Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Filho sem interesses

magritte31.jpg

 

 

Bom dia Dra. Mariagrazia

Estou a contactá-la porque vi que a doutora respondeu a algumas perguntas na internet, e eu estou muito preocupada com o meu filho e ele recusa-se a ir à uma consulta. Já foi a uma doutora em Cascais, mas diz que não vai lá fazer nada.

Ele tem 19 anos, deixou de estudar, nada lhe interessa, diz que somos todos robots está muito tempo a pesquisar coisas na internet, não sai de casa, deixou de sair com os amigos, gostaria de saber se me pode dar alguma ajuda do que devo fazer.

 

Obrigada

Ana Maria

Cara Ana Maria,

 

A situação do seu filho não é normal. Robot é como ele sente as pessoas e a si próprio, por não interagir com o mundo real.

 

Ele precisa mentalizar-se que precisa de ajuda e que essa ajuda passa por um tratamento psicológico. Não bastam algumas sessões. É preciso uma continuidade para que ele possa se conhecer melhor e entender o que se passa e consiga enfrentar e gerir as suas próprias dificuldades.

 

Como mãe procure abrir o diálogo e crie novas estratégias para lidar com ele para ajudá-lo a resolver essa questão. É preciso dar limites e regras. Ele precisa interagir com pessoas, estudar ou trabalhar, encontrar interesses e ânimo para fazer desporto, ajudar em casa e não se refugiar numa vida “virtual” que o robotiza cada dia mais. É preciso que ele retome as rédeas da sua existência e encontre um novo sentido para a vida.

 

Fale com ele e insista com firmeza e determinação. Disciplina e educação dão segurança aos filhos e os prepara melhor para a vida.

 

Um abraço

 

Filha de pais separados

gauguin18.jpg

 

Olá Dra. como vai?

Procurando pela internet alguma história como a minha achei seu site..então escrevo para pedir-lhe uma orientação..

Fui casada por 17 anos. Divorciei-me há 3 anos..mas mesmo já tendo passado 3 anos da minha separação minha filha não consegue aceitar.. ela mora comigo e passa os finais de semanas com o pai..a vida dela não é má, é boa..tem tudo que quer dentro das nossas possibilidades.. mas esta sempre chateada sem motivos aparentes.. agora esta revoltada comigo porque coloquei ela pra fazer inglês.. contra a vontade dela mas é bom pro futuro dela e eu não posso tirá-la..esses dias peguei uma cartinha que ela escreveu dizendo isso tudo..que a vida dela não era fácil, que queria os país juntos, que não quer fazer inglês,.. o que eu faço dra..não entendo do que ela reclama.. será que pra amenizar isso devo tirá-la do inglês.. o que fazer como devo agir.. e além de tudo eu saio como errada até porque quem quis a separação fui eu..ela tem 13 anos..mas ela não é rebelde graças a Deus.. ela é meiga e educada..

Obg Dra..

M.

 

Cara M.,

Sua filha está na fase da adolescência, onde o lema é contestar tudo o que vem dos pais. É normal que ela ainda sinta algum sofrimento pela separação dos pais, mas é preciso não deixar ela exagerar. O adolescente reage ao divórcio muitas vezes com depressão, raiva intensa ou com comportamentos rebeldes e desorganizados e poderá questionar a autoridade.

O importante é manter-se firme nas suas decisões de educação, dando o que sente que é melhor para ela. Todos os filhos de pais separados tentam fazer algum tipo "chantagem" por conta da separação dos pais, mas é importante educar com firmeza, dar limites, valores saudáveis e disciplina. Dar limites ajuda a sua filha a sentir mais segurança e mais certezas. A disciplina é basicamente ensinar a criança como deve se comportar. Todas as crianças necessitam que seus pais estabeleçam regras de conduta para o comportamento aceitável. Quanto mais mestres em aplicarmos os limites, maior será a cooperação que receberemos dos nossos filhos e menor será a necessidade de aplicar as disciplinas desagradáveis para que se cumpram. O resultado é uma atmosfera doméstica mais agradável tanto para os pais como para os filhos.

 

Fique tranquila e continue educando com muito amor e carinho vai educar a sua filha.

Um abraço