Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Razão para lutar

 

20.jpg

 

Tenho 18 anos, depois de dois incidentes traumáticos na minha vida perdi a razão de continuar a lutar pelos meus sonhos e pela minha vida, não tenho vontade de fazer coisas que antes realizava com alegria, como ler, estudar e sair de casa. Hoje é preciso um grande reforço pra fazer o mínimo, como ir ao curso técnico, perdi a vontade de me arrumar, de sair de casa, tenho dificuldades de socializar e as vezes penso que seria melhor se eu não tivesse nascido, que tudo dá errado e que as pessoas não gostam de mim e só me suportam por dó, só não acabei com a minha vida porque não consigo e imagino o desgosto que daria pra minha família se fizesse isso.

Cara Leitora,

Está a passar por uma fase de depressão, provavelmente relacionada aos incidentes traumáticos que sofreu no passado que não elaborou e que a levam a ver tudo muito negativo e sem esperança.

Para que possa superar é aconselhável ter um acompanhamento psicológico que a ajude a refletir sobre tudo o que aconteceu e a modificar a sua atitude presente.

Procure ajuda. Confie em si e no seu poder de encontrar uma solução e um tratamento confiável para o seu caso. Ao seu lado há pessoas que a amam muito.

Comece por apreciar as pequenas coisas da vida e anime-se para encontrar novas soluções para os seus problemas.

Lutar pela vida

 

 

 

 

Drª.

 

O meu filho mais velho de 25 anos que sempre foi um rapaz dócil e ordeiro, de há dois anos para cá entrou em guerra com os pais, devido à nossa insistência em ele  melhorar o seu aproveitamento na Faculdade pois o curso de Medicina Dentária  arrasta-se e vai já para a oitava matrícula. Neste momento faltam apenas três cadeiras teóricas e a tese. A nossa pressão em ele acabar o curso, após este investimento todo de tempo e dinheiro, tem resultado em desmotivação, agressividade verbal e isolamento por um lado no seu quarto e por outro lado em saídas diárias à noite com amigos quase sempre mais novos, mesmo em épocas de exames,  , vindo para casa sempre tarde 2, 3 ou 4 da manhã. 

 

Tem gosto por música e toca baixo numa Banda e os interesses musicais sobrepõem-se a tudo. Até aos 21 anos não vinha tarde para casa e era moderado nas saídas. Consultei já uma Psicóloga, mas não me trouxe qualquer ajuda e foi uma desilusão.

 

Neste momento estou a tentar que tenha um part-time e estude, mas a forma negociada como costumo lidar com ele, não está a resultar e as ofertas de emprego praticamente não existem. As minhas palavras não resultam em nada. O pai que foi sempre mais enérgico e explosivo com ele e por isso são bastante incompatíveis, tem-se mantido neutro  e pouco interventivo durante este ano,  numa estratégia conjunta. Porém como também não vemos resultados, na perspetiva de toda a gente próxima, eu sou a culpada porque o vou apoiando e relação conjugal degrada-se.  Devo tomar uma atitude de força e mais radical? Devo deixá-lo sem dinheiro?

 

Estará a passar por uma fase tardia de liberdade, pois até aos 21 anos pouco saía de casa. Como mãe e professora que sou,  sinto-me  falhada e só me apetece chorar e o meu sono é perturbado com esta situação de ver um jovem a não lutar pela sua vida especialmente num país como Portugal em que é tão difícil viver.

 

Peço ajuda com algumas dicas

Obrigada

ML