Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Injustiças e tormentas

 
 
 
 

Bom dia Drª Mariagrazia

 

Ao longo da minha vida como trabalhadora, tenho tido sempre muitos problemas com o meu feitio, não reajo bem com as injustiças, com as falsidades, com os pedidos de esforço e sacrifício que me são pedidos quando comparados com colegas do mesmo local de trabalho, que nada fazem e que tudo têm.

 

Gosto de fazer tudo o melhor possível e quanto mais perfeito melhor, quando não sei algo disponho-me a aprender para poder prestar um bom trabalho. Até agora o meu desempenho, esforço e dedicação só têm-me trazido decepções  desgostos e depressão. Não sou feliz no trabalho, não gosto daquilo que faço mas faço de tudo para fazê-lo bem, mas em relação aos meus superiores tenho um feitio que ultrapassa todo o meu bom trabalho... sou refilona, não permito que me humilhem, que me tornem numa escrava, e quando mais me tentam rebaixar mais furiosa fico e mais refilona fico.

O problema é que já vou no meu terceiro trabalho e esses problemas continuam a acompanhar-me. Não consigo resistir aos impulsos de humilhação, de sensação de escravatura, de injustiça.

 

Devido à actual conjuntura financeira, não me posso dar ao luxo de partir à descoberta de uma área, de um trabalho que me dê prazer, que me faça feliz, preciso de um salário para acabar a minha licenciatura e para pagar as minhas pequenas despesas.

 

A minha mãe começou agora a quimioterapia porque tem cancro da mama, assim como a minha tia (irmã da minha mãe) que cuidou de mim quando era pequena também tem, mas infelizmente em estado terminal. Vivo na casa da minha sogra, com quem não me entendo muito bem e com a qual não posso refilar para não criar um ainda pior ambiente.

 

Já estou a fazer um tratamento para a depressão, mas estas tormentas que parece que ninguém entende estão a dar cabo da minha sanidade mental. 

Por favor ajude-me, por favor dê uma luz para o meu caminho escuro. 

 

Cumprimentos,

S.

 

Castigo

 

Pablo Picasso

Cara Dr.ª
 
Tenho um filho em idade escolar no 6º ano. Numa aula de substituição, conjuntamente com o resto da turma foram castigados.
 
O Castigo aplicado foi escrever em casa 50 vezes a frase "Eu nas aulas devo respeitar as regras, participar correctamente e estar em silêncio".
Dado que considero tal castigo desproporcionado e uma agressão ao intelecto das crianças, pelo exagero do número de vezes a repetir a frase e pela injustiça de pagarem todos por alguns, solicito a V. Exª, caso entenda que o assunto merece reflexão, uma opinião sobre o assunto, a fim de me posicionar futuramente.
 
Grato pela atenção dispensada, apresento os meus melhores cumprimentos
 
M.