconstruírem a relação.

Quanto ao beijar é preciso ter paciência, dar tempo ao tempo. Pode ser que o sentimento de culpa bloqueia-o no ato beijar.

Infidelidades acontecem. Pensem em viver esse momento como uma “oportunidade” para reconstruir a vossa relação mais fortalecida, sem cobranças, com muito diálogo e cada um a seu tempo. O investimento deve ser direcionado à vossa relação. Não procure saber, detalhes da infidelidade, foco em melhorar a vossa relação!