Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Insegura com o namorado

Olá Doutora,

Namoro há dez anos. Tenho 25 anos e o meu namorado tem 27.

Começamos a namorar éramos adolescentes e atualmente ainda não vivemos juntos porque estou a acabar um curso universitário. No entanto, não consigo sentir-me segura neste namoro porque tenho vindo a aperceber-me que ele não tem ou pelo menos não demonstra vontade em fazer certas coisas comigo. Refiro-me ao passarmos uma noite juntos por exemplo. De há uns anos para cá discutimos muito quando lhe expresso essa frustração de se passarem meses sem dormirmos juntos.

 

Não me pergunte o porquê mas sinto uma grande necessidade em ter isso dado que não vivemos juntos. Depois dessas discussões ou conversas ele compromete-se que vai ter mais atenção a isso mas um mês depois, volta tudo ao mesmo e a minha insegurança aumenta.

Mesmo em relação ao futuro sinto que mais depressa sou eu quem fala nisso ou tenta arranjar soluções do que ele. É como se ele vivesse num mundo a parte e vejo que só quer estar em casa dele o dia inteiro. Já pensei que estivesse numa fase depressiva, mas a verdade é que ele foi sempre assim. Até para passarmos a nossa primeira noite juntos, isto há muitos anos, tivemos uma grande discussão e tive que ser eu a demonstrar que queria, da parte dele havia indiferença.

 

Já conversei a bem com ele, já discuti, já chorei muito a frente dele e já fiquei meio ano sem ter relações sexuais com ele por essa indiferença por parte dele, mas agora só fico calada e apática porque não sei mais o que fazer.

Ele no geral é carinhoso e amoroso comigo, mas nestes assuntos é totalmente diferente.

Obrigada

 

Cara leitora,

 

A questão sexual é uma questão importante para a relação. Cada pessoa tem um ritmo e homens e mulheres têm libidos diferentes, o que pode atrapalhar na ora do sexo.

O desencontro do desejo requer comunicação e entendimento entre as partes, e, em muitos casos, uma redefinição do que o sexo significa na relação. Uma harmonia depende do modo como ambos comunicam o que querem. Harmonia é o mais difícil de tudo, mas não impossível.

Falem sobre isso, dialoguem e tentem encontrar um ponto de encontro.

Para favorecer o desejo sexual, pode ser interessante inovar situações de convívio como, por exemplo, irem a ambientes que não costumam ir, programarem jantares românticos, viajarem juntos, terem algum cuidado com o corpo, darem vazão às fantasias, etc.

 

Conversem e conversem um com o outro mas sempre sem forçar nada para não criar inibições. Também há a opção do seu namorado tomar algum medicamento para que se sinta mais confiante e seguro antes do ato sexual.

Outra solução está em procurar um psicólogo para explorar a situação e identificar e trabalhar possíveis inibições ou constrangimentos relacionados com o sexo.

 

Os relacionamentos evoluem na reciprocidade. Se um puder contar com o outro para dar prazer regularmente, mesmo que não seja com tanta frequência quanto um gostaria, já é um ponto positivo.

Não se esqueça de mostrar apreço por seu parceiro quando este demonstrar preocupação genuína sobre sua felicidade sexual. A felicidade sexual não é apenas fazer sexo quando você quer fazer sexo. É também não ter que fazer sexo quando você não quer fazer sexo. E a felicidade sexual é reforçada por saber que seu parceiro é sexualmente feliz consigo, porque os dois estão na maior parte do tempo, mas nem sempre, tendo o sexo que precisam, e principalmente, mas nem sempre, livres da pressão para fazer sexo quando não há clima.

Você tem que dar um pouco para obter um pouco.

Um abraço e tudo de bom

Descontrole no casamento

 

Paula Rego

 

Tenho 31 anos e desde muito novo sempre fui optimista quanto ao futuro, conheci a minha esposa com 15 anos, namoramos 7 e casamos eu com 21 e ela com 22 aos 26 foi pai de um lindo menino e sempre lutei para tudo na vida mas isto não aconteceu como eu queria pelas minhas atitudes; quando namorava traí a minha mulher sem ter razões para isso ela desculpou-me mas não perdoou com o decorrer dos anos tinha o meu filho meses fiz a mesma asneira e ela descobriu porque eu não sei lhe mentir nesse momento o nosso casamento tornou-se um fardo para ela e eu por mais que tentasse não consegui estabilizar a nossa relação. a cerca de 3 anos abri uma empresa a qual tem crescido regularmente trazendo-me uma posição social melhor, parece quanto mais dinheiro se ganha menos família se tem porque desde que tenho a empresa tenho tido muitos jantares com clientes esses jantares prolongou-se até as altas horas da madrugada em locais muito poucos admirados pelas mulheres.

 
Eu mesmo que não queira não posso dizer que não pois eles são quem me dão o ganha pão todos os dias, isso veio trazer o terror da minha infelicidade o desmoronamento do meu casamento que á 6 meses se tornou um verdadeiro inferno, pois em 6 meses eu já sai de casa a pensar que conseguia deixar a minha mulher pois ela nunca me magoou de maneira algum e eu que fazia isto tudo pensei eu que ela não merecia um homem como eu e o melhor era deixa-la para ela poder ser feliz mas ao fim de 3 meses não conseguia estar longe dela e do meu filho pois nesse tempo eu nunca deixei de pensar neles, com divorcio marcado que chegou a ser executado fiquei ainda mais triste, no entanto depois de me humilhar e praticamente rastejar aos pés dela ela deixou-me voltar para casa e deu-me uma hipótese de voltar mas não valeu de nada por muito que eu faça para tentar ser feliz alguma coisa acontece, no dia 18 do corrente mes um dos clientes convidou-me para o jantar de natal da empresa dele mais uma vez não podia dizer que não esse mesmo jantar acabaria igual aos muitos outros, resultado final mais uma grande chatice dentro de portas qual ela não fala comigo e quando responde a alguma pergunta minha é com uma frieza que parece uma faca de gelo a entrar dentro de mim estou muito desgostoso de mim próprio por não ser aquilo que eu queria, choro todas as noites pelo que fiz durante toda a minha vida, adoro o meu filho e com apenas 5 anos ele diz varias vezes que “a mãe não quer saber mais de ti pai “ ainda mais desgostoso fico e ela refugiasse em casa dos pais dela e só aparesse ao final da tarde em casa demonstrando indiferença da minha presença em casa.
 
Tento me concentrar no trabalho mas não consigo não me sai da cabeça que vou passar o natal e quem sabe o final do ano sem a minha família pois ela sempre passou com os pais todas as épocas natalícias e finais de anos.
Sinto-me solitário e sem motivação para o que quer que seja com um nó muito grande na garganta e uma dor inexplicável no coração tenho pensado que se não existisse seria o melhor só que tenho um amor tão grande pelo meu filho que não tenho tido coragem para isso pois vem-me ao pensamento como seria depois afectado o meu filho pelo acto cometido, também não me alimento pois não tenho apetite nenhum e não me consigo controlar emocionalmente, tenho vergonha de mim mesmo e não sei o que fazer para conseguir seguir em frente pois ela já não me quer mais e eu estou a ficar descontrolado com esta situação.
 
Obrigada por existir algo em que pessoas como eu possam pelo menos escrever o que vai no coração e na mente.