Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Desejo hipoativo

portinari10.jpg

 

Saudações, Dr.ª Mariagrazia Marini.

 

Gostaria que me ajudasse em uma informação. Tenho 31 anos de idade assim com também minha esposa. Temos 10 anos de casado e uma filha. Minha esposa dorme muito e raramente ela me procura, sempre sou eu. Já conversamos muito sobre isso e já estou cansado de tudo isso, ameacei até de me separar. O que faço?

Agradeço a resposta.

 

Caro leitor,

 

Para muitas mulheres, o desejo sexual surge com frequência e intensidades muito menores do que elas gostariam. Um remédio recentemente aprovado para comercialização nos Estados Unidos promete mudar essa situação.

A nova droga pode ser útil para casos específicos. Apelidado de “viagra feminino”, o remédio chamado Flibanserin foi recentemente aprovado pelo FDA, o órgão norte-americano que regula a comercialização de medicamentos e alimentos. A proposta do medicamento é estimular a libido feminina agindo diretamente sobre os neurotransmissores cerebrais de mulheres com Transtorno de Desejo Sexual Hipoativo.

 

O Flibanserin atuaria reduzindo temporariamente os níveis de serotonina e aumentando a quantidade de dopamina e norepinefrina no cérebro. Como resultado, ocorreria um aumento da libido.

 

A sua esposa pode usar esse medicamento com algumas ressalvas. O remédio não deve ser usado indiscriminadamente, muito menos quando a falta de desejo se der por stress, depressão ou problemas no relacionamento. Nesses casos, a paciente provavelmente não tem déficit hormonal, então não há necessidade de corrigir a química do cérebro, sendo assim, uma terapia será bastante eficaz.

Fale com ela e decidam juntos qual o melhor caminho a seguir, se tomar o medicamento ou fazer uma psicoterapia.

 

Tudo de bom

 

Excesso de desejo sexual

Paula Rego

Tenho 45 anos e há dois meses que ando com uma pessoa, com quem sinto a mais perfeita sintonia. Estamos muito apaixonados e damo-nos bem. Tive uma relação muito longa e outra mais breve, antes.
 
Acontece que o meu desejo sexual é muito intenso e perturba-me. Fazemos amor sempre que podemos, 3/4 vezes por semana, mas isso parece não me chegar, acordo de manhã sempre com a libido muito excitada e ele não quer que eu me masturbe, para desfrutar em pleno. Como quando era mais jovem não sentia tanto desejo sexual, acho estranho este apetite agora. Será que há alguma disfuncionalidade ou isto é normal? Devo procurar apoio? Ele não se queixa nada e gosta que eu seja assim, mas eu começo a ficar perturbada.
 
Com os melhores cumprimentos,
M.

 

Falta de interesse sexual

Olá Drª Mariagrazia,
 
Preciso de sua ajuda!
 
Sou casada e estou passando por um problema que está me angustiando bastante. Tanto eu , quanto meu marido estamos sem interesse sexual um pelo outro. Depois da gestação tudo mudou. Aliás, durante a gestação esse problema já havia começado, mas por alterações hormonais, pode ser normal. No início na gestação perdi totalmente a libido e após o 6º mês gestacional aumentou bastante, porém meu esposo não estava na mesma sintonia. Entendo que ele também passou por vários momentos de estresse na vida profissional e isso pode ter afectado. Depois do período de resguardo, com a liberação médica para retornar as actividades sexuais, nada mudou.
 
Conversei posteriormente com minha ginecologista e ela me disse que no período de amamentação a libido ainda pode estar baixa. Meu filho está com 1 ano e 1 mês e parei de amamentar há quase 1 mês. Quando chegamos a ter relação, sempre é bom, porém para acontecer, é raro. Passamos este mês de Janeiro sozinhos, sem o filho, que foi passar as férias com os avós e pensei que fossemos ter uma segunda lua-de-mel. Tivemos algumas relações, mas não tão frequentes.
 
Como eu comento a minha insatisfação com esta situação, a coisa se tornou pior, porque parece que há uma obrigatoriedade e tudo se tornou muito mecânico. Não há mais clima romântico, paixão.
 
Fico triste porque vivemos super bem, somos felizes um com o outro. Tenho medo de acabar, de ele procurar outra pessoa, porque sempre mostrou necessidade de ter relações.
 
Estamos juntos desde 2003. Ficamos separados durante um ano e depois reatamos. O motivo da separação foi traição, que ele nega e que pra mim foi um trauma.
 
Quando voltamos a viver juntos, não tinha confiança total nele e sinto que isso mudou um pouco nossa vida sexual. De lá pra cá o relacionamento nunca mais foi o mesmo, mas mesmo assim voltamos a viver de forma harmónica e feliz.
 
Teria alguma orientação pra mim?
 
Agradeço imensamente a ajuda.